Agência de Jornalismo Investigativo

“Não vou cair em armadilhas. Cada detalhe que eu falar, em qualquer situação, são detalhes que vão (…) [gerar] cada hora mais polêmica.” – Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, na quarta-feira (29), ao não responder pergunta sobre se tinha contas bancárias no exterior, no Valor Econômico

2 de outubro de 2015

parlamentar roxoApesar de se recusar a dizer se tem contas bancárias fora do país, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estava sendo investigado pelo Ministério Público da Suíça por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O motivo da apuração são justamente contas bancárias em nome do parlamentar e de seus familiares.

De acordo com a Procuradoria-Geral da República, os autos do processo foram enviados para o Brasil na quarta-feira (30). Isso ocorreu porque Cunha é brasileiro nato e não pode ser extraditado para a Suíça. “O instituto da transferência de processo é um procedimento de cooperação internacional, em que se assegura a continuidade da investigação ou processo ao se verificar a jurisdição mais adequada para a persecução penal”, escreveu a PGR, em nota divulgada na última semana. “Com a transferência do processo, o estado suíço renuncia a sua jurisdição para a causa, que passa a ser do Brasil e de competência do Supremo Tribunal Federal, em virtude da prerrogativa de foro do presidente da Câmara.” O caso, portanto, continuará a ser investigado por aqui.

No início do ano, Cunha negou ter qualquer conta bancária no exterior ao comparecer voluntariamente na Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras para prestar esclarecimentos, segundo reportagem do jornal O Globo. “Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu Imposto de Renda”, afirmou o parlamentar, no dia 12 de março. A deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ) questionou Cunha, durante aquela sessão, sobre contas no exterior, mas ele também se recusou a responder à parlamentar.

Sobre o Truco no Congresso

O Truco no Congresso é um projeto realizado pelas equipes da Agência Pública e do Congresso em Foco. Para entender o sistema de classificação das checagens, acesse o site especial do projeto.

Atualização: Em fevereiro de 2017, o Truco entrou em uma nova fase. As cartas usadas para classificar as frases nas checagens do Truco no Congresso foram substituídas por selos, com significados muitas vezes diferentes. Optamos por não alterar o material mais antigo.

Comentários

Mais recentes

Afinal, se condenado Lula pode ser candidato?

23 de Janeiro de 2018 | por

Nada impede o partido de pedir o registro da candidatura mas é o TSE que decide se efetiva ou não; se for impugnada, cabem recursos, mas Lula pode, sim, ser impedido de concorrer

Checamos quatro frases sobre os riscos do aborto

22 de Janeiro de 2018 | por

Site ligado à Igreja Católica, GravidezIndesejada.com.br traz dados incorretos sobre o misoprostol, droga utilizada para realização de abortos legais no SUS

Marina Silva (Rede) lança a campanha Nem Dilma Nem Temer, em 2016

Marina Silva usa dados falsos e imprecisos em discurso

19 de dezembro de 2017 | por , e

Ex-ministra do Meio Ambiente fez afirmações incorretas sobre problemas brasileiros ao anunciar pré-candidatura à Presidência

Explore também

ÍNDIA: Indústria de cigarros bidis contra a saúde pública

14 de setembro de 2011 | por

Tigres de fumaça: a Índia e a Indonésia são os maiores desafios para a mudança global de regras sobre o tabaco

Pergunte o que você quer saber sobre a Copa. Eles têm que responder

17 de Maio de 2012 | por

Aprenda a cobrar informações da Copa de órgãos públicos e conheça o site "Queremos Saber" da Transparência Hacker

Prisão de Humala é abusiva e pode prejudicar a Lava Jato no Peru, diz jornalista

18 de julho de 2017 | por

Diretor de site investigativo avalia que ex-presidente peruano corre o risco de ser bode expiatório