Buscar
Coluna

‘O que a gente imaginava que aconteceria em 30 anos, está acontecendo agora’

Onda de calor que atingiu o país em setembro foi 100 vezes mais provável de acontecer por causa das mudanças climáticas

Coluna
13 de outubro de 2023
06:00

Quer receber os textos desta coluna em primeira mão no seu e-mail? Assine a newsletter Antes que seja tarde, enviada às quintas-feiras, 12h. Para receber as próximas edições, inscreva-se aqui.

O brasileiro, em geral, tem uma relação de amor com o calor. Estamos no meio de um feriadão e tudo o que a maioria de nós quer é aproveitar o dia quente, de preferência na praia, na piscina, num parque, num rio. Brincando numa tina d’água, que seja. A gente tende a não achar o calor um problema. Somos um país tropical. Calor é normal pra gente.

Mas e quando não é?

“Ah, Giovana, não venha me falar, justo hoje, que não é pra gostar de calor”, deve estar pensando o caro leitor. Nada… eu até gosto. Quando estou de folga, verdade seja dita, o que não é o caso hoje – mas juro que não estou aqui azarando o seu descanso!

A questão é: e quando não é normal?

A gente teve uma experiência bizarra disso recentemente. Aquela onda de calor que atingiu o Brasil e a América do Sul em setembro, ainda antes mesmo de acabar o inverno, com temperaturas passando de 40ºC em várias partes do país e vários recordes de calor quebrados, não foi normal.

Porque todo o clima já não está mais normal. O calorão de setembro foi pelo menos 100 vezes mais provável de acontecer por causa das mudanças climáticas. Porque nós, humanos, já alteramos o clima de tal maneira que ondas de calor extremo estão muito mais comuns de acontecer do que antes. 

Esse cálculo foi divulgado por um grupo de cientistas do Brasil e do exterior no começo desta semana. Eles fizeram uma análise conhecida como “estudo de atribuição”, que busca avaliar a probabilidade de as condições climáticas atuais do planeta – como a enorme quantidade de gás carbônico que está acumulada na atmosfera por causa da nossa queima de combustíveis fósseis, desmatamento e agropecuária – influenciarem ou não a ocorrência de um determinado evento. 

A ideia é tentar medir se uma dada ocorrência se deu apenas dentro da variação climática natural do planeta – sim, mesmo sem aquecimento global, eventos extremos acontecem de vez em quando –, ou se ela seria muito improvável de ocorrer se não fosse justamente o estresse extra a que a Terra está sujeita. 

E a conclusão foi que as temperaturas do período teriam sido de 1,4ºC a 4,3ºC mais baixas se nós não estivéssemos aquecendo o planeta com nossas emissões de gases de efeito estufa. Se a temperatura média da superfície da Terra continuar subindo, esses eventos ficarão ainda mais comuns e mais quentes. 

Com um aquecimento global de 2ºC acima dos níveis pré-industriais, ondas de calor como essa podem ser ainda cinco vezes mais provável de ocorrer do que já foi hoje, e ainda de 1,1ºC a 1,6ºC mais quente. Veja que este ano já tivemos vários meses em que a temperatura média do planeta ficou cerca de 1,5ºC acima da registrada para o período antes da Revolução Industrial. Em setembro ficou 1,75ºC acima. Claro que esse não é um aumento que se sustenta pelo ano inteiro, mas já é bastante preocupante.

Bati um papo rápido com o pesquisador brasileiro Lincoln Alves, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que faz parte do World Weather Attribution – o grupo que conduziu o estudo –, e perguntei se ele tinha se surpreendido com os resultados. Alves é membro do IPCC, o painel científico da ONU sobre mudanças climáticas que vem alertando há décadas sobre o problema. 

E ele me respondeu com um riso nervoso: “O que nos surpreende é que aquilo que a gente projetava que iria acontecer num horizonte de 30 anos já está acontecendo agora”. 

Não é só a onda de calor do Brasil. O mesmo grupo analisou neste ano, por exemplo, os intensos incêndios florestais que atingiram o Canadá, a extrema onda de calor que atingiu a Europa, a América do Norte e a China em julho, e as tempestades que atingiram o Mediterrâneo, em especial a Líbia, em setembro. Todos esses eventos, de acordo com os estudos de atribuição, foram piorados pelas mudanças climáticas.

A ideia de analisar rapidamente o que tinha acabado de acontecer no Brasil foi justamente uma tentativa de mostrar que nada do que está acontecendo é mais normal. “Altas temperaturas fazem parte do cotidiano das pessoas no Brasil e por causa disso não se leva muito em consideração o impacto que o calor tem nas nossas vidas, tanto do ponto de vista ambiental – o calor traz seca, tem impacto na agricultura, nos recursos hídricos –, mas do próprio bem estar das pessoas”, afirma o pesquisador.

Além de que, em geral, esses impactos demoram a ser sentidos. O impacto direto do calorão na saúde, por exemplo, vai para ser contabilizado meses depois. Só em julho de 2023, um ano depois da onda de calor que atingiu a Europa no verão de 2022, saiu um estudo na revista Nature Medicine estimando que mais de 61 mil mortes podem ter morrido em decorrência das altas temperaturas no continente. 

O verão de 2022 já tinha sido o mais quente do registro histórico na Europa. O de 2023 o superou. Organizações meteorológicas estimam que este deve ser o ano mais quente desde o início das medições, no fim do século 19.

Os pesquisadores também quiseram analisar a onda de calor brasileira porque este é um ano de ocorrência do El Niño, o fenômeno natural de aquecimento das águas do Pacífico que sempre acaba impactando o clima no Brasil. Muito do que está acontecendo, como a seca e as queimadas no Amazonas e as chuvas no sul do país, se imagina que esteja apenas na conta dele. Mas o estudo considerou que, para a nossa onda de calor, o El Niño pode até ter tido alguma influência, mas o principal motivo foram mesmo as mudanças climáticas.

Isso é importante porque, de novo, não dá mais para olhar um ano de El Niño e imaginar o que vai acontecer apenas com base em como foram anos anteriores em que o fenômeno se manifestou. Em um planeta mais quente, em que atmosfera e oceanos como um todo estão muito mais quentes, o futuro não é mais como era antigamente.

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Aviso

Este é um conteúdo exclusivo da Agência Pública e não pode ser republicado.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes