O que está acontecendo nas celebrações do 7 de Setembro é também uma ininterrupta estratégia de manipulação de discurso público

O que está acontecendo nas celebrações do 7 de Setembro é também uma ininterrupta estratégia de manipulação de discurso público

5 de setembro de 2022
17:15
Especial: 7 de setembro

Este texto foi enviado na edição de 22 de agosto da newsletter Xeque na Democracia. Inscreva-se aqui para receber toda segunda-feira uma análise exclusiva para assinantes sobre eventos e estratégias que enfraquecem a democracia no Brasil e no mundo.

Foi uma defesa pouco usual para um debate sobre Fake News. Com um elogio à mentira, a psicanalista Maria Rita Kehl, sempre brilhante, escolheu abrir sua apresentação no evento do qual participamos no último sábado, no Memorial da Resistência em São Paulo. Mentir, para uma criança, é o primeiro sinal de independência em relação aos pais, disse. “Quando ela aprende a mentir, significa que se apropriou de alguma coisa que é soberana na palavra dela”.

Adultos também mentem, e muitas vezes de maneira justificada, explicou a psicanalista, que liderou durante mais de dois anos as investigações da Comissão Nacional da Verdade. Muitos heróis da ditadura mentiram sob tortura e com isso se salvaram e salvaram companheiros. Como Dilma Rousseff. “Às vezes a mentira é um baita recurso de sobrevivência”, lembrou. 

O objetivo da sua fala era retirar todo o peso moralizante que costumamos atribuir quando falamos sobre o problema da desinformação. Todos nós, seres humanos, mentimos.  “Os governos mentem”, diz ela, e talvez não exista nem maneira de governar sem “pequenas mentiras”. 

Refleti cá comigo que nem só de pequenas, mas de grandes mentiras se constrói um país. E pensei no evento fabricado que deveríamos celebrar no próximo dia 7 de Setembro, um grito às margens do Ipiranga dado por aquele que era filho do rei de Portugal, e que por aqui se autodenominou “imperador” sem que houvesse um império, sob o título de Dom Pedro I. 

Nada glorioso, Dom Pedro cavalgava em um burrico e sofria de diarreia quando foi pego de surpresa por notícias vindas das cortes de Lisboa, que ordenavam  sua destituição como príncipe regente e o retorno do Brasil à condição de colônia. Uma esquadra de 7.100 soldados estavam por desembarcar na Bahia e pretendiam atacar o Rio de Janeiro. 

“Foi, portanto, como um simples tropeiro, coberto pela lama e a poeira do caminho, às voltas com as dificuldades naturais do corpo e de seu tempo, que D. Pedro proclamou a Independência do Brasil. A cena real é bucólica e prosaica, mais brasileira e menos épica do que a retratada no quadro de Pedro Américo. E, ainda assim, importantíssima. Ela marca o início da história do Brasil como nação independente”, descreveu o jornalista Laurentino Gomes no seu livro 1822. 

Nem mesmo só a cena em si é fabricada. O historiador Evaldo Cabral de Mello, autor do livro “A Outra Independência” , diz que na verdade o famoso grito foi um “golpe” de Dom Pedro I para manter a centralização de poder na corrupta corte no Rio de Janeiro, calando movimentos pernambucanos que pediam mais autonomia. 

Peço paciência ao leitor, pois logo chego ao assunto que nos interessa aqui, o de como as narrativas são usadas e deturpadas para destruir as democracias hoje em dia. Seria ingênuo acreditar que a celebração do bicentenário da independência de qualquer país seja um ato de verdadeira confraternização e reencontro consigo mesmo. Mas seria cínico dizer que tal celebração tampouco tem função alguma.    

No caso do nosso 7 de Setembro, o que está acontecendo é também uma ininterrupta estratégia de manipulação de discurso público – ou, posta de outra maneira, uma usurpação da memória coletiva – que Jair Bolsonaro pôs em curso. Assim como qualquer projeto autoritário que se preze, a campanha para desestabilizar as eleições de 2022 já afeta também a nossa relação com o passado. 

Há duas semanas, o Museu do Ipiranga anunciou que reabrirá suas portas ao público – depois de quase uma década fechado – não no dia 7, mas no dia 8. No dia 6, haverá um evento oficial com dignitários convidados. O 7 será “low profile”. 

“Temos a preocupação de despolitizar [a reabertura da instituição]. O museu e a Independência são de todos os brasileiros, eles precisam ficar imunes a esse clima de polarização”, afirmou o secretário de cultura de São Paulo à Folha. 

Estamos proibidos até mesmo de celebrar nossa mentira fundacional no dia 7. 

Quando estive na Faculdade de Direito da USP para a leitura da carta em defesa à democracia, há duas semanas, vi como mulheres e homens de todas as idades choraram ao cantar em coro as palavras do Hino Nacional. Alguns, como eu, colocaram a mão no coração, hábito herdado de quando estudei em escola pública e cantávamos o hino todas as quartas-feiras, diante da bandeira sendo hasteada. 

