Agência de Jornalismo Investigativo

Medidas que contribuem para o ajuste fiscal estão na pauta da Câmara e do Senado da semana e vão mostrar como está a coesão da base aliada

31 de outubro de 2015

Com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), denunciado pela Procuradoria-Geral da República por suposto envolvimento nos esquemas de corrupção da Petrobras, e constante expectativa sobre a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, a tão abordada crise política no Congresso parece ter sido esquecida nas pautas jornalísticas. No entanto, as votações desta semana podem escancarar, mais uma vez, a enfraquecida base do governo.

Na semana passada, a Câmara adiou a votação do Projeto de Lei 2.960/2015, originário do poder Executivo, que diz respeito à repatriação de recursos remetidos ao exterior de forma lícita, mas sem a devida declaração à Receita Federal. O texto faz parte de uma das medidas do Planalto para o ajuste fiscal, tendo em vista que fixa um tributo de 30% sobre os ativos para a sua legalização. O adiamento foi a contragosto do governo – para a satisfação dos oposicionistas da Casa, que aplaudiram a decisão. O projeto deve voltar para a pauta desta terça-feira (3).

Fruto da equipe econômica de Dilma, outra proposição que tranca a pauta da Casa também poderá gerar resultados positivos para os caixas federais. Os deputados deverão deliberar sobre a Medida Provisória (MP) 685/2015, que permite ao contribuinte quitar débitos tributários se estiverem em discussão administrativa ou judicial.

De acordo com a Receita Federal, há cerca de 28,4 mil contribuintes que apresentam as condições necessárias para a negociação das dívidas. Não é possível estimar o valor que pode ser arrecadado com os pagamentos, já que a adesão ao programa, que concede crédito ao devedor para quitar as dívidas, é opcional. No entanto, o órgão calculou que o passivo em discussão administrativa judicial soma, aproximadamente, R$ 860 bilhões.

A pauta do Senado também está trancada por medidas provisórias, já aprovadas na Câmara. Uma delas também tem o objetivo de reforçar o caixa do governo federal no momento em que a crise econômica vigora. A MP 687/2015 autorizou o aumento de taxas cobradas pelo Ibama, pela Ancine e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Se aprovada, o Cade, por exemplo, aumentará de R$ 45 mil para R$ 85 mil a taxa para julgar atos de concentração econômica a partir do ano que vem.

Mais recentes

A eleição do “kit gay”

17 de outubro de 2018 | por , , e

Buscas na internet por “kit gay” nestas eleições bateram recorde de 2011, quando o assunto veio à tona; Bolsonaro e Malafaia lideram menções ao “kit”

Deep fakes são ameaça no horizonte, mas ainda não são arma para eleições, diz especialista

16 de outubro de 2018 | por e

Em entrevista à Pública, o pesquisador Aviv Ovadya explica quais serão as consequências do uso de tecnologias avançadas para a produção de mentiras espalhadas pelas redes sociais

Frei Betto: “Vejo paralelo entre o momento atual e a eleição de Hitler na Alemanha”

11 de outubro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o frade dominicano e escritor afirma que Bolsonaro é resultado da omissão do judiciário que permitiu a "lei esdrúxula da anistia recíproca" e que o PT "não cuidou de promover a alfabetização política do povo"

Truco!

Como assim, Anastasia? Senador diz que não tem patrimônio, mas é milionário

17 de outubro de 2018

Além de mais de R$ 1,3 milhão em bens, Anastasia recebe um salário de mais de R$ 20 mil do Senado e mora em apartamento funcional do governo — seu concorrente, Romeu Zema, é ainda mais rico

Doria acerta ao falar sobre apuração de mortes de ex-prefeitos do PT

17 de outubro de 2018

Polícia Civil e Ministério Público ainda mantêm procedimentos abertos sobre os casos de Toninho do PT e Celso Daniel

Bolsonaro não rejeitou aliança com Helder Barbalho: seu partido está coligado com MDB no Pará

16 de outubro de 2018

É falsa a imagem que reproduz suposta postagem do candidato Jair Bolsonaro declarando que jamais se aliaria “a uma família de corruptos”, em referência à família Barbalho. A coligação liderada por Helder Barbalho (MDB) recebe apoio do PSL, partido de Bolsonaro.

Explore também

Jucá, o tricoteiro de quatro agulhas

24 de abril de 2017 | por

Presidente do PMDB, principal articulador de Michel Temer no Congresso e uma das estrelas da Lava Jato, Romero Jucá defende uma transição no lugar do extermínio da classe política encurralada pelo maior escândalo de corrupção da história

Décadas de luta pelo Tapajós

12 de dezembro de 2014 | por

Entenda como se desenvolveu a disputa pelo futuro da bacia do Tapajós, um dos últimos grandes rios da Amazônia de potencial hidrelétrico inexplorado

Copa traz mais atraso à zona leste

5 de abril de 2013 | por

Prefeitura e Estado firmam convênio para acelerar obras em torno do estádio; mudanças viárias prioritárias para a região são deixadas de lado