Agência de Jornalismo Investigativo

Senador afirmou que ausência dessa infraestrutura afeta qualidade do serviço mais do que outros fatores, mas especialista diz que isso só tem mais peso em algumas áreas

11 de julho de 2016
09:00
Este texto foi publicado há mais de 6 anos.

“Sabemos todos que a principal causa do mau funcionamento da rede de celular é o número insuficiente de antenas que a compõem.” – José Medeiros (PSD-MT), em discurso no plenário do Senado no dia 4 de julho

Exagerado, distorcido ou discutível
Exagerado, distorcido ou discutível

O senador José Medeiros (PSD-MT) criticou a má qualidade do serviço das operadoras de celular, em discurso no plenário do Senado no dia 4 de julho. Segundo o parlamentar, os problemas são causados principalmente pela falta de antenas na rede. A frase foi verificada pelo Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – e a conclusão é que a afirmação do parlamentar é exagerada. A falta de antenas é apenas uma dentre várias causas do mau funcionamento do sistema.

De acordo com Eduardo Tude, especialista na área e presidente da empresa de consultoria Teleco, o número insuficiente de antenas é um problema principalmente nas grandes cidades. “Muitas delas têm restrições à instalação”, diz. Essa burocracia impede que as operadoras aumentem a infraestrutura no ritmo desejado, algo necessário para dar conta do grande número de conexões nessas áreas. Isso também afeta a qualidade do sinal em lugares fechados.

Mas um outro problema importante, especialmente para o uso de dados, é a impossibilidade de as operadoras usarem a frequência de 700 MHz – que permite aumentar a área de cobertura do serviço. Essa faixa está ocupada pela TV analógica e só será liberada quando terminar a transição para a TV digital. Só que a data para que isso ocorra vem sendo adiada pelo governo. O processo deveria acontecer este ano, depois mudou para 2017 e agora foi adiado para o final de 2018.

Há também uma enorme dificuldade em monitorar o serviço prestado pelas operadoras. Isso porque a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não tem um sistema que permita fazer esse acompanhamento de perto. Os indicadores não ficam organizados em um conjunto e são divulgados de forma irregular. “Iniciativas isoladas não dão uma visão completa”, diz Tude. “A Anatel tem consciência disso.” Segundo o especialista, a agência está trabalhando para mudar esse panorama, construindo um sistema mais consistente para acompanhamento da qualidade. Enquanto isso não sai do papel, no entanto, os problemas devem continuar.

O senador José Medeiros (PSD-MT) discursou sobre problemas na rede celular
O senador José Medeiros (PSD-MT) discursou sobre problemas na rede celular. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Procurado pelo Truco no Congresso, o senador afirmou, por meio de sua assessoria, que o seu discurso foi preparado pela Consultoria do Senado e que não foi incluída a fonte da informação checada na frase. De acordo com o consultor legislativo Vicente Pithon, a falta de antenas é sim o principal problema em algumas regiões do país, como Mato Grosso – tema do discurso. Logo, não haveria erro na afirmação, checada com um especialista (cujo nome não é citado). O discurso, contudo, fala da falta de antenas de uma maneira geral, para só depois tratar da situação específica do estado e de regiões do interior.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal