Agência de Jornalismo Investigativo

A repórter Andrea Dip conta aqui como foi criado o curta que aborda a restrição do direito à cidade para as mulheres por medo e violência de gênero

13 de junho de 2018

A ocupação da cidade pelas mulheres a partir de afetos e do medo da violência de gênero. O direito à cidade. O espaço urbano que nos é hostil desde sua concepção. A cidade da mulher que é diferente da cidade do homem. E a pergunta difícil: Como incluir essa reflexão e toda a subjetividade inerente a estas questões em um documentário?

Divulgação
O documentário Sob constante ameaça aborda a restrição do direito à cidade para as mulheres por medo e violência de gênero

Assim começaram minhas conversas com o artista Guilherme Peters – que convidei a co-dirigir o projeto por conhecer e admirar seu trabalho – ainda em 2015. E começamos a entrevistar mulheres diversas, cis, trans, homens trans, de diversas regiões, idades, regiões e interseccionalidades sobre sua relação com São Paulo. Por onde andam? Por onde não andam? Por onde andam com medo? Que manobras fazem para evitar a violência de gênero? Mudam seus caminhos? Foram entrevistas longas, algumas vezes reveladoras para as próprias mulheres que não haviam parado para refletir sobre as limitações que nos são tão naturalizadas. O foco não era nas histórias de assédio ou outras formas de violência mas em como tudo isso afeta nossa forma de ocupar os espaços. E assim fomos costurando uma narrativa. Também colocamos online uma pesquisa, que foi respondida por mais de 2500 mulheres, com perguntas mais práticas, como por exemplo: “Você evita andar pela cidade em algum horário específico?”.

Divulgação
Mais de 2500 mulheres responderam a pergunta: “Você evita andar pela cidade em algum horário específico?”

Para essa pergunta, 93% das mulheres responderam evitar andar após o anoitecer. As respostas, que incluímos no filme e também serviram como base para os lugares escolhidos para filmar, mostraram como o medo da violência de gênero – que é totalmente fundamentado e real – afeta diretamente, não apenas a ocupação dos espaços, mas escolhas como aceitar ou não um emprego. Quando perguntamos: “Você já deixou de aceitar um trabalho por causa do horário, por causa da região ou por causa do trajeto que faria?”, a resposta foi um impressionante 38,5% sim.

O projeto ganhou um Reportagem Pública e logo após um edital da SPCine. Como às vezes acontecem em editais públicos, o nosso ficou congelado por quase um ano, tempo que utilizamos para aprofundar as pesquisas e o olhar. Nossa equipe foi formada em sua maioria por mulheres, incluindo a direção de fotografia da fotógrafa Camila Cornelsen. Também ganhou um desenho de som e trilha originais e inéditos criados pelo artista Bruno Palazzo – algo muito importante já que o doc propõe ao espectador caminhar pela cidade junto com as personagens e cria paisagens sonoras que envolvem o espectador em um suspense contínuo – vivenciado pelas mulheres em suas rotinas reais e traduzido na fala de uma delas: “Uma das coisas que é muito comum é eu não saber se vou voltar inteira pra casa”. Ou em uma frase dita por todas as mulheres que caminharam conosco, dia ou noite: “Eu jamais andaria aqui”.

Dito isso, convidamos a todas a todos para o lançamento oficial de “Sob Constante Ameaça”, que acontecerá no dia 16/06 na Casa Pública, no Rio de Janeiro com uma Conversa Pública sobre Mulheres e o direito à cidade e em São Paulo no dia 21/06, na Galeria Vermelho, com uma entrevista ao vivo com uma urbanista sobre o mesmo tema. Após os lançamentos, o filme será disponibilizado online também para sessões públicas autônomas.

Serviço

Rio de Janeiro
Lançamento Sob Constante Ameaça + Conversa Pública Mulheres e o direito à cidade

Data: 16/06 às 16h

Entrevistadas: Tainá de Paula (arquiteta e urbanista) e Iazana Guizzo (fundadora do escritório coletivo de arquitetura “Terceira Margem”)

Local: Casa Pública – Rua Dona Mariana 81

São Paulo
Lançamento Sob Constante Ameaça + entrevista ao vivo com urbanista sobre Mulheres e o direito à cidade

Data: 21/06

19h30 – primeira sessão
21h – entrevista ao vivo
21h40 – segunda sessão

Entrevistada: Haydee Svab – Feminista, Engenheira, mestre em Planejamento de Transportes, fundadora da PoliGen (Grupo de Estudos de Gênero da Poli) e CEO da ASK – Associated Researchers

Local: Galeria Vermelho – Rua Minas Gerais 350

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Ex-guerrilheiro da VPR relembra bombardeios do Ribeira

26 de agosto de 2014 | por

Em entrevista à Pública, o sargento Nóbrega descreve detalhes da Operação Registro

Operação policial financiada por empresários cariocas mira moradores de rua

19 de fevereiro de 2016 | por

Patrulhamento é pago pela Federação do Comércio, que escolheu os bairros a serem atendidos, no Rio de Janeiro. “Você sabe, como em qualquer lugar do mundo, quem financia escolhe”, diz secretário do governo

Vídeo: pistoleiros perseguem famílias ligadas à líder

29 de fevereiro de 2012 | por

Depois que Nilcilene ganhou escolta, criminosos passaram a ameaçar as pessoas próximas a ela. Duas famílias já tiveram que fugir. Assista ao depoimento

Mais recentes

“Caveirão voador” é usado como plataforma de tiro, dizem moradores

18 de abril de 2019 | por

No Rio de Janeiro, instrução normativa do estado proíbe rajadas a partir de helicópteros da polícia, mas disparos aéreos com intervalos são permitidos; moradores relatam rasantes com tiros em direção às comunidades

Governo federal não sabe quantos conselhos foram extintos nem qual será a redução de custos

17 de abril de 2019 | por e

Celebrado por Bolsonaro como uma das medidas dos seus 100 dias de governo, nem governo nem ministérios sabem informar o impacto do decreto que acabou com os conselhos federais

Ministério dos Direitos Humanos nega 33 pedidos de anistia para cada solicitação aprovada

16 de abril de 2019 | por e

Presidida por ex-advogado de Bolsonaro, com histórico de ações contra reparações a presos políticos, Comissão de Anistia tem seis militares e apenas um representante de perseguidos pela ditadura