Não é a primeira vez que aparecem informações falsas sobre a Agência Pública. A última é que estamos participando do projeto de fact-checking em parceria com o Facebook. Confira as desinformações que mais se repetem

Não é a primeira vez que aparecem informações falsas sobre a Agência Pública. A última é que estamos participando do projeto de fact-checking em parceria com o Facebook. Confira as desinformações que mais se repetem

21 de Maio de 2018
09:00

Agência Pública fez parceria com o Facebook para combater notícias falsas na rede

A Agência Pública não faz parte da iniciativa de combate a notícias falsas, anunciada pela rede social no último dia 10 de maio. As organizações Lupa e Aos Fatos que, assim como a Pública, fazem parte da International Fact-Checking Network (IFCN), do Instituto Poynter estão compondo a iniciativa. Ambas são organizações renomadas e referendadas por critérios internacionais da IFCN.

Leonardo Sakamoto é dono da Pública


O jornalista Leonardo Sakamoto não é dono, nem trabalhou ou trabalha na Agência Pública. Sakamoto era membro do Conselho Consultivo da Agência Pública até 2017. Como diz o nome, esse Conselho tem papel consultivo, não decisório, e se reúne duas vezes por ano.

A Agência Pública é uma ONG sem fins lucrativos fundada e dirigida por jornalistas mulheres.

A Pública é financiada por George Soros

A Agência Pública tem dois tipos de financiadores: fundações e público leitor, através de crowdfunding ou doações diretas. As fundações parceiras estão claramente identificadas em nosso site. A Open Society Foundation, fundada por George Soros, é uma dessas parceiras, responsável atualmente pelo financiamento parcial da Casa Pública, no Rio de Janeiro. Nenhum financiador interfere em nossas pautas nem tem acesso a nenhum conteúdo antes da publicação em nosso site.

Fact-Checking

Aproveitamos para destacar que o Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – tem como objetivo identificar informações falsas, exageradas ou distorcidas sobre questões de interesse público. A intenção é qualificar o debate democrático, função primordial do jornalismo.

Outros colegas de fact-checking, os jornalistas do Aos Fatos e da Lupa, também estão sendo alvo de ataques massivos de grupos que se organizam através da rede para difamar jornalistas. Nos solidarizamos com essas organizações, que fazem um trabalho de utilidade pública e atendem aos requisitos da rede internacional de checadores do Instituto Poynter – um deles o apartidarismo.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

Um em cada 5 agrotóxicos liberados no último ano é extremamente tóxico

16 de janeiro de 2020 | por e

Primeiro ano do governo Bolsonaro teve aprovação recorde de novos pesticidas; empresa chinesa Adama foi a que teve o maior número de produtos liberados

Geoff Golberg: “Dinheiro do governo dos EUA foi usado para manipular o debate no Twitter”

15 de janeiro de 2020 | por

A Pública conversou com pesquisador americano que encontrou rede de perfis falsos que espalharam discurso anti-Irã no Twitter

Vagas abertas para trabalhar na Pública: inscreva-se!

13 de janeiro de 2020 | por

A Pública está com vagas abertas para repórter, produtor de podcasts e estágio nas áreas de reportagem, jornalismo de dados e design; as candidaturas devem ser feitas via formulário até o dia 26 de janeiro