Buscar
Nota

Líderes Krenak e Guarani-Kaiowá pedem demarcação após 1ª reparação coletiva por ditadura

2 de abril de 2024
18:58

Após o pedido de desculpas do Estado brasileiro, que reconheceu nesta terça-feira (2) os danos causados aos povos indígenas Krenak e Guarani-Kaiowá durante a ditadura militar, os representantes das duas etnias clamaram pela demarcação das terras que lhes foram tiradas durante os anos de chumbo. “Eu quero a área demarcada para eu ficar tranquilo”, ressaltou Tito Vilhalva, ancião dos Guarani-Kaiowá, em entrevista à Agência Pública. “Nós queremos a nossa terra de volta, a terra do meu povo”, acrescentou a matriarca Djanira Krenak. 

As duas lideranças, que viveram o período da ditadura, receberam, como representantes de suas etnias, o pedido de desculpas simbólico da presidente da Comissão de Anistia, Eneá de Stutz e Almeida. “Com a sua bênção, em nome do Estado brasileiro eu quero pedir perdão por todo sofrimento que seu povo passou […] na verdade, eu não estou pedindo perdão pelo que aconteceu durante a ditadura, eu estou pedindo perdão pela perseguição que nos últimos 524 anos o seu povo, assim como todos os demais povos originários, sofreram por conta da invasão que os não indígenas fizeram nessa terra, que é de vocês”, disse Eneá, de joelhos.  

É a primeira vez na história que a Comissão de Anistia, instalada em novembro de 2002, concede reparação coletiva. Até então, o órgão previa apenas a reparação individual às vítimas da ditadura. A reparação coletiva só se tornou possível em março do ano passado, após uma mudança no regimento interno da comissão. 

“É histórica essa data, o dia 2 de abril foi escolhido, entre outras coisas, pelo fato de ser o ‘Abril Indígena’ e, a partir de agora, é possível que as reivindicações dos povos indígenas sejam atendidas. A Comissão de Anistia é uma comissão de Estado, então é o Estado brasileiro recomendando para o próprio Estado brasileiro que atenda às reivindicações seculares desses povos”, destacou Eneá.  

Além do pedido de desculpas aos povos indígenas, a Comissão de Anistia também fez uma série de recomendações a outros órgãos com as demandas dos indígenas, como, por exemplo, a demarcação dos territórios reivindicados. 

Djanira Krenak ouviu pedido de desculpas do Estado e usou momento para defender a demarcação de terras de seu povo
Djanira Krenak ouviu pedido de desculpas do Estado e usou momento para defender a demarcação de terras de seu povo

“Os Guarani estão sofrendo igual à gente, a mesma coisa. A gente sofre muito pela terra e pelos parentes que foram mortos pela polícia por causa da terra”, observou Djanira Krenak. Durante a ditadura militar, seu povo foi torturado, preso e submetido a maus-tratos, trabalho forçado e ao deslocamento compulsório de seu território. 

Assim como os Krenak, os Guarani-Kaiowá também foram expulsos de suas terras e detidos no Reformatório Krenak, que era um presídio para indígenas. “A gente espera que essa decisão da Comissão de Anistia impulsione os processos judiciais e que a gente possa – junto com a pressão da sociedade – efetivamente promover o processo demarcatório”, destacou o procurador Marco Antonio Delfino, autor do requerimento de anistia aos Guarani-Kaiowá.

Edição:
Alice Maciel/Agência Pública
Alice Maciel/Agência Pública
Reprodução

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

PT quer ‘suavizar’ PL que equipara aborto a homicídio, mas texto ainda punirá mulheres


CPAC: Evento do instituto de Eduardo Bolsonaro tem patrocínio de apoiadora de ato golpista


Governador de Goiás, Ronaldo Caiado, defende câmeras em pessoas no semiaberto e não em PMs


“Mercantilização do luto”: PSOL pede fiscalização de cemitérios privatizados de SP


Chuvas no RS foram duas vezes mais prováveis de ocorrer por causa de mudanças climáticas


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes