Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Acompanhe os acertos, erros, exageros e distorções dos candidatos às prefeituras de Belém, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo

2 de setembro de 2016

O candidato falou besteira? “Blefe” nele. Distorceu ou exagerou a informação? A carta é “Não é bem assim”. Quase acertou mas não deu o contexto para compreender o dado? “Tá certo, mas peraí”. E tem “Zap” para quem acertou no que disse e apresentou uma informação relevante para o leitor.

Estas são as cartas usadas no Truco Eleições 2016, o projeto de checagem sobre as eleições municipais realizados pela Agência Pública em cinco capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Belém e Recife – nas duas últimas com as organizações parceiras, Outros400 e Marco Zero Conteúdo.

Além de publicar as checagens das declarações dos candidatos todos os dias, às sextas fazemos um apanhado das cartas mais reveladoras, ou que se destacam pelos temas tratados. Nesta, que é a primeira rodada, publicamos as melhores checagens de 22 de agosto a 1o de setembro, mas a partir da semana que vem, serão escolhidas apenas na semana da publicação.

Confira:

Belém

“Não é bem assim” para Éder Mauro (PSD)Truco-Nao-e-bem-assim-Homem

Segundo a Folha de S.Paulo, candidatos de oito capitais brasileiras respondem a ações penais. A reportagem, publicada segunda-feira, 22 de agosto, cita entre os acusados Éder Mauro e Zenaldo Coutinho, que estão na disputa pela Prefeitura de Belém. O deputado federal e delegado Éder Mauro (PSD), em nota, alegou à Folha “que foi absolvido em primeira instância dos processos que estão hoje no STF”. O Truco Eleições 2016 checou o esclarecimento do candidato e descobriu que não é bem assim. Leia aqui a checagem completa.

 

 

Recife

05_blefe_cor_h“Blefe” para Daniel Coelho (PSDB)

Em entrevista ao Jornal do Commercio, o candidato Daniel Coelho declarou: “Estou vendo as campanhas dos adversários nas ruas, comitês suntuosos em espaços caros e zero real declarado. A única campanha que declarou recurso e que está trabalhando como manda a lei, dentro da regra, é a nossa. Espero que haja fiscalização”. O Truco Eleições 2016 checou a declaração de Daniel e concluiu que ela é falsa ao indicar que ele é o único candidato que está cumprindo a legislação e ao dar a entender que os seus adversários estariam praticando algum tipo de irregularidade eleitoral. Confira a checagem.

 

Rio de Janeiro

“Zap” para Alessandro Molon (REDE)Zap_carta2_homem (1)

No debate transmitido pela Band Rio, o candidato afirmou que “Ninguém sabe o quanto custou a realização das Olimpíadas pros cofres públicos.” Tendo investigado a preparação para os Jogos desde 2011, a Agência Pública atribui a carta “Zap”, que confirma a informação dada pelo candidato. Não há valores exatos sobre o uso de recursos públicos na Olimpíada – apenas aproximações. O Truco Eleições 2016 fez um levantamento e descobriu que a conta deve ultrapassar R$ 1 bilhão. Leia a checagem completa. 

 

 

São Paulo

ta-certo“Tá certo, mas peraí” para Celso Russomanno (PRB)

No primeiro dia de horário eleitoral na televisão, Russomanno criticou a atual gestão por não entregar o número prometido de unidades básicas de saúde. O Truco Eleições 2016 verificou o dado com a Secretaria Municipal de Saúde e constatou que o prefeito Fernando Haddad realmente não cumpriu a meta prevista e entregou apenas nove unidades. “Tá certo, mas peraí”, Russomanno. Apesar de ter entregue apenas nove UBS, 16 outras estão em obras e devem ser entregues ainda este ano, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. A checagem completa pode ser lida aqui.

Em post no Facebook, o candidato João Leite diz: “Com relação a esse controvertido tema ele não foi esquecido, conseguimos retirá-no (sic) do Programa Estadual de Educação. Temos que ficar atentos, muitas mentiras serão veiculadas nas redes sociais para confundir os eleitores”. O comentário de João Leite é um blefe por diversos motivos. O primeiro é que, ao contrário do que respondeu o candidato, até o momento, o Plano Estadual de Educação não sofreu nenhuma modificação – o texto está em votação na Assembleia Legislativa de Minas Gerais na forma do Projeto de Lei 2.882 de 2015. Continue lendo a checagem.

 

 

[relacionados]

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Atmosfera em universidades brasileiras preocupa organização internacional que protege acadêmicos ameaçados

18 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, pesquisadora do Scholars at Risk diz que tem sido procurada por professores que querem deixar o país temendo pela própria vida

Em cinco anos, 4,3 milhões de armas nas ruas

27 de janeiro de 2012 | por e

Nos últimos 5 anos foram comercializadas 4,3 milhões de armas no Brasil – somente de fabricantes nacionais. Número é bem maior do que se estimava. Indústria não revela produção.

Seis respostas sobre como combater o Escola Sem Partido

6 de dezembro de 2018 | por

Manual de Defesa traz estratégias para que profissionais da educação se protejam de ameaças e perseguições; leia a entrevista

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar