Agência de Jornalismo Investigativo

Foram escolhidas cinco pautas entre 86 inscrições vindas das cinco regiões do Brasil

23 de Março de 2016

Divulgacao_judiciario_5

A Pública começou o ano convocando repórteres independentes de todo o Brasil a pensar em pautas investigativas sobre o poder judiciário brasileiro. No dia 20 de janeiro abrimos nosso sexto concurso de microbolsas, um projeto que já distribuiu mais de 90 mil reais para jornalistas independentes e financiou 20 reportagens investigativas.

Nesta edição, apoiada pelo Instituto Betty e Jacob Lafer, recebemos 86 inscrições. Dessas, cinco foram escolhidas e receberão 5 mil reais cada uma para realizar a reportagem, além de receber o apoio, mentoria e edição da Pública. As propostas de pauta vieram das cinco regiões do país. Os inscritos estão distribuídos em 31 cidades de 11 estados e Distrito Federal.

Veja abaixo quem são os vencedores e acompanhe a Pública para ler as reportagens sobre o poder judiciário!

Tânia Calliari – Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992). Foi repórter e diretora de programa de divulgação científica da TV Viçosa, da Universidade Federal de Viçosa, entre 1994 e 1997. Trabalhou como redatora na editoria de Internacional do jornal O Tempo, em Belo Horizonte (MG), entre 1997 e 1999. Foi repórter da editora Manifesto entre 2001 e 2014, das revistas Reportagem (2001¬2005) e Retrato do Brasil (2006¬2014). Foi indicada em 2013 por um júri de 60 jornalistas para o Troféu Mulher Imprensa da revista Imprensa. Desde 2015 realiza pesquisas jornalísticas para roteiros de ficção da produtora Acere.

Vinícius Assis – Em 2014 foi um dos palestrantes do Congresso da Abraji, em SP. Falou sobre a série “E aí, vereador?”, que, em 18 meses, investigou 24 Câmaras de vereadores do sul do RJ. O trabalho resultou em cassação e afastamento de vereadores, servidores públicos e foi feito com apoio do Ministério Público Estadual, que abriu pelo menos duas investigações após reportagens da série. Idealizou este projeto assim que voltou da Espanha, onde morou por quase um ano para fazer uma especialização em Jornalismo Investigativo e análise de dados públicos. Trabalhou na Globo News e nas duas afiliadas da TV Globo no interior do RJ (InterTV e TV Rio Sul).

Luiz Guilherme de Almeida – Jornalista formado pela UFMG, decidido a produzir grandes reportagens e a atuar como jornalista investigativo. Escolhido na academia por professores para produzir reportagens de fôlego investigativo e criação de revista eletrônica. Escreveu o livro-reportagem “…que acenda a primeira pedra. Ecos da Cracolândia de BH”, a ser publicado pela Crivo Editorial.

Manuela Andreoni e João Antônio Barros – Manuela Andreoni é formada pela UFRJ em 2012 e trabalha como repórter assistente na sucursal carioca do jornal canadense The Globe and Mail. Seu trabalho já foi publicado em diversos veículos, como O Globo, IG, Agência EFE e Sunday Times, além das revistas eletrônicas Roads & Kingdoms e Risca Faca.

O jornalista João Antônio Barros tem 30 anos de profissão. Seu trabalho é focado na apuração de reportagens sobre direitos humanos, corrupção política e policial. Trabalhou por 24 anos no Jornal O Dia, do Rio de Janeiro. Ao longo da carreira recebeu 28 prêmios jornalísticos nacionais e internacionais, entre eles: Esso, Embratel, Líbero Badaró e Vladimir Herzog. O repórter foi um dos mais jovens a receber o prêmio Maria Moors Cabot Prize, oferecido pela prestigiada Universidade de Columbia, em Nova Iorque.

Fernanda Canofre – Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF) e Mestre em História pela Universidade de Coimbra (UC). Já trabalhou com telejornalismo (TV Pampa/RedeTV), jornalismo online (G1 RS, globoesporte.com, Sul21) e impresso (VICE; Folha de SP, Estadão, O Globo e World Policy Journal). Depois de dois anos e meio vivendo em Portugal, onde concluiu mestrado e trabalhou como tradutora freelancer, voltou ao jornalismo e ao Brasil para contar histórias que importam.

Parabéns aos vencedores!

Comentários

Mais recentes

Terra à vista no Matopiba

18 de Maio de 2018 | por

Nos últimos 15 anos, área de cerrado do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia foi alvo de grandes aquisições de terras por investimentos estrangeiros; em algumas regiões o preço do hectare teve índices superiores a 270% de valorização real

Empresa que integra fundo de Harvard comprou terras griladas na Bahia

17 de Maio de 2018 | por

Propriedade de fundo bilionário da universidade americana explora terras no cerrado com longo histórico de expulsões, fraudes e mortes

Nos baixões do Piauí, paga-se o preço do progresso do Matopiba

17 de Maio de 2018 | por

Na região conhecida como Matopiba, empresas de agronegócio compram terras com títulos duvidosos e entram em conflito com comunidades do cerrado; no Piauí, os relatos são de expulsões de famílias, incêndios de casas e contaminação dos rios

Explore também

Documentário foca despejos na capital dos megaeventos

31 de Maio de 2012 | por

"O que mais chocou foi a forma da execução dos despejos. Não houve qualquer proposta de alternativa para aqueles moradores" diz Vladimir Seixas sobre "Atrás da Porta"

Um preso político no Brasil democrático

5 de Maio de 2015 | por

Detido desde dezembro de 2014 por ter participado dos protestos durante a Copa do Mundo, Igor Mendes é considerado preso político pela ONG Tortura Nunca Mais; há mais 23 réus no processo cheio de falhas e lacunas

Software que avalia réus americanos cria injustiças na vida real

3 de junho de 2016 | por

Tribunais americanos utilizam programa para basear decisões judiciais; a ProPublica testou o software e descobriu graves distorções