Buscar
Nota

Rio Grande do Sul: De culpados a cheia intencional, inundação é tema de 4,3 mi de mentiras

16 de maio de 2024
19:18

O tema das inundações no Rio Grande do Sul dominou as redes sociais e motivou 7,7 milhões de publicações, que tiveram 71,1 milhões de engajamentos entre 7 e 13 de maio. Essa é uma das conclusões de um estudo produzido pelo Instituto Democracia em Xeque (DX), ao qual a Agência Pública teve acesso exclusivo. A organização aponta que 4,3 milhões de postagens envolviam desinformação, muitas delas repetidas ou compartilhadas, e renderam pelo menos 28 milhões de engajamentos O estudo atribuiu 75% das interações nesse tipo de conteúdo à extrema direita, cuja produção foi classificada como “contínua” e “massiva”.

O levantamento usou uma amostra de quase 2.500 publicações no Facebook, Instagram, YouTube, X (antigo Twitter) e TikTok para elencar as principais narrativas das mensagens contendo desinformação no período. 

Em geral, os conteúdos com dados falsos classificavam como incompetente o socorro prestado pelas Forças Armadas, abordavam a já desmentida recusa de ajuda do Uruguai pelo governo brasileiro, acusavam o Estado de ineficiência burocrática e de censurar críticos, além de manter um suposto conluio com os veículos de comunicação. Além disso, as postagens propagaram negacionismo climático e denunciavam suposto superfaturamento de purificadores de água, bem como a suposta apropriação de doações de voluntários pelo governo, o que também não se provou verdade.

O instituto fez também uso de amostras de cerca de 150 grupos do Telegram, em que se multiplicaram teorias conspiratórias, incluindo alegações falsas que sugeriam o uso de tecnologias de indução climática no episódio para justificar supostas medidas autoritárias em resposta à crise. A tecnologia em questão, do Programa de Pesquisa Ativa de Alta Frequência de Auroras (Haarp), desenvolvida pela Universidade de Alaska Fairbanks na década de 1990, não tem capacidade de manipular o clima e é usada para estudar ondas eletromagnéticas na atmosfera.

A ex-assessora especial da Secretaria Nacional para Direitos Digitais do Ministério da Justiça Estela Aranha ressaltou como em casos de tragédias “as comunidades se encontram mais vulneráveis, os indivíduos afetados e a população em geral experimentam nervosismo ou ansiedade e geralmente há escassez de informações de que precisam”. “Não é um fenômeno novo ou exclusivo do Brasil como vimos na epidemia da covid-19. Temos relatos que as notícias falsas interferiram nos esforços de resposta ao furacão Katrina [nos EUA]”, afirmou, reforçando o temor da descredibilização de autoridades em momentos de crise e como esse cenário pode impactar até mesmo as doações em socorro às vítimas.

O estudo avaliou que figuras do campo progressista assumiram a missão nas redes de combater conteúdos com desinformação. Um dos perfis com maior alcance e engajamento no período foi o do empresário e influenciador Felipe Neto, cuja ação de levar purificadores de água para o Rio Grande do Sul virou tema de conteúdos falsos ao longo da semana analisada. Em resposta à Pública, Neto afirmou que o comportamento durante a crise das inundações seria uma demonstração do funcionamento do discurso de ódio e da extrema direita.

“O interesse deles em me atacar é movido apenas para que pessoas não me validem como um ser humano digno. Para todo extremista, é fundamental desumanizar aqueles que não fazem parte do seu grupo, por isso me associam com pedofilia, satanismo, corrupção de menores e, agora, com roubo de dinheiro das doações. Para eles, o objetivo de destruir os inimigos políticos é muito maior que o de salvar vidas”, afirmou o influenciador.

Desastre e eleições

Para representantes do DX, o movimento percebido nas