Agência de Jornalismo Investigativo

Quem destrói as áreas protegidas

Episódio de podcast se aprofunda na lista de pessoas e empresas multadas por causar dano ambiental à Unidades de Conservação

Ouça agora:

EP 9 Quem destrói as áreas protegidas

Episódio de podcast se aprofunda na lista de pessoas e empresas multadas por causar dano ambiental à Unidades de Conservação

0:00

Receba nossas reportagens que tratam de temas urgentes para o planeta no seu e-mail. Assine a newsletter Pública Socioambiental.

Um total de 95,8 milhões de reais. Esse é o valor das multas que uma única pessoa recebeu por destruir Unidades de Conservação (UCs) amazônicas. Sandra Mara Silveira foi autuada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio) a pagar as multas por, dentre outros delitos, impedir “mediante uso de fogo, a regeneração natural de 5.758,67 hectares” — área superior ou semelhante à de pequenos países, como San Marino e Bermudas. Silveira concentra a maior quantidade de multas aplicadas em uma pessoa, considerando todas as infrações aplicadas entre 2009 e 2021, mas está longe de ser a única devedora.

No novo episódio do Amazônia sem Lei, os repórteres Ciro Barros e Rafael Oliveira contam como levantaram uma lista de pessoas e empresas autuadas nos últimos 13 anos por destruir unidades de proteção ambiental, localizadas na Amazônia Legal.

A partir de uma base de dados acessada via Lei de Acesso à Informação, a investigação revela quem está destruindo as UCs da Amazônia de forma reiterada. Para conhecer quem foram as pessoas e empresas mais multadas, escute o episódio completo. 

Depois de ouvir

Para se aprofundar:

Esta reportagem detalha especificamente quais foram as empresas mais multadas e onde atuam. Entenda porque a Usina Hidrelétrica de Jirau e Salobo Metais S/A, subsidiária da Vale, estão entre as maiores infratoras da última década. 

Quem faz o podcast

A produção e roteiro são de Clarissa Levy 

A montagem é de Ricardo Terto

A narração é de Clarissa Levy e Ricardo Terto

A finalização de som é de Vitor Coroa

As artes são de Caco Bressane

A coordenação de redes sociais é de Ravi Spreizner

A coordenação geral é de Thiago Domenici

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes
Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura
Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos