Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Brasil foi o local que mais recebeu escravos nas Américas

Ciro Gomes (PDT) acertou ao mencionar dado em plano de governo; número de desembarcados no país foi de 4,8 milhões

Checagem
22 de agosto de 2018
16:14
Este artigo tem mais de 5 ano
O candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) discursa durante evento: frase sobre escravidão, presente no plano de governo, está correta

“O Brasil é o país do continente americano que recebeu o maior fluxo de africanos escravizados entre os séculos 16 e 19.” – Ciro Gomes (PDT), no plano de governo “Diretrizes para uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento para o Brasil”, registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Verdadeiro

O Brasil foi a região que mais recebeu escravos no período de 1501 a 1900, como afirma Ciro Gomes (PDT). De acordo com o Banco de Dados do Comércio Transatlântico de Escravos (The Transatlantic Slave Trade Database, em inglês), 4,86 milhões de escravos foram desembarcados no território brasileiro nesse período – mais do que em qualquer outro destino. Como a fonte é a mais completa e confiável disponível sobre esse tema, o Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a afirmação como verdadeira.

O levantamento faz parte de uma iniciativa internacional de catalogação de dados sobre o tráfico de escravos que inclui, entre outras instituições, a Universidade Harvard e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). As estatísticas são citadas por pesquisadores brasileiros como Luiz Felipe de Alencastro. Em artigo publicado no livro Dicionário da Escravidão e Liberdade (Companhia das Letras, 2018), o historiador destaca a “reconhecida precisão do levantamento” e afirma que os dados oferecem “um panorama amplo e, em boa medida, definitivo do tráfico e do transporte transatlântico de africanos”.

Empreendido por governos e companhias mercantis, o comércio transatlântico de africanos escravizados deixou numerosos registros, que permitem estimar o total de escravos desembarcados. Segundo o banco de dados, entre 1501 e 1900 foram desembarcados 4,86 milhões de escravos no Brasil, mais que o dobro do que na segunda macrorregião que mais recebeu trabalhadores, o Caribe britânico, com 2,31 milhões de desembarcados. Já a América espanhola, que inclui Chile e Argentina, recebeu 1,29 milhão de escravos. O Caribe francês, que corresponde hoje a países como Haiti, Martinica e Guadalupe, recebeu 1,12 milhão. As colônias holandesas na América foram destino de 444.728 escravos africanos e a América do Norte continental, notadamente os Estados Unidos, recebeu 388.746 escravos no mesmo período. Completam a lista de macrorregiões a África (155.569 escravos desembarcados), as Antilhas dinamarquesas, que correspondem à atual Ilhas Virgens Americanas (108.998 escravos desembarcados), e a Europa (8.861).

Regiões onde foram desembarcados escravos entre os séculos 16 e 19
Macrorregiões onde foram desembarcados escravos entre os séculos 16 e 19

Documentos navais, portuários, fiscais e contábeis não incluem as rotas indiretas de tráfico. Assim, não são contabilizadas, por exemplo, as vendas de escravos do Brasil para o Caribe, por exemplo. Também são esparsos os números relativos aos séculos 16 e 17, segundo Alencastro. Há ainda fraudes em parte dos registros, como declarações de que o destino era o Brasil para pagamento mais baixo de impostos.

Apesar desses problemas, o pesquisador calcula que, globalmente as importações brasileiras correspondem a 46% do total de escravizados embarcados, o que já classifica o país como o maior receptor de africanos escravizados.

Um dos cálculos anteriores, adotado por vários historiadores até a divulgação do Banco de Dados do Comércio Transatlântico de Escravos, datava de 1949. Na época, o pesquisador Maurício Goulart calculou, em seu livro Escravidão Africana no Brasil, que o Brasil teria recebido 3,6 milhões de escravos. O número utilizado atualmente, de 4,86 milhões de africanos escravizados desembarcados no Brasil, catalogou cerca de 36 mil viagens entre 1502 e 1866 e mapeou um fluxo de 10,7 milhões de escravos em todo o mundo.

José Cruz/Agência Brasil
Bruno Fonseca

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Presidenciáveis erram ou omitem contexto sobre meio ambiente

Por , ,

Em 5 frases, Marina, Lula, Bolsonaro, Ciro e Alckmin citaram dados ligados a impactos do agronegócio, produção de energia limpa e baixa emissão de poluentes

Notas mais recentes

Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


8/1: Bolsonaristas debatem dia do preso político e abrem espaço para suspeitos de crimes


Quilombolas marcham até o Congresso e cobram rapidez na titulação de terras


Médico antiaborto vai representar CFM em audiência sobre violência contra mulheres


Delegado que investigou ex-assessor de Arthur Lira vira alvo da PF


Leia também

Presidenciáveis erram ou omitem contexto sobre meio ambiente


Em 5 frases dos candidatos, o que é certo e errado sobre educação


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes