Agência de Jornalismo Investigativo

O drama de pessoas deficientes que têm de enfrentar a difícil mobilidade nas favelas de São Paulo

16 de maio de 2016

A casa é a penúltima da viela, numa das favelas do Jardim Ibirapuera, zona sul de São Paulo. Para chegar até a rua, a mãe Simone Fiuza precisa passar por degraus com tamanhos diferentes, buracos e becos estreitos.

O difícil acesso não ajuda em nada os demais moradores que passam diariamente pelo caminho. Mas para Simone o esforço é dobrado. Adaptar-se é ainda mais difícil para quem tem algum tipo de deficiência motora, caso de seu filho Gabriel, de 18 anos, que sofre de uma síndrome degenerativa ainda não desvendada pela medicina.

Gabriel anda com dificuldade e tem uma série de problemas de saúde. Não fala, tem convulsões com frequência, respira com o auxílio de um cilindro de oxigênio, alimenta-se através da gastrostomia, uma espécie de mangueira que introduz alimento diretamente no estômago. Sofre de um problema no pulmão que pode gerar asfixia e levá-lo à morte. Por isso, Simone fica meses sem sair de casa, dedicando-se integralmente ao menino, sempre contando com o companheirismo da avó. O pai é ausente.

“O nosso acesso é muito complicado, bastante difícil. Às vezes o pessoal do SAMU não quer vir pegar ele aqui. Ele já chegou a cair na viela. Derrubaram ele da maca”, diz Simone.

Já Daniel Mariano, de 55 anos, caiu de uma escada, acidente que o deixou em uma cadeira de rodas durante um ano. Hoje caminha com o auxílio de uma bengala de alumínio. Vive com a irmã e a sobrinha no Jardim Jaqueline, zona oeste de São Paulo. Sua casa fica muito abaixo do nível da rua. Para chegar até o asfalto, tem que passar por duas escadas e uma ladeira bastante íngremes. Por isso, Mariano acaba passando meses em casa. Para se exercitar dá voltas dentro do quarto. “De quinze em quinze minutos eu me levanto para caminhar. Fico andando aqui dentro. Se eu tivesse acesso à rua era melhor, dava para sair mais”, relata.

Os irmãos Eulália e Nelson Cordeiro são cegos e surdos por causa de uma síndrome hereditária chamada Usher, que leva à perda progressiva da audição e da visão. Geralmente os sinais aparecem na adolescência. Seus pais tiveram oito filhos; quatro nasceram com a síndrome.

Desde que chegou a São Paulo, vinda de Minas Gerais, a família reside em uma casa no alto de um morro, no Jardim Ingá, zona sul da capital paulista. Durante algum tempo, quando a doença ainda permitia, os irmãos conseguiam andar pelas ruas do bairro. No entanto, as calçadas irregulares, muitas vezes ocupadas por carros, obrigam-nos a andar pelo meio da rua, desviando de buracos, automóveis e motocicletas.

Eulália é hoje membro do Conselho Municipal de Saúde e suplente no Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência. Ela avalia que, em relação às adequações necessárias para portadores de deficiências, a Prefeitura “tem o olhar mais voltado pro centro, e na periferia deixa a desejar”.

O vídeo “Meio complicado” mostra dificuldades enfrentadas diariamente por quem tem mobilidade reduzida e vive nas periferias, nas favelas. São pessoas que vivem presas por conta da ausência de infraestrutura urbana. Muitas moram em cômodos pequenos, sem ventilação, sem espaço e sem convívio. E não fazem parte das estatísticas oficiais: procurada pela Pública, a Prefeitura afirmou não ter dados detalhados sobre essa população.

Assista ao minidoc:

Meio complicado from Agência Pública on Vimeo.

Mais recentes

Número de mortes causadas por PMs no Rio de Janeiro deve bater recorde com a intervenção, diz pesquisadora

23 de outubro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, Sílvia Ramos avalia que presença das Forças Armadas não inibiu violência policial e há um comando para atirar e matar

Grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp orquestram fake news e ataques pessoais na internet, diz pesquisa

22 de outubro de 2018 | por

Pesquisadores da Uerj acompanharam grupos de vários candidatos no aplicativo desde maio; bolsonaristas têm maior alcance e organização

Maioria das denúncias de coação eleitoral é pró-Bolsonaro

19 de outubro de 2018 | por e

Levantamento da Pública revela que pelo menos 28 empresas foram denunciadas por coação eleitoral pró-Bolsonaro e uma por coação contrária a ele. Há casos de camisetas e comunicados idênticos distribuídos por empresas diferentes

Truco!

Mesmo atrasado, projeto da avenida João Paulo II não custou R$ 86 mi por quilômetro

23 de outubro de 2018

Cálculo feito pelo candidato Helder Barbalho (MDB) não é correto, dizem especialista em planejamento e Núcleo de Gerenciamento do Transporte Metropolitano, responsável pela obra.

Em ranking de bancos de 2017, Banpará esteve entre líderes

23 de outubro de 2018

A classificação consta no Anuário Finanças Mais publicado em 2017. No entanto, o levantamento mais recente mudou a metodologia e o Banco do Estado do Pará não é considerado no ranking geral.

Certo, Anastasia: PIB de Minas e do Brasil eram bem melhores em 2010

22 de outubro de 2018

Anastasia acerta cenário econômico há 8 anos, quando governou o estado após a saída de Aécio Neves; Lula era presidente

Explore também

Um infiltrado do FBI entre os Panteras Negras

10 de setembro de 2012 | por

Conheça a história de um nipo-americano que foi infiltrado pela polícia dos EUA para espionar o movimento negro dos anos 60

Carnaval e Copa, será que dá samba?

8 de fevereiro de 2013 | por

Em Belo Horizonte, marchinha “Imagina na Copa” vence concurso e mostra o que população está pensando sobre o evento

Guia de segurança na internet

2 de julho de 2013 | por e

A Pública reuniu as principais dicas de como você pode proteger sua privacidade online. Veja o infográfico e siga os passos para escapar da vigilância na internet.