Agência de Jornalismo Investigativo

Indígenas sofriam com violência e expulsão mesmo décadas antes do alagamento do Rio Paraná

16 de Março de 2015

De acordo com o relatório do CTI, que subsidiou os trabalhos da CNV, a pressão sobre os indígenas começou, no oeste do Paraná, no início do século XX. A ocupação das terras por não-índios era, até então, restrita à região central do estado, delimitada pelas áreas onde hoje estão os municípios de Santo Antônio da Platina, ao norte, e Francisco Beltrão, ao sul.

Mas, em 1902, a Cia. Mate Laranjeira começou a explorar a região a partir da retirada de madeira da vegetação nativa e produção de erva-mate – que seria exportada para a Argentina – usando, para isso, trabalho forçado dos indígenas. A partir da década de 1920, posseiros expandiram a ocupação para o oeste do Paraná. O governo do estado passou na década seguinte a conceder para empresas terras consideradas devolutas na região, de modo a continuar a consolidação das fronteiras com o Paraguai.

A colonização avançou sobre as terra dos índios na década de 1940, antecedidas por ofensivas de jagunços que tentavam, com armas, expulsar os Guarani das propriedades concedidas pelo governo – um processo que perdurou até pelo menos a década de 1960.

Leia mais: Os Ecos de Itaipu

“Naquele tempo nós tínhamos medo do branco”, contou Vitória Barros, de 75 anos, que hoje vive em Tekoha Nhemboete, à Pública. Ela era adolescente no início dos anos 1960, quando fugiu “pro mato”: “Eles vinham pra assustar, mesmo. Com arma, fazia tiro e nós corríamos. Naquele tempo tinha administrador, jagunço. E matavam mesmo”.

O decreto-lei de 1939 que criou o Parque Nacional do Iguaçu também aumentou a pressão fundiária da região. A área consistia em 185 mil hectares de terra próximos ao local onde ficaria, posteriormente, a represa de Itaipu. Os Guarani foram “violentamente expulsos da área”, como caracteriza o relatório do CTI, ao longo dos anos 1940. Os não indígenas, no entanto, permaneceriam até 1967, quando todo o espaço seria efetivamente desapropriado para dar lugar ao parque.

Essa matéria é resultado do concurso de microbolsas para reportagens investigativas sobre Energia promovido pela Agência Pública em parceria com o  Greenpeace.

Comentários

Mais recentes

Militares não gostam de fazer papel de polícia, diz pesquisador

22 de Fevereiro de 2018 | por

Uso político, falta de liberdade de ação e risco de corrupção estão entre os motivos apontados por militares entrevistados para doutorado

Nove meses de luto

20 de Fevereiro de 2018 | por

Impedidas de escolher, grávidas de fetos com órgãos vitais comprometidos se preparam para o luto durante o pré-natal

Celso Amorim: “Para quem viveu os tempos da ditadura, essa prioridade absoluta da segurança interna é preocupante”

19 de Fevereiro de 2018 | por

Em entrevista, ex-ministro da Defesa critica tratamento a imigrantes venezuelanos e diz que intervenção no Rio é política e não militar

Explore também

“A Odebrecht é um braço da política brasileira em Angola ou a política brasileira é um braço da Odebrecht?”

24 de outubro de 2016 | por

Em entrevista ao vivo na Casa Pública, jornalista angolano falou sobre os rumos das relações políticas entre os dois países depois das denúncias da Lava Jato

Doença renal misteriosa da América Central pode estar ligada a agrotóxicos

9 de Maio de 2013 | por

Pesquisas realizadas paralelamente em El Salvador e no Sri Lanka trazem resultados semelhantes em relação ao uso dos mesmos produtos

Dor em dobro

29 de Maio de 2014 | por

Cerca de 7% dos casos de estupro resultam em gravidez; pela legislação brasileira a vítima dessa violência tem direito a abortar mas 67,4% das mulheres que passaram por esse sofrimento não tiveram acesso ao serviço de aborto legal na rede pública de saúde