Agência de Jornalismo Investigativo

Hospedada na Casa Pública durante um mês, a diretora de arte colombiana participou dos laboratórios de inovação da Pública

31 de Maio de 2016

No dia 11 de abril de 2016, às 7:00 horas da manha, Olga Lucía Lozano saltou do táxi que a trouxe do aeroporto internacional do Rio de Janeiro à Rua Dona Mariana, em Botafogo. Apesar de arrastar uma mala pequena para fora do carro, a jornalista e diretora de arte chegou à Casa Pública com uma cabeça cheia de grandes ideias.

Diretora de arte colombiana que participou dos laboratórios de inovação da Casa Pública
Diretora de arte colombiana que participou dos laboratórios de inovação da Casa Pública

Ganhadora do primeiro prêmio Gabriel Garcia Marquez em Jornalismo e Inovação em 2013, a artista colombiana foi, entre outras coisas, co-fundadora do site inovador “La Silla Vacia”, que cobre política no país latinoamericano.

[relacionados]

Em um quarto um tanto escondido nos fundos da casa, Lozano se instalou e montou o escritório onde permaneceu trabalhando até o final de abril.

A convite da Agência Pública, a diretora de arte veio dar início a uma das principais frentes de atuação da Casa Pública: os LABs, laboratórios de inovação.

Esses grupos de trabalho têm como objetivo produzir investigações interativas que usam tecnologia e arte para transformar a maneira como se conta uma história.

A desenvolvedora de sites e designer colombiana Lorena Parra e os repórteres da Agência Pública Jessica Mota e Bruno Fonseca se juntaram a Lozano para dar vida ao projeto. Lozano volta em junho para ficar mais três semanas elaborando o conceito do primeiro laboratório de inovação com o grupo.

Além de fundar um site e atuar como diretora de arte e design, Lozano coordena campanhas artísticas como o “Proyecto Rosa”, uma inciativa multi-platforma sobre uma defensora de direitos humanos que foi ameaçada de morte.

Uma artista multifacetada, Olga não consegue reduzir o seu trabalho a apenas uma frase. “Não sou tão jornalista, não sou tão artista, não sou nada disso! Sou um híbrido de tudo isso. Sou vários pedacinhos pequenos de tudo. E é isso que eu vim fazer aqui, trazer um pouquinho desses pedacinhos de conhecimento que tenho e vamos ver se funciona!”

Em video, Lozano se apresenta aos leitores da Pública:

O resultado desse trabalho sai dia 20 de julho. Aguardem!

Comentários

Mais recentes

Terra à vista no Matopiba

18 de Maio de 2018 | por

Nos últimos 15 anos, área de cerrado do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia foi alvo de grandes aquisições de terras por investimentos estrangeiros; em algumas regiões o preço do hectare teve índices superiores a 270% de valorização real

Empresa que integra fundo de Harvard comprou terras griladas na Bahia

17 de Maio de 2018 | por

Propriedade de fundo bilionário da universidade americana explora terras no cerrado com longo histórico de expulsões, fraudes e mortes

Nos baixões do Piauí, paga-se o preço do progresso do Matopiba

17 de Maio de 2018 | por

Na região conhecida como Matopiba, empresas de agronegócio compram terras com títulos duvidosos e entram em conflito com comunidades do cerrado; no Piauí, os relatos são de expulsões de famílias, incêndios de casas e contaminação dos rios

Explore também

Pública renova Conselho Consultivo

8 de setembro de 2017 | por

Criado logo após nossa fundação, grupo é formado por jornalistas experientes e lideranças do terceiro setor

Os estudantes vão às ruas na Nicarágua – e são recebidos com tiros

4 de Maio de 2018 | por

Enquanto o governo nicaraguense e a Igreja convocam um diálogo nacional, há protestos e vigílias diárias na capital, onde mais de 40 manifestantes foram assassinados nos últimos 15 dias

Chile: os senhores da pesca

17 de Fevereiro de 2012 | por

Com apoio do governo chileno, um punhado de famílias poderosas têm garantido cotas de pescaria muito acima do que a realidade permite