Agência de Jornalismo Investigativo

A repórter Andrea Dip conta aqui como foi criado o curta que aborda a restrição do direito à cidade para as mulheres por medo e violência de gênero

13 de junho de 2018

A ocupação da cidade pelas mulheres a partir de afetos e do medo da violência de gênero. O direito à cidade. O espaço urbano que nos é hostil desde sua concepção. A cidade da mulher que é diferente da cidade do homem. E a pergunta difícil: Como incluir essa reflexão e toda a subjetividade inerente a estas questões em um documentário?

Divulgação
O documentário Sob constante ameaça aborda a restrição do direito à cidade para as mulheres por medo e violência de gênero

Assim começaram minhas conversas com o artista Guilherme Peters – que convidei a co-dirigir o projeto por conhecer e admirar seu trabalho – ainda em 2015. E começamos a entrevistar mulheres diversas, cis, trans, homens trans, de diversas regiões, idades, regiões e interseccionalidades sobre sua relação com São Paulo. Por onde andam? Por onde não andam? Por onde andam com medo? Que manobras fazem para evitar a violência de gênero? Mudam seus caminhos? Foram entrevistas longas, algumas vezes reveladoras para as próprias mulheres que não haviam parado para refletir sobre as limitações que nos são tão naturalizadas. O foco não era nas histórias de assédio ou outras formas de violência mas em como tudo isso afeta nossa forma de ocupar os espaços. E assim fomos costurando uma narrativa. Também colocamos online uma pesquisa, que foi respondida por mais de 2500 mulheres, com perguntas mais práticas, como por exemplo: “Você evita andar pela cidade em algum horário específico?”.

Divulgação
Mais de 2500 mulheres responderam a pergunta: “Você evita andar pela cidade em algum horário específico?”

Para essa pergunta, 93% das mulheres responderam evitar andar após o anoitecer. As respostas, que incluímos no filme e também serviram como base para os lugares escolhidos para filmar, mostraram como o medo da violência de gênero – que é totalmente fundamentado e real – afeta diretamente, não apenas a ocupação dos espaços, mas escolhas como aceitar ou não um emprego. Quando perguntamos: “Você já deixou de aceitar um trabalho por causa do horário, por causa da região ou por causa do trajeto que faria?”, a resposta foi um impressionante 38,5% sim.

O projeto ganhou um Reportagem Pública e logo após um edital da SPCine. Como às vezes acontecem em editais públicos, o nosso ficou congelado por quase um ano, tempo que utilizamos para aprofundar as pesquisas e o olhar. Nossa equipe foi formada em sua maioria por mulheres, incluindo a direção de fotografia da fotógrafa Camila Cornelsen. Também ganhou um desenho de som e trilha originais e inéditos criados pelo artista Bruno Palazzo – algo muito importante já que o doc propõe ao espectador caminhar pela cidade junto com as personagens e cria paisagens sonoras que envolvem o espectador em um suspense contínuo – vivenciado pelas mulheres em suas rotinas reais e traduzido na fala de uma delas: “Uma das coisas que é muito comum é eu não saber se vou voltar inteira pra casa”. Ou em uma frase dita por todas as mulheres que caminharam conosco, dia ou noite: “Eu jamais andaria aqui”.

Dito isso, convidamos a todas a todos para o lançamento oficial de “Sob Constante Ameaça”, que acontecerá no dia 16/06 na Casa Pública, no Rio de Janeiro com uma Conversa Pública sobre Mulheres e o direito à cidade e em São Paulo no dia 21/06, na Galeria Vermelho, com uma entrevista ao vivo com uma urbanista sobre o mesmo tema. Após os lançamentos, o filme será disponibilizado online também para sessões públicas autônomas.

Serviço

Rio de Janeiro
Lançamento Sob Constante Ameaça + Conversa Pública Mulheres e o direito à cidade

Data: 16/06 às 16h

Entrevistadas: Tainá de Paula (arquiteta e urbanista) e Iazana Guizzo (fundadora do escritório coletivo de arquitetura “Terceira Margem”)

Local: Casa Pública – Rua Dona Mariana 81

São Paulo
Lançamento Sob Constante Ameaça + entrevista ao vivo com urbanista sobre Mulheres e o direito à cidade

Data: 21/06

19h30 – primeira sessão
21h – entrevista ao vivo
21h40 – segunda sessão

Entrevistada: Haydee Svab – Feminista, Engenheira, mestre em Planejamento de Transportes, fundadora da PoliGen (Grupo de Estudos de Gênero da Poli) e CEO da ASK – Associated Researchers

Local: Galeria Vermelho – Rua Minas Gerais 350

Mais recentes

“O tempo do Judiciário é incompatível com qualquer tempo do ser humano”

17 de agosto de 2018 | por

Ex-ministra do STJ Eliana Calmon afirma que faltou a Lava Jato chegar ao Poder Judiciário e que CNJ se transformou em um órgão de controle que não funciona

Truco nos Estados

15 de agosto de 2018 | por

Acompanhe nossa cobertura das eleições governamentais. São 31 jornalistas checando os candidatos a governador em 7 estados!

No Pará, famílias expulsas pela Vale agora brigam contra a Hydro

15 de agosto de 2018 | por

Para apostar na agricultura tradicional, comunidade do Tauá enfrentou a vigilância de drones, destruição das casas e poluição tóxica

Explore também

| De olho | Ameaças a Cunha e Dilma

22 de novembro de 2015 | por

Projeto da LDO será analisado no plenário e definirá meta fiscal para 2016; Cunha enfrentará nova sessão no Conselho de Ética

Casa de Espíritos

19 de março de 2017

Meu encontro com um dos homens mais procurados do mundo

16 de março de 2018 | por

A repórter investigativa Anabel Hernández entrevistou o mexicano acusado pela agência antidrogas americana de estar à frente da maior organização de tráfico de drogas no continente