Agência de Jornalismo Investigativo

Despesa, citada por Jair Bolsonaro (PSL) em seu programa de governo, ficou em R$ 400,8 bilhões em 2017

21 de agosto de 2018
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O deputado Jair Bolsonaro (PSL), em discurso durante eleição do presidente da Câmara dos Deputados, em 2017: dado sobre juros citado em plano de governo está correto
Jair Bolsonaro (PSL), em discurso durante eleição do presidente da Câmara dos Deputados, em 2017: dado sobre juros citado em plano de governo está correto

“O Brasil gasta anualmente um Plano Marshall (que reconstruiu a Europa após a Segunda Guerra Mundial) com o pagamento de juros.” – Jair Bolsonaro (PSL), em seu plano de governo “O Caminho da Prosperidade”, registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

VerdadeiroNo trecho de seu programa de governo em que discute a redução de despesas com juros, o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o Brasil gasta com juros o equivalente às despesas que o governo dos Estados Unidos teve com o Plano Marshall. O candidato faz referência a um programa de auxílio empreendido pelo governo norte-americano que repassou bilhões de dólares, entre 1948 e 1952, para ajudar 16 países europeus a se recuperarem da Segunda Guerra Mundial. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública, que analisa o que dizem os candidatos a presidente e a governador em sete estados – descobriu que a relação está correta.

O Brasil gastou, em 2017, R$ 400,8 bilhões com juros. Já o custo do Plano Marshall, em valores corrigidos pela inflação, foi estimado em US$ 103 bilhões pelo governo norte-americano em 2014. O valor equivale a R$ 404,8 bilhões, se utilizada a cotação de 17 de agosto de 2018 – quando ficou em R$ 3,93, segundo o Banco Central.

Nos Estados Unidos, as despesas do Plano Marshall são com frequência comparadas às da guerra do Afeganistão. Em julho de 2014, o Gabinete do Inspetor Especial para a Reconstrução do Afeganistão, órgão americano criado para monitorar as ações de reestruturação daquele país após a guerra com os Estados Unidos, divulgou um boletim para o Congresso americano. Em um trecho do relatório, o custo do Plano Marshall é comparado ao gasto do governo norte-americano na reconstrução do Afeganistão. Os analistas atestam que, em valores corrigidos pela inflação, o governo norte-americano gastou US$ 103 bilhões no Plano Marshall e US$ 109 bilhões na reconstrução do Afeganistão.

Especialistas ouvidos pelo site de fact-checking americano Politifact destacam que a comparação tem alguns problemas. Charles Maier, historiador de Harvard que pesquisa os resultados da Segunda Guerra Mundial, diz que o custo do Plano Marshall em porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) americano era muito maior do que a despesa com o Afeganistão em relação ao PIB de 2014.

Durante os anos do Plano Marshall, o gasto total com o programa de reconstrução da Europa era equivalente a cerca de 4,3% do PIB americano. Já a despesa de recuperação do Afeganistão entre 2002 e 2014 correspondia a cerca de 0,75% do PIB anual registrado.

Em 2017, o Brasil reduziu o gasto com juros nominais – de pagamento da dívida pública de União, estados e municípios – para R$ 400,8 bilhões, segundo nota técnica do Banco Central, equivalentes a 6,11% do PIB. O auge dos pagamentos foi em 2015, quando a despesa chegou a R$ 501,8 bilhões, o que representava 8,37% do PIB.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Explore também

O coordenador do MTST, Guilherme Boulos, que participou de uma sabatina no Twitter

Os acertos, exageros e erros de Guilherme Boulos

26 de abril de 2018 | por , e

Presidenciável usou dados corretos sobre investimento em educação e déficit habitacional, mas exagerou ao falar sobre Previdência e concentração da imprensa

Lula diz que mais pobres vão ganhar meio salário mínimo com reforma da Previdência. Está certo?

22 de março de 2017 | por

Ex-presidente afirmou em manifestação que medidas também reduziriam o rendimento de trabalhadores rurais do Nordeste

Contra o distritão, deputado do PSOL distorce dado

22 de agosto de 2017 | por

Parlamentar usou estudo para dizer que mudança eleitoral favoreceria reeleições na Câmara, mas dados não mostram isso

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas