Lançamos hoje um espaço dedicado a produzir, apoiar e discutir o jornalismo independente; pioneira, a Pública também lança mapa do jornalismo independente no Brasil

Lançamos hoje um espaço dedicado a produzir, apoiar e discutir o jornalismo independente; pioneira, a Pública também lança mapa do jornalismo independente no Brasil

3 de março de 2016
12:59
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.

Neste mês de março, comemoramos cinco anos de existência da Agência Pública. Hoje anunciamos novos passos nessa caminhada de produção e apoio ao jornalismo independente: no dia 19 de março, vamos inaugurar a Casa Pública, o primeiro centro cultural de jornalismo do país, no Rio de Janeiro. Lançamos também o Mapa do Jornalismo Independente, um extenso levantamento sobre as novas iniciativas de mídia no Brasil.
casa4-vetor-v3
A Casa Pública é um centro para a produção, fomento, discussão e apoio ao jornalismo independente e inovador no Brasil a na América Latina.

O espaço será inaugurado no próximo dia 19 e irá funcionar das quartas aos sábados das 10h às 21h na rua Dona Mariana, 81, Botafogo, Rio de Janeiro.

O objetivo é fortalecer a produção de conteúdos de qualidade, aprofundados, pautados pelo interesse público e pela defesa da democracia, em um momento de explosão de novas iniciativas, coletivos, sites e organizações que se propõem a produzir jornalismo fora da tradicional indústria de notícia.

Nestes cinco anos, a Agência Pública tem coberto persistentemente as violações dos direitos dos brasileiros. Agora, a partir da Casa Pública pretende incubar novas iniciativas de jornalismo independente e promover a troca de experiências entre profissionais do mundo todo interessados em jornalismo investigativo e direitos humanos. Com a chegada dos Jogos Olímpicos de 2016, o Rio é o local ideal para gerar esse intercâmbio.

A Casa Pública também vai promover exposições e mostras de filmes, apoiar e receber eventos de jornalismo e criar workshops e laboratórios. A redação da Agência Pública continua em São Paulo. Veja os eventos a cada semana, aqui: http://apublica.org/casapublica/

Mapa do jornalismo independente

No mesmo sentido de fomentar o jornalismo independente, a Pública lança hoje o Mapa do Jornalismo Independente, que traz informações sobre 70 iniciativas de mídia de todo o Brasil. Neste mapa interativo, são mostrados veículos que nasceram na rede, fruto de projetos coletivos e não ligados a grandes grupos de mídia, políticos, organizações ou empresas.

Além das organizações listadas pela Pública, o Mapa do Jornalismo Independente tem caráter colaborativo e permite que os leitores adicionem outras iniciativas através do preenchimento de um formulário no próprio site.
O objetivo é entender como funcionam e como se sustentam essas novas iniciativas, em um momento de ruptura e renascimento do jornalismo. O Mapa é uma construção coletiva, que busca abrir discussões sobre os novos atores que têm surgido no jornalismo brasileiro.

Acesse aqui o Mapa do Jornalismo Independente

O mapa do jornalismo independente.clipular

.yarpp-related{display:none;}

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

Terceirizados e precarizados, operadores de telemarketing se arriscam ao contágio em salas sem janelas

25 de maio de 2020 | por

Incluído entre os serviços essenciais, teleatendimento continua funcionando mesmo para atividades comerciais; com baixa taxa de home office, funcionários relatam que colegas com sintomas trabalham presencialmente por medo de demissões

Dois mil garimpeiros buscam ouro em Raposa Serra do Sol

22 de maio de 2020 | por

Estimativa é da Polícia Federal que realiza, desde março, operações na Terra Indígena, homologada há mais de 10 anos, onde vivem 22 mil pessoas

Sem fila única, haverá mortes excessivas entre os mais pobres, afirma pesquisadora da UFRJ

21 de maio de 2020 | por

A doutora Lígia Bahia defende a criação emergencial de um pool único de recursos médicos para cuidado intensivo enquanto durar a crise sanitária do coronavírus; no RJ, só 35% dos leitos de UTI são públicos