Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Reportagem

Diário: A mudança do clima e as mudanças na vida da pequena Amaru, no Peru

Adrían, no interior do Peru, vê a chuva mudar com o aquecimento global

Reportagem
10 de agosto de 2013
17:00
Este artigo tem mais de 10 ano

Adrián Chipa Takuri é camponês da região de Pisac, a 33 quilômetros de Cusco, capital histórica do Peru, e observa com interesse nos últimos anos a forma como cai a chuva e como crescem suas batatas. “Agora chove estranho”, fala. “A chuva agora está diminuindo com a variação do clima”. O resultado é um ano bom de colheita, e outro não. “Em 2000 estava bem. Mas nos últimos anos a plantação tem avançado pouco”, conta.

Adrián vive com a esposa, Rosalia, e dois dos sete filhos que ainda são jovens demais para ir trabalhar e viver em Pisac. Vivem na comunidade de Amaru, no alto de uma das várias montanhas que circundam a região do Vale Sagrado dos incas, zona turística próxima a Cusco. Ali, são 180 os comuneiros que repartem sementes e se ajudam mutuamente quando a colheita de um ou outro não rende bem.

“Antes, quando tinha 18 anos, era bonito o temporal. Chovia bonito. Ventos eram poucos. Frio era por temporada, não permanente”, segue Adrián. “Antes o sol não queimava como agora”. O resultado, conta, são chuvas esparsas, poucas. Duram duas semanas e vêm muito fortes. Não rende bem para a plantação.

Adrián, com seu rádio sempre a tiracolo
Adrián, com seu rádio sempre a tiracolo

Cravado no meio da majestosa  Cordilheira dos Andes,  o Peru é um dos países afetados pela mudança climática em curso no planeta. Segundo a Autoridade Nacional da Água (ANA) do Peru, nos últimos 30 anos a superfície das geleiras andinas retrocedeu em 40%.

Por isso, em 2014 o país irá sediar a Conferência sobre Mudança Climática da ONU (COP20), que novamente vai tentar fechar um acordo para limitar a emissão de gases causadores do efeito estufa ao redor do mundo. O protocolo de Kyoto venceu ano passado, em 2012, e desde então não se chegou a outro acordo global.

Rosalia prepara o jantar do dia, sopa de habas e quinoa
Rosalia prepara o jantar do dia, sopa de habas e quinoa

Mudança boa, mudança ruim  

Adrían e sua família dependem da venda de feijão, quinoa, cevada, milho e batata. Sem máquinas, o trabalho é todo manual. Quem ajuda é o filho mais novo, Ernesto, de 12 anos. Com o que rende uma colheita, Adrián e Ernesto conseguem tirar cerca de quatro sacas de feijão. “São 80 soles [cerca de 65 reais] pelo que tem no quintal”, resume o pai.

Mas se a mudança climática afeta a plantação, que um ano vem fraca e outra forte, também beneficia com novos frutos. Antes Adrián e os moradores de outras comunidades não conseguiam plantar em suas terras o milho que hoje lhes ajuda no sustento. “Em Pampallacta, comunidade vizinha, antes não crescia milho, não crescia cevada, nem quinoa ou haba”. É um benefício.

Ernesto e umdos muitos netos de Adrían e Rosalia
Ernesto e umdos muitos netos de Adrían e Rosalia

Adrina, de jeito simples de falar espanhol, em família usa sempre o quéchua. O rádio sempre o acompanha, sintonizado na estação Inti Raymi – nome do ritual que celebra o solstício de inverno nas comunidades andinas – seja quando sai para trabalhar na plantação, seja em casa enquanto a mulher, Rosalia, cozinha. A esposa de Adrián quase não fala espanhol.

Ali, em Amaru, a pequena porção de terra que lhes convém é dividida por Adrián, Rosalia, Soledad e Ernesto com duas vacas, uma ovelha, dois burros, seis frangos e um gato filhote. Antes do milho, não tinha divisão. “Era um espaço só para dormir, com os frangos e tudo”.

Do alto da plantação de feijão, a dez minutos de sua casa, a vista do vale em que está a comunidade de Amaru
Do alto da plantação de feijão, a dez minutos de sua casa, a vista do vale em que está a comunidade de Amaru

Aos poucos as coisas vão mudando. E outras continuam iguais. Na escola da comunidade, em que estudam Ernesto, de 12 anos, e Soledad, de 14 anos, se ensina em espanhol. Mas Ernesto, o filho mais novo, prefere quéchua. “Se entende mais”, diz.

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Leia também

A luta dos peruanos para salvar El Paraíso

Arqueólogos e indígenas unem forças para proteger sítio arqueológico de mais de 4 mil anos, ameaçado pelas incorporadoras imobiliárias

Corrida do ouro

Por

Como o Banco Mundial está financiando a destruição ambiental na mina de Yanacocha, no Peru

Notas mais recentes

Brasil Paralelo mira Geografia e Ciências Sociais após curso que desinforma sobre História


Projeto que pune aborto como homicídio é denunciado na Comissão Interamericana


PT quer ‘suavizar’ PL que equipara aborto a homicídio, mas texto ainda punirá mulheres


CPAC: Evento do instituto de Eduardo Bolsonaro tem patrocínio de apoiadora de ato golpista


Governador de Goiás, Ronaldo Caiado, defende câmeras em pessoas no semiaberto e não em PMs


Leia também

A luta dos peruanos para salvar El Paraíso


Corrida do ouro


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes