Agência de Jornalismo Investigativo

Corrente do WhatsApp faz interpretação errada de documento vazado pelo WikiLeaks em acusação contra a emissora

17 de agosto de 2017
11:56
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.
Leandra Leal, Lázaro Ramos, Dira Paes e Flávio Canto no Criança Esperança 2015
Leandra Leal, Lázaro Ramos, Dira Paes e Flávio Canto no Criança Esperança 2015 (Foto: Divulgação/TV Globo)

“Documento do WikiLeaks revela que a Globo repassou à Unesco apenas 10% do que arrecadou com o Criança Esperança. A Globo sonega R$ 600 milhões e usa as crianças pra te pedir dinheiro e aumentar as isenções de Imposto de Renda. Quer doar? Procure a Apae da sua cidade. Repassem aí. Quanto mais pessoas souberem disso, menos arrecadação a Globo vai ter.” – Corrente de WhatsApp com imagem do Movimento Brasil Consciente.

FalsoÀs vésperas do início do Criança Esperança, uma corrente circula pelo WhatsApp com a afirmação de que a Rede Globo repassa à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) apenas 10% do que arrecada com a campanha. A mensagem tem o objetivo de desestimular doações que, segundo o texto, ficariam quase que em sua totalidade com a emissora de TV. O texto traz ainda as acusações de que a Globo sonegou R$ 600 milhões e de que usa a iniciativa para obter mais isenções no Imposto de Renda.

Seriam essas acusações verdadeiras? O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – analisou o conteúdo da corrente, enviada por um leitor, e concluiu que a mensagem é falsa. A Globo não fica com 90% do dinheiro do Criança Esperança. Os valores doados também não servem para que a emissora aumente as suas isenções no Imposto de Renda. Também está errada a afirmação de que a Globo teria sonegado R$ 600 milhões à Receita Federal.

Corrente de WhatsApp com acusações contra a Globo.
Corrente de WhatsApp com acusações contra a Globo (Foto: Reprodução

A corrente traz o símbolo de uma página do Facebook, o Movimento Brasil Consciente. Uma busca revelou que a imagem foi publicada originalmente em 8 de agosto de 2014. O post afirma que a denúncia é do WikiLeaks, “conhecido internacionalmente por divulgar na internet informações sigilosas”. Em seguida, diz que a Globo nega as acusações, e inclui um link para uma reportagem feita em 2013 pelo portal R7 sobre o caso.

Não há qualquer tipo de informação de contato do Movimento Brasil Consciente na página, que também está desabilitada para receber mensagens. Com isso, não foi possível questioná-los sobre o texto. Na versão que circula pelo WhatsApp, foram incluídas ainda as frases “Repassem aí. Quanto mais pessoas souberem disso, menos arrecadação a Globo vai ter”. Não é possível determinar quem fez essa modificação.

A acusação envolvendo a Globo e o Criança Esperança vem de uma interpretação errada de uma das mensagens do Cablegate, um megavazamento de 251.287 documentos das embaixadas dos Estados Unidos em todo o mundo feito pelo WikiLeaks no início da década – um dos maiores e mais significativos da história do jornalismo. A Agência Pública foi uma das parceiras na divulgação do conteúdo e fez várias reportagens sobre o tema.

Um dos textos, publicado em 30 de junho de 2011, fala sobre uma suspeita de desvio de verbas no escritório da Unesco em Brasília. Vários dos documentos da diplomacia americana discutiam esse tema. Um deles, de 15 de setembro de 2006, diz que um dos principais assuntos sendo analisados é o manejo feito pelo escritório do dinheiro arrecadado pela TV Globo para o Criança Esperança. Segundo o texto, teriam sido obtidos US$ 40 milhões ao longo de 20 anos, dos quais a Unesco teria ficado com 10%, por conta de uma “taxa de serviço”. Não há, contudo, nenhuma acusação de irregularidade.

A assessoria de imprensa da Globo foi procurada e enviou links para respostas preparadas para desmentir este e outros boatos. Um deles traz uma nota divulgada na página do Criança Esperança, na qual a Unesco afirma que todas as doações obtidas caem diretamente em uma conta administrada pela organização. Logo, é falsa a afirmação de que 90% dos recursos ficam com a Globo. Em nota publicada em reportagem do portal R7, a emissora diz que sua parceria com a Unesco começou apenas em 2004 – isso significa que não ocorre há 20 anos, como alega o texto da correspondência diplomática.

A Unesco também rebate outra acusação feita na corrente, sobre o uso do dinheiro para obter isenção no pagamento de impostos. “Por se tratar de uma agência das Nações Unidas, doações para a Unesco não são dedutíveis no Imposto de Renda, que veta supressão de contribuições feitas a organismos internacionais”, diz o texto. “Dessa forma, é inverídica a suposição de que a Globo obtém benefícios fiscais com a campanha Criança Esperança. A Globo, assim como a Unesco, não se beneficia de qualquer recurso de abatimento fiscal em função do Criança Esperança.”

O número citado na corrente sobre sonegação de impostos pela Globo também está errado. A empresa foi multada em R$ 274 milhões pela Receita Federal em 2006, por conta de manobras contábeis feitas na aquisição dos direitos da Copa do Mundo de 2002. Segundo documentos do processo, a Globo devia R$ 183 milhões ao Imposto de Renda. As duas quantias somam R$ 457 milhões que, corrigidos até dezembro de 2006 pelo IPCA, seriam equivalentes a R$ 608 milhões. O valor, portanto, inclui tanto o imposto devido – R$ 365 milhões, corrigidos até 2006 – como a multa – R$ 243 milhões, em 2006. Em nota, a Globo afirma que o processo já foi encerrado e o débito, pago.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em entrevista coletiva, em junho

Bolsonaro não denunciou aumento de energia e gasolina

27 de setembro de 2017 | por

Mensagem falsa que circula no WhatsApp atribui a deputado federal alerta sobre reajustes que não vão acontecer

Mensagem afirma que embalagens plásticas podem liberar compostos tóxicos

Corrente falsa associa uso do plástico a 52 tipos de câncer

10 de outubro de 2017 | por

Texto compartilhado nas redes sociais afirma que, ao entrar em contato com o calor, material produz substâncias que causam a doença; especialistas contestam afirmação

TRE desaprova prestação de contas de Rosângela Moro, eleita deputada federal

9 de dezembro de 2022 | por

"Inconsistências graves" representam mais de 30% dos gastos de campanha, diz parecer da área técnica

Mais recentes

TRE desaprova prestação de contas de Rosângela Moro, eleita deputada federal

9 de dezembro de 2022 | por

"Inconsistências graves" representam mais de 30% dos gastos de campanha, diz parecer da área técnica

Suspeito de agredir mulher em ato contra Estatuto do Nascituro participa de atos golpistas

8 de dezembro de 2022 | por e

Alex Sandro Viana está entre os bolsonaristas acampados em frente a um quartel do Exército em Brasília

Doadores bancaram R$ 8 milhões para eleição de políticos da tropa de choque bolsonarista

7 de dezembro de 2022 | por

Mapeamos os principais doadores de 30 dos deputados federais do PL mais alinhados com o bolsonarismo