Não somos, é claro, nem um “povo heróico” nem assistimos a nenhum “sol da liberdade” e já vi muitos “filhos seus” fugindo à luta quando a clava forte da Justiça se apresentou; menos, ainda, de todos os filhos deste solo nossa pátria é mãe gentil. E, no entanto, a emoção que compartilhávamos era a própria possibilidade de nos sentirmos, também, brasileiros, também atravessados pelos símbolos e cores que aprendemos desde pequenos, que identificamos, bem ou mal, com a nossa própria existência, com o nosso lugar no mundo. 

Eu sei de cor não só o hino nacional, como o hino da independência e o hino à bandeira, e daí? E me sinto, sim, uma patriota, ainda mais depois de dez meses vivendo nos Estados Unidos e vendo que cada país tem seus próprios problemas e suas mentiras gigantes.

O sequestro dos nossos símbolos nacionais e sua equivalência ao militarismo, ao machismo, aos movimentos armamentistas, aos sentimentos homofóbicos, é um dos mais nefastos planos do bolsonarismo e de seus aliados militares e evangélicos. Faz parte de um esquema que quer determinar que esse é o “verdadeiro” Brasil. Ame-o ou deixe-o. E nós estamos deixando.         

Eis o que está até agora organizado para as celebrações de 7 de setembro. O coração de Dom Pedro I chega hoje à Brasília, onde fará uma “revista às tropas” (não estou brincando) e ficará exposto no palácio do Itamaraty. Chefes de Estado de países lusófonos devem participar de uma celebração em Brasília, ao lado de Bolsonaro. E depois do mandatário vai para Copacabana, no Rio, onde vai tentar ressuscitar as manifestações golpistas que sua turma inflou no ano passado – com o uso de robôs impulsionando hashtags como #7deSetembroVaiSerGigante – e depois matou com a covarde carta na qual dizia que não era nada daquilo. 

Assim como a deprimente cena dos tanques esfumaçados que entraram no Planalto em agosto de 2021, desta vez Bolsonaro ordenou aviões da FAB e uma exibição de navios de guerra às margens de Copacabana. 

A chanchada em torno da parada militar no Rio de Janeiro – tudo decidido a um mês da celebração do bicentenário – já seria muito grave, não só pelas ordens do mandatário, mas pela vergonha do nosso Exército ao aceitar se meter no seu delírio particular de sugerir o potencial de bombardear a antiga capital. 

Mas, numa democracia que já se transportou para o digital, tem ainda outra conotação. 

Trata-se de “keyword squatting”, que pode ser mal traduzido como “ocupação de palavras-chave”. 

Como ensina o Media Manipulation Casebook, feito por pesquisadores do Shorenstein Center de Harvard, “keyword squatting é a tática de criar conteúdos on-line em torno de um termo específico otimizado para mecanismos de pesquisa, a fim de determinar os resultados da pesquisa desse termo. Como as pesquisas futuras em torno desse termo retornarão esse conteúdo, os manipuladores podem direcionar o tráfego on-line para suas páginas e influenciar (com sucesso variável) a narrativa em torno do termo”.

Para entender o peso disso, vale lembrar que a internet é o maior arquivo de conhecimento que a humanidade já construiu. Como explica o guia, “por meio da otimização do mecanismo de pesquisa, os manipuladores podem fazer com que suas hashtags apareçam antes de contas autênticas nas listas de resultados de pesquisa”. Ou seja, “a ocupação de palavras-chave” é uma tática para moldar as conversas de tendências nas redes sociais.

O que Bolsonaro está fazendo é a manipulação da simbologia da data, não apenas para nós, no presente, mas para o futuro. Quando alguém buscar “7 de setembro de 2022”, o que vai aparecer é Bolsonaro e seja lá o que ele estiver planejando.  

Nós também, da imprensa, colaboramos com isso ao reduzirmos o Sete de Setembro às intempéries de Bolsonaro, colaborando com a cooptação da data, do nome, e das hahstags. A quinze dias da celebração, não vi nenhuma reportagem histórica sobre o bicentenário. Onde estão os historiadores, aqueles que estudaram as diferentes versões e têm sempre algo a revelar sobre como nosso passado foi mal contado? Onde estão os debates sobre quem somos como nação e para onde vamos? 

Tudo bem, nossa proclamação da independência foi mixuruca. Nem se compara com as guerras travadas no continente, lideradas por gente como Martí ou Bolívar. Mas é essa a história que temos; deixá-la ser roubada dessa maneira é uma afronta à identidade de cada um de nós e uma violência ao nosso jovem e triste país.  

Seja aliada da Pública

Investigar as ameaças à democracia é nossa forma de protegê-la.

Assine a newsletter Xeque na Democracia e receba textos como este em primeira mão.

Mais recentes

Bolsonaro foge de tomar posição sobre candidatos ao governo de 5 unidades da Federação

1 de outubro de 2022 | por

Saiba quais governos o presidente deixou de dizer claramente aos seus eleitores quem eles deveriam apoiar

Deus e o diabo na terra do voto

1 de outubro de 2022 | por e

Dados analisados em 127 discursos revelam como os presidenciáveis usaram a religião na campanha

Exclusivo: campanha teve ao menos 75 casos de violência eleitoral

30 de setembro de 2022 | por , , , , , , , , e

Levantamento inclui ataques presenciais contra pesquisadores, eleitores, candidatos e jornalistas desde agosto