Buscar
Nota

Fiocruz condena lobby dos vapes pela indústria do tabaco, revelado pela Pública

31 de janeiro de 2024
15:13

O Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (CETAB), ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicou uma nota de repúdio às “atitudes” da Indústria do Tabaco e da Bancada do Fumo “em Defesa dos Vapes no Congresso”, após revelações de matéria da Agência Pública no especial “Redes de Nicotina: Novos Produtos, Velhas Táticas”, publicado neste mês de janeiro.

A nota cita a reportagem “Como a Bancada do Fumo se tornou defensora dos vapes”, que mostrou que parlamentares que se dizem representantes dos produtores de tabaco do Sul do Brasil encamparam a defesa dos dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs) no Congresso, e que a indústria tem contatado legisladores para defender seus interesses. Por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os vapes e produtos de tabaco aquecido são proibidos no Brasil desde 2009.

“A reportagem revela a influência da indústria do tabaco no lobby pró-DEFs, incluindo grandes corporações como a British American Tobacco (BAT). Lobistas representantes da indústria abordam parlamentares e ministros de governo para defender os interesses da cadeia produtiva do tabaco”, diz a nota. 

O texto do CETAB também destaca revelação da reportagem acerca da senadora Soraya Thronicke (PODEMOS-MS), autora do projeto de lei 5008/2023, que tenta liberar a comercialização dos vapes no país, com restrições. Em entrevista, a senadora admitiu à Pública que se reuniu com representantes das empresas de tabaco. “Recebemos de portas abertas todos os interessados, a favor e contra; a indústria, inclusive”, disse. De acordo com ela, “é um tanto quanto contraditório” o Brasil permitir o uso do tabaco, mas não dos dispositivos eletrônicos para fumar. “O problema é o que você inala e não o dispositivo”, argumentou. 

“O CETAB insta as autoridades a considerarem os riscos à saúde pública e a rejeitarem iniciativas que priorizem interesses comerciais em detrimento do bem-estar da sociedade”, finaliza a nota, que também cita a articulação, revelada pela Pública, dos parlamentares na tentativa de participar da 10ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (COP 10) – o evento, aliás, não permite a participação de representantes da indústria do tabaco. 

No momento, a Anvisa e o Congresso Nacional estão analisando o tema. A Anvisa está com um processo de revisão da norma de 2009 em andamento e abriu uma consulta pública, em dezembro de 2023, que segue até o início de fevereiro. No Congresso, tramitam diversos projetos de lei sobre o tema, entre eles o da senadora Soraya Thronicke e o do senador Eduardo Girão (Novo-CE), PL 4356/2023, que busca manter a proibição. Se o Congresso e a Anvisa tomarem decisões opostas, a liberação dos DEFs pode acabar na Justiça. 

A Pública entrou em contato com Thronicke, mas sua assessoria não respondeu. Em caso de retorno, o texto será atualizado. 

O especial Redes de Nicotina (Nicotine Networks) é uma colaboração internacional que investigou as táticas da indústria do tabaco para promover uma nova geração de produtos de nicotina além das fronteiras. Além da Pública, participaram cinco veículos das Américas: El Clip, The Examination (EUA), Salud con Lupa (Peru), ChequeaBolivia e Colombia Check.

Edição:

ELON MUSK é parça de Bolsonaro, Trump e benfeitor na Amazônia e no Rio Grande do Sul? Já se perguntou quais são as intenções de Elon Musk no Brasil? A Pública vai investigar os interesses e negócios do homem mais rico do mundo em nosso território. O magnata da tecnologia mundial promove desinformação e já é investigado por órgãos públicos em diversos países. O jornalismo independente da Pública pode trazer revelações inéditas sobre Elon Musk. Mas um trabalho desse tamanho só pode ser realizado com a ajuda de nossos leitores. Por isso precisamos de, pelo menos, 700 novos Aliados ao nosso lado nesta investigação, que vai render uma série de reportagens especiais.

Clique aqui e faça parte desta investigação!

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Tribunais de contas de estados omitem aquisições de programas espiões ao STF


Empresário que transportou mala de joias de Bolsonaro nos EUA participa do CPAC Brasil


Brumadinho: Familiares de vítimas buscam justiça no STJ, mas encontram gabinetes vazios


Palestrante aponta discriminação em voo da Azul enquanto ia a evento do MP sobre racismo


Brasil Paralelo mira geografia e ciências sociais após curso que desinforma sobre história


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes