Buscar
Nota

Catadores cobram reconhecimento por mitigar efeitos das mudanças climáticas

21 de dezembro de 2023
18:28

Depois de entregarem na posse a faixa presidencial a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por meio das mãos da catadora Aline Sousa, catadores de todo o país voltaram a se reunir em Brasília na 10ª Expocatadores. O evento discute as condições de trabalho da categoria, que sofre com a informalidade e com as mudanças climáticas. A campanha: “A conta tem que fechar, já!” dá o tom da principal reivindicação apresentada pelo grupo: o reconhecimento e a valorização dos serviços de coleta e reciclagem prestados aos municípios brasileiros. 

“Todas as prefeituras precisam reconhecer o nosso trabalho e nos pagar por quilo daquilo que a gente tira do meio ambiente”, defendeu, em entrevista à Agência Pública, o presidente da cooperativa Ação Reciclar, Antônio Almeida, mais conhecido como Toninho Catador. Segundo ele, a economia gerada para o município por cada quilo de material recuperado pelos catadores pode chegar a R$ 1, tendo em vista o gasto feito com o transporte e aterramento do lixo, além do valor da recuperação ambiental de gás carbônico. 

Nanci Darcolete, catadora que atua há mais de 30 anos em São Paulo e integra o grupo de incidência política do Pimp My Carroça, ressalta a importância da categoria para a “mitigação dos efeitos das mudanças climáticas”. “Quando a gente recicla e manda o material para a indústria, a gente faz um processo de economia circular e deixa de extrair matéria-prima. Então a reciclagem que a gente faz em São Paulo, por exemplo, pode ajudar a diminuir o desmatamento na Amazônia”, disse à Pública.

De acordo com uma publicação da rede de pesquisa Women in Informal Employment: Globalizing and Organizing (WIEGO), as catadoras e catadores são responsáveis pela redução de emissão de carbono em muitas cidades e sustentam a reciclagem de plástico. 

A pesquisa também afirma que a categoria recupera mais de 58% do plástico reciclado no Sul global. “Essas atividades melhoram o uso de recursos naturais, preservam e ampliam as áreas verdes, evitam enchentes e facilitam a circulação da água, removem os resíduos na fonte, facilitam sistemas de energia inovadores, como o biogás, e reduzem as emissões de gases de efeito estufa”, afirma o texto.

Demandas levadas ao governo 

Em janeiro deste ano, a catadora Aline Sousa foi responsável por entregar a faixa presidencial a Lula, durante a cerimônia de posse. Segundo ela, a entrega foi bastante simbólica e “um recado” para o mundo: “o povo é quem precisa da política pública, então nada mais justo do que construir isso junto”. Na avaliação dela, os catadores vinham de um cenário de invisibilidade e desvalorização nos últimos anos e voltaram a fazer parte do “cenário de reconstrução e desenvolvimento” com o novo governo.

Para apresentar suas demandas, representantes da categoria encontraram autoridades públicas nos últimos dias. Na última terça-feira (19), a catadora Nanci Darcolete se reuniu com Pagu Rodrigues, coordenadora-geral da secretaria de Prevenção de Violência Contra as Mulheres do Ministério das Mulheres. Na reunião foi abordada a inclusão dos catadores como população prioritária no Sistema Único de Saúde (SUS).

“A gente falou da inclusão da mulher catadora como público prioritário que sofre muita violência nas ruas e sofre também a agressão do próprio trabalho em si, do calor, do peso [dos materiais], da saúde”, contou à reportagem. Segundo ela, a coordenadora se comprometeu a abrir o diálogo para que as mulheres catadoras sejam incluídas como um público prioritário da secretaria, com a abertura de editais e programas específicos. 

Catadora Aline Sousa foi responsável por entregar a faixa presidencial a Lula, durante a cerimônia de posse em janeiro
Catadora Aline Sousa foi responsável por entregar a faixa presidencial a Lula, durante a cerimônia de posse em janeiro

O grupo também reivindica que os catadores sejam reconhecidos como prestadores de serviços das prefeituras, o que garantiria mais segurança e acesso a outros direitos como contribuição para a previdência, saúde, transporte e moradia. “A gente teria vários benefícios deixando essa informalidade total e se tornando um trabalhador como qualquer outra profissão”, defendeu na mesma linha Nanci Darcolete.

“Nosso trabalho é um serviço essencial à população previsto na Constituição Federal, que é o direito ao saneamento básico”, completou Aline Sousa.

A Expocatadores também contou com a presença de alguns ministros do governo, como Marina Silva, ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, que abordou o racismo ambiental. Já o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, comandado pelo ministro Sílvio Almeida, anunciou um repasse de mais de R$ 19,3 milhões para fortalecimento de cooperativas de materiais recicláveis e proteção da população em situação de rua. 

Na sexta (22), o presidente Lula participa da exposição, no encontro chamado Natal dos Catadores, uma agenda anual do político.

Edição:
Bianca Feifel/Agência Pública
Bianca Feifel/Agência Pública
Bianca Feifel/Agência Pública

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Governo e bancada feminina da Câmara tentam aprovar Política Nacional de Cuidados


Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes