Agência de Jornalismo Investigativo

Em conversa com diplomatas dos EUA em setembro de 2006, ex-governador do Pernambuco afirmou que reeleição lulista seria uma “tragédia”

6 de julho de 2011

O segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva seria tão ruim que o ex-presidente poderia não terminá-lo, disse o ex-governador de Pernambuco (1999-2006) Jarbas Vasconcelos a diplomatas dos EUA que o visitaram em Recife em 5 de setembro de 2006, cerca de um mês antes do primeiro turno das eleições presidenciais que reelegeram Lula para mais quatro anos de governo. Para o atual senador pernambucano pelo PMDB, a reeleição do ex-presidente seria uma “tragédia”.

A conversa foi relatada em um telegrama da embaixada de Brasília dez dias depois. O documento, redigido pelo próprio embaixador estadunidense na época, Clifford Sobel, afirma que Vasconcelos “descreveu um cenário político desanimador”. Ele não especificou como o segundo mandato lulista terminaria de forma prematura, mas “pareceu sugerir que seria uma renúncia em virtude de uma implacável oposição”. Para o atual senador, Lula teria um páreo duro com o novo Congresso.

Segundo o telegrama, Jarbas Vasconcelos também fez comentários sobre o PMDB, corrupção no governo Lula e a disputa eleitoral para o Legislativo nacional. “Algumas das observações de Jarbas pareceu-nos razoáveis, exceto pela assombrosa e, mais que tudo, misteriosa, previsão de que Lula pode não terminar seu segundo mandato. Vindo de uma tão respeitada liderança política, a precisão de Jarbas é um alerta de que um impasse político pode revisitar o Brasil de uma forma ou de outra em uma segunda presidência de Lula”, diz o documento vazado, que destaca a surpresa com que as afirmações de Vasconcelos foram recebidas, uma vez que, quando governador, ele havia mantido boas relações com Lula.

Ainda de acordo com o telegrama, o ex-governador pernambucano “não tinha dúvida” de que o ex-presidente tinha conhecimento dos escândalos que ficaram conhecidos como “mensalão”, pois configuravam “nepotismo desenfreado”. Ele próprio teria ficado sabendo do que ocorria “a nível federal” em 2003, e posteriormente teria alertado seus comandados a não deixarem acontecer o mesmo em Pernambuco. Segundo Vasconcelos, a já provável vitória de Lula na época se explicava porque a maioria dos eleitores não se importava o suficiente com a corrupção para rejeitar o petista nas urnas, “apesar de ataques implacáveis da mídia contra ele”.

Segundo o telegrama, o atual senador valeu-se de tais ataques para comparar Lula com João Goulart, presidente deposto pelo golpe de 1964. Enquanto o primeiro teria sobrevivido a eles e estava liderando a corrida presidencial, Goulart teria sucumbido devido a dois editoriais do Estado de S. Paulo, embora tivesse, ao mesmo tempo, minado “dois pilares fundamentais para o apoio militar: disciplina e hierarquia”, o que teria sido decisivo para sua queda, de acordo com o político.

“Embora a maior parte do PMDB permaneça do lado de Lula, Jarbas não modera sua postura anti-Lula”, continuava o documento, ponderando que, segundo o próprio interlocutor pernambucano, ele nem sempre foi antilulista: em 2003, teria recomendado ao PMDB cooperar com o ex-presidente, mas o partido se recusou.

Jarbas teria afirmado que tal recusa foi uma “forte evidência” de que seu partido agia apenas em interesse próprio. O PMDB, de acordo com o político, era “podre” e um “saco de gatos ideológico”. “Mesmo assim, ele disse que não entrou em outro partido porque ele não tem um ‘perfil’ PSDB e não se sente próximo o suficiente de nenhum outro partido”, acrescentava o telegrama.

Os documentos são parte de 2.500 relatórios diplomáticos referentes ao Brasil ainda inéditos, que foram analisados por 15 jornalistas independentes e estão sendo publicados nesta semana pela agência Pública. LEIA MAIS

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

"Não se paga com milhões a morte de um rio"

7 de dezembro de 2017 | por e

A antropóloga Lux Vidal, professora emérita da USP e pioneira nos estudos sobre os Xikrin, diz que a atual contaminação do rio Cateté é a crise mais grave enfrentada pelo povo, que é cercado pela mineração da Vale

Um ministro em órbita

18 de março de 2019 | por

Falta de articulação política de Pontes, titular do Ministério da Ciência e Tecnologia, um dos “patinhos feios” do Planalto, preocupa comunidade científica, que aguarda implantação de projetos

Ditadura criou cadeias para índios com trabalhos forçados e torturas

24 de junho de 2013 | por

Acusações de vadiagem, consumo de álcool e pederastia jogaram índios em prisões durante o regime militar; para pesquisadores, sociedade deve reconhecê-los como presos políticos

Mais recentes

“Caveirão voador” é usado como plataforma de tiro, dizem moradores

18 de abril de 2019 | por

No Rio de Janeiro, instrução normativa do estado proíbe rajadas a partir de helicópteros da polícia, mas disparos aéreos com intervalos são permitidos; moradores relatam rasantes com tiros em direção às comunidades

Governo federal não sabe quantos conselhos foram extintos nem qual será a redução de custos

17 de abril de 2019 | por e

Celebrado por Bolsonaro como uma das medidas dos seus 100 dias de governo, nem governo nem ministérios sabem informar o impacto do decreto que acabou com os conselhos federais

Ministério dos Direitos Humanos nega 33 pedidos de anistia para cada solicitação aprovada

16 de abril de 2019 | por e

Presidida por ex-advogado de Bolsonaro, com histórico de ações contra reparações a presos políticos, Comissão de Anistia tem seis militares e apenas um representante de perseguidos pela ditadura