Agência de Jornalismo Investigativo

Plano de aula foi traduzido por Agência Pública e Aos Fatos em comemoração ao Dia Internacional do Fact-Checking

2 de abril de 2018
21:26
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.
Reprodução
Perguntas vêm acompanhada de cartas com notícias para serem checadas
Perguntas vêm com trechos de notícias que serão checadas

Os moradores do país fictício de Agritânia vivem um dilema. Em breve haverá um referendo que decidirá sobre a introdução de transgênicos no país. Uma equipe de checadores do jornal Agritânia Hoje precisa analisar fatos que circulam sobre esse polêmico assunto para embasar a produção de cinco editoriais, a serem estampados na primeira página no dia da votação. Trata-se, na verdade, do “Cheque Isso!”, um plano de aula, em formato de jogo de RPG, criado com o objetivo de ensinar alunos do ensino médio a fazer fact-checking.

Produzido pela organização Factcheckers.it para a International Fact-Checking Network (IFCN), o material foi traduzido para o português pelo Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – e pela plataforma Aos Fatos, em comemoração ao Dia Internacional do Fact-Checking, em 2 de abril. O público-alvo são estudantes de 15 anos ou mais, e o exercício tem duração prevista de duas horas. O plano de aula está disponível gratuitamente para download no site www.factcheckingday.com. Basta fazer um cadastro na página.

O material está dividido em três partes. O Guia do Professor traz as instruções para a aplicação em sala de aula, com as regras do jogo e o tempo previsto para cada etapa. Há também o Guia de Checagem de Fatos, uma compilação de ferramentas e dicas que deve ser distribuída para os alunos. Os jovens vão aprender, por exemplo, a verificar a confiabilidade de um site, a analisar se uma imagem ou um vídeo são verdadeiros ou a descobrir a reputação de um estudo científico.

A última parte é o material do jogo “Cheque Isso!”, composto por cinco conjuntos com 25 cartas no total. Cada um deles consiste em uma pergunta que traz cinco peças noticiosas para serem checadas, com informações verdadeiras, distorcidas e falsas. Cada conjunto, por sua vez, vem acompanhado de um painel com quatro títulos e parágrafos reproduzindo opiniões diferentes sobre essa questão. Depois que a análise das cartas de notícias for feita, os estudantes vão indicar o editorial que acham mais apropriado no painel. Se não concordarem com nenhuma das alternativas apresentadas, também podem criar seu próprio título e o texto. Os resultados são depois compartilhados por todos na sala de aula.

Os conjuntos de perguntas incluem também uma folha de informações para os professores, com explicações e links sobre as cartas de notícias, para auxiliar na avaliação das checagens produzidas pela turma. Se os alunos não tiverem nenhum tipo de conhecimento sobre fact-checking, é aconselhável fazer uma aula introdutória antes de partir para o exercício proposto no plano de aula. Todos os dados presentes no jogo foram conferidos até o dia 15 de março de 2018.

Reprodução
Algumas das cartas incluídas no plano de aula
Algumas das cartas incluídas no plano de aula voltado para alunos do ensino médio

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Plano de aula gratuito ensina estudantes a checar informações

30 de março de 2017 | por

Agência Pública traduz material produzido pelo Instituto Poynter para celebrar o Dia Internacional do Fact-Checking

O que é fact-checking?

12 de agosto de 2017

Secretária LGBTQIA+ quer transformar auxílio para pessoas trans em política federal

24 de janeiro de 2023 | por

Symmy Larrat coordenou o Transcidadania, que oferece bolsa para educação e profissionalização em SP

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal