Agência de Jornalismo Investigativo

Medidas que contribuem para o ajuste fiscal estão na pauta da Câmara e do Senado da semana e vão mostrar como está a coesão da base aliada

31 de outubro de 2015

Com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), denunciado pela Procuradoria-Geral da República por suposto envolvimento nos esquemas de corrupção da Petrobras, e constante expectativa sobre a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, a tão abordada crise política no Congresso parece ter sido esquecida nas pautas jornalísticas. No entanto, as votações desta semana podem escancarar, mais uma vez, a enfraquecida base do governo.

Na semana passada, a Câmara adiou a votação do Projeto de Lei 2.960/2015, originário do poder Executivo, que diz respeito à repatriação de recursos remetidos ao exterior de forma lícita, mas sem a devida declaração à Receita Federal. O texto faz parte de uma das medidas do Planalto para o ajuste fiscal, tendo em vista que fixa um tributo de 30% sobre os ativos para a sua legalização. O adiamento foi a contragosto do governo – para a satisfação dos oposicionistas da Casa, que aplaudiram a decisão. O projeto deve voltar para a pauta desta terça-feira (3).

Fruto da equipe econômica de Dilma, outra proposição que tranca a pauta da Casa também poderá gerar resultados positivos para os caixas federais. Os deputados deverão deliberar sobre a Medida Provisória (MP) 685/2015, que permite ao contribuinte quitar débitos tributários se estiverem em discussão administrativa ou judicial.

De acordo com a Receita Federal, há cerca de 28,4 mil contribuintes que apresentam as condições necessárias para a negociação das dívidas. Não é possível estimar o valor que pode ser arrecadado com os pagamentos, já que a adesão ao programa, que concede crédito ao devedor para quitar as dívidas, é opcional. No entanto, o órgão calculou que o passivo em discussão administrativa judicial soma, aproximadamente, R$ 860 bilhões.

A pauta do Senado também está trancada por medidas provisórias, já aprovadas na Câmara. Uma delas também tem o objetivo de reforçar o caixa do governo federal no momento em que a crise econômica vigora. A MP 687/2015 autorizou o aumento de taxas cobradas pelo Ibama, pela Ancine e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Se aprovada, o Cade, por exemplo, aumentará de R$ 45 mil para R$ 85 mil a taxa para julgar atos de concentração econômica a partir do ano que vem.

Truco no Congresso

Este texto foi produzido pelo projeto Truco no Congresso, feito em parceria com o site Congresso em Foco entre agosto de 2015 e dezembro de 2016. As classificações adotadas nas checagens são cartas, que diferem dos selos usados na nova fase do projeto Truco, iniciada em fevereiro de 2017.

Mais recentes

Milhares de imóveis da União estão vagos para uso

21 de junho de 2018 | por e

Parte dos mais de 10 mil imóveis vazios em todo o país poderia ser destinada à habitação popular

Investigação indica que dinheiro dos credores da Boi Gordo virou terra em Matopiba

19 de junho de 2018 | por

Enquanto 30 mil pessoas lesadas por uma das maiores falências do Brasil lutam por ressarcimento na Justiça, investigação aponta lucros astronômicos obtidos por grupo proprietário da massa falida, com auxílio de fundo de investimento

Quem fiscaliza os tribunais de contas?

14 de junho de 2018 | por

Abarrotados de denúncias de corrupção, TCEs são compostos de membros políticos nomeados pelos governadores e seus aliados

Explore também

Correto

Brasil paga volume de juros maior que outros países

30 de novembro de 2016 | por

PEC do teto de gastos não reduzirá problema; dados mostram que outros governos administram melhor a dívida, mesmo quando é mais alta

Plenário da Câmara no dia 4 de outubro, durante sessão em que foi discutido o projeto de repatriação de recurso

| De olho | Projeto ameaça investigação de desvios de recursos

8 de novembro de 2015 | por

Projeto de regularização de recursos remetidos ao exterior é novo teste para a base aliada do governo na Câmara; no Senado, duas MPs travam a pauta

O Estado devolveu meu filho morto

7 de dezembro de 2016 | por

A trágica morte de dois adolescentes após um incêndio no Degase no dia da abertura da Olimpíada revela a falência da política de recuperação de jovens no Rio