Agência de Jornalismo Investigativo

Taxa em relação ao PIB foi de 20,9% em 2013 para 15,6% em 2017, menor valor registrado pela série histórica do IBGE

23 de agosto de 2018
Antônio Cruz/Agência Brasil
O senador Álvaro Dias (Podemos), candidato à Presidência, criticou a queda nos investimentos públicos em seu plano de governo
O senador Álvaro Dias (Podemos), candidato à Presidência, criticou a queda nos investimentos públicos em seu plano de governo

“É fundamental um aumento do investimento nacional, que chegou ao seu ápice neste século em 2013, representando 21% do PIB, para em seguida apresentar quedas constantes, atingindo patamares inferiores a 16%.” – Álvaro Dias (Podemos), no plano de governo registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

VerdadeiroAo defender propostas na área econômica no plano de governo registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Álvaro Dias (Podemos) criticou a situação atual dos investimentos no Brasil. Segundo ele, a participação dos investimentos no Produto Interno Bruto (PIB) caiu constantemente desde 2013. Naquele ano, ela representaria 21% do PIB, maior valor registrado no século 21, e hoje estaria abaixo dos 16%. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – analisou os números e a afirmação é verdadeira.

De acordo com dados das Contas Nacionais Trimestrais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil atingiu em 2013 uma taxa bruta de investimento de 20,9% do PIB. Essa foi a maior porcentagem registrada pela série histórica do órgão, que começou em 1966.

Proporcionalmente ao PIB, a participação dos investimentos caiu sucessivamente desde 2013. Foi para 19,9% do PIB em 2014, 17,8% em 2015, 16,1% em 2016 e atualmente é de 15,6%. O valor é o mais baixo registrado pela série.

Em valores absolutos, a tendência é a mesma, salvo poucas exceções. De 1996 a 2013 o valor subiu todos os anos. Em 2014, os investimentos cresceram ainda um pouco, subindo de R$ 1,11 trilhão para R$ 1,48 trilhão, valor recorde da série. Em 2015 e 2016 a taxa voltou a cair, mas em 2017 teve um pequeno crescimento de R$ 1 trilhão para R$ 1,02 trilhão. Os casos, contudo, não mudam a proporção com relação ao PIB.

A taxa de participação dos investimentos no PIB é calculada a partir da Formação Bruta de Capital Fixo anual, que é um indicador que mede o quanto as empresas brasileiras aumentaram seus bens de capital, ou seja, seus meios de produção. Assim, o valor indica o quanto as empresas tiveram de investimento naquele ano.

A Formação Bruta de Capital Fixo soma os investimentos públicos e privados feitos por pessoas, instituições e empresas. O IBGE disponibiliza os investimentos separados de 2010 a 2015. Nesse período, a tendência do investimento privado foi a mesma apontada por Dias. Em 2013, os investimentos privados representavam 16,5% do PIB, regredindo para 15,4% em 2014 e depois 14,3% em 2015 – último dado disponível. Já os investimentos públicos tiveram leve aumento em 2014 e depois também tiveram queda: de 4,34% em 2013 para 4,37% em 2014 e 3,4% em 2015.

Assim, é verdade que a participação dos investimentos no PIB caiu constantemente a partir de 2013, quando atingiu seu ápice, chegando a menos de 16% em 2017. Os valores absolutos e a taxa separada de investimento público e privado, salvo pequenas exceções, seguiram essa tendência.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Explore também

PEC das Diretas ainda tem longo caminho

2 de junho de 2017 | por

Checagem de frase do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) mostra exagero ao considerar aprovação como grande vitória

Atendidos no Mais Médicos. Tá certo, mas peraí, Vanessa!

7 de agosto de 2015 | por

“São 63 milhões de pessoas assistidas pelo programa Mais Médicos. Hoje, nós temos mais de 18.200 médicos inscritos e trabalhando no programa.” – Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), senadora, em discurso no plenário

Correto, mas falta contexto

80% da produção agrícola vem do G20?

22 de junho de 2016 | por

Senador acerta taxa, mas erra ao dizer que o grupo é formado por 20 países – dados também não representam a realidade atual; veja a nossa checagem

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas