Agência de Jornalismo Investigativo

Doze anos após os ataques, o FBI se encarrega de reavivar a memória dos soldados mais jovens

2 de setembro de 2013

Os jovens soldados de Guantánamo estavam na pré-escola quando ocorreu o ataque de 11 de setembro. E o governo americano está fazendo questão de saber se os ataques terroristas estão vivos na memória deles.
O FBI passou a instruir os soldados de Guantánamo sobre os ataques e como eles estão ligados à prisão na ilha cubana onde trabalham. No momento, cinco detentos estão sendo julgados por envolvimento no 11/09 . Há outros 161 prisioneiros que também são mantidos no cárcere, mesmo já estando livres para serem transferidos.

A apresentação inclui detalhes sobre os sequestros de aviões, vídeos do World Trade Center e gravações feitas ao serviço de emergência por pessoas que estavam nas torres gêmeas .

Tivemos acesso, após um pedido via lei de acesso à informação, a oito páginas de slides, das 17 usadas pelo FBI durante as apresentações. Demos entrada com o pedido após uma reportagem do Huffington Post que citava essas aulas, dizendo que elas “levavam muitos participantes às lágrimas”.

A apresentação está qualificada como “sujeita à aplicação da lei” e o FBI disse que reteve nove slides para proteger táticas policiais.

O áudio e os videoclipes usados nas aulas foram originalmente usados como provas na acusação de Zacarias Moussaoui, que atualmente cumpre a pena de prisão perpétua numa cadeia do Colorado por conta da sua participação nos ataques. (Os clipes estão armazenados num site do tribunal que aconselha a discrição do ouvinte)

Porta-vozes do FBI e do Exército não responderam aos pedidos por mais detalhes sobre as aulas, portanto não é claro com qual frequência as aulas acontecem ou quando elas começaram. Os slides liberados não mostram nada sobre os atuais detentos, então não sabemos como o FBI relaciona esses presos com o episódio de 11 de setembro.

Leia a reportagem original , em inglês, no site do ProPublica.

Explore também

Porno-desperdício

11 de fevereiro de 2014 | por

A repórter Laura Capriglione mostra o que a Fifa e o governo africano varreram pra baixo do tapete durante a Copa da África do Sul

“Dói saber que somos assassinadas quando chegamos lá”

21 de março de 2018 | por

Nossa repórter relata o último evento de Marielle Franco e fala como percebe o legado deixado por ela às jovens negras

Nem água nem terra

30 de setembro de 2015 | por

Crianças de comunidades vazanteiras, que vivem de acordo com o ciclo natural do São Francisco, sofrem com a crise do rio. Reportagem agraciada com a Microbolsa Criança e Água

Mais recentes

A fome que come

21 de março de 2019 | por

Acompanhamos famílias em São Paulo e Rio de Janeiro vítimas, sem saber, de um problema que atinge milhões de pessoas: a fome oculta, caracterizada por sintomas relacionados à falta de nutrientes

Como a internet está matando a democracia

19 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, o pesquisador e autor inglês Jamie Bartlett diz que hoje em dia cuidar do nosso comportamento online é mais importante que votar

Um ministro em órbita

18 de março de 2019 | por

Falta de articulação política de Pontes, titular do Ministério da Ciência e Tecnologia, um dos “patinhos feios” do Planalto, preocupa comunidade científica, que aguarda implantação de projetos