Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

| 02/08/2013 | Adrían, no interior do Peru, vê a chuva mudar com o aquecimento global

10 de agosto de 2013

Adrián Chipa Takuri é camponês da região de Pisac, a 33 quilômetros de Cusco, capital histórica do Peru, e observa com interesse nos últimos anos a forma como cai a chuva e como crescem suas batatas. “Agora chove estranho”, fala. “A chuva agora está diminuindo com a variação do clima”. O resultado é um ano bom de colheita, e outro não. “Em 2000 estava bem. Mas nos últimos anos a plantação tem avançado pouco”, conta.

Adrián vive com a esposa, Rosalia, e dois dos sete filhos que ainda são jovens demais para ir trabalhar e viver em Pisac. Vivem na comunidade de Amaru, no alto de uma das várias montanhas que circundam a região do Vale Sagrado dos incas, zona turística próxima a Cusco. Ali, são 180 os comuneiros que repartem sementes e se ajudam mutuamente quando a colheita de um ou outro não rende bem.

“Antes, quando tinha 18 anos, era bonito o temporal. Chovia bonito. Ventos eram poucos. Frio era por temporada, não permanente”, segue Adrián. “Antes o sol não queimava como agora”. O resultado, conta, são chuvas esparsas, poucas. Duram duas semanas e vêm muito fortes. Não rende bem para a plantação.

Adrián, com seu rádio sempre a tiracolo
Adrián, com seu rádio sempre a tiracolo

Cravado no meio da majestosa  Cordilheira dos Andes,  o Peru é um dos países afetados pela mudança climática em curso no planeta. Segundo a Autoridade Nacional da Água (ANA) do Peru, nos últimos 30 anos a superfície das geleiras andinas retrocedeu em 40%.

Por isso, em 2014 o país irá sediar a Conferência sobre Mudança Climática da ONU (COP20), que novamente vai tentar fechar um acordo para limitar a emissão de gases causadores do efeito estufa ao redor do mundo. O protocolo de Kyoto venceu ano passado, em 2012, e desde então não se chegou a outro acordo global.

Rosalia prepara o jantar do dia, sopa de habas e quinoa
Rosalia prepara o jantar do dia, sopa de habas e quinoa

Mudança boa, mudança ruim  

Adrían e sua família dependem da venda de feijão, quinoa, cevada, milho e batata. Sem máquinas, o trabalho é todo manual. Quem ajuda é o filho mais novo, Ernesto, de 12 anos. Com o que rende uma colheita, Adrián e Ernesto conseguem tirar cerca de quatro sacas de feijão. “São 80 soles [cerca de 65 reais] pelo que tem no quintal”, resume o pai.

Mas se a mudança climática afeta a plantação, que um ano vem fraca e outra forte, também beneficia com novos frutos. Antes Adrián e os moradores de outras comunidades não conseguiam plantar em suas terras o milho que hoje lhes ajuda no sustento. “Em Pampallacta, comunidade vizinha, antes não crescia milho, não crescia cevada, nem quinoa ou haba”. É um benefício.

Ernesto e umdos muitos netos de Adrían e Rosalia
Ernesto e umdos muitos netos de Adrían e Rosalia

Adrina, de jeito simples de falar espanhol, em família usa sempre o quéchua. O rádio sempre o acompanha, sintonizado na estação Inti Raymi – nome do ritual que celebra o solstício de inverno nas comunidades andinas – seja quando sai para trabalhar na plantação, seja em casa enquanto a mulher, Rosalia, cozinha. A esposa de Adrián quase não fala espanhol.

Ali, em Amaru, a pequena porção de terra que lhes convém é dividida por Adrián, Rosalia, Soledad e Ernesto com duas vacas, uma ovelha, dois burros, seis frangos e um gato filhote. Antes do milho, não tinha divisão. “Era um espaço só para dormir, com os frangos e tudo”.

Do alto da plantação de feijão, a dez minutos de sua casa, a vista do vale em que está a comunidade de Amaru
Do alto da plantação de feijão, a dez minutos de sua casa, a vista do vale em que está a comunidade de Amaru

Aos poucos as coisas vão mudando. E outras continuam iguais. Na escola da comunidade, em que estudam Ernesto, de 12 anos, e Soledad, de 14 anos, se ensina em espanhol. Mas Ernesto, o filho mais novo, prefere quéchua. “Se entende mais”, diz.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

As conversas da embaixada com a ministra Dilma

27 de junho de 2011 | por

Documentos detalham encontros de Rousseff com diplomatas quando era ministra Minas e Energia para discutir o marco regulatório da energia elétrica

O "inquérito do Black Bloc"

28 de fevereiro de 2014 | por , , e

Conheça a história do inquérito 01/2013, do Deic, em São Paulo, que já intimou 300 pessoas para depor e busca enquadrar o Black Bloc como associação criminosa

A pedido do Departamento de Estado, empresa americana veio ao Brasil pesquisar "terrorismo"

8 de abril de 2013 | por

De acordo com os telegramas, entre 4 e 22 de fevereiro de 74, a RAND, empresa de pesquisa, veio ao Brasil estudar casos de sequestros políticos

Mais recentes

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Influenciadores da direita relatam linchamentos virtuais de bolsonaristas

24 de maio de 2019 | por e

Ataques organizados partem de grupos de WhatsApp: “Vamos dar uma oprimida” é a palavra de ordem para as “hienas”

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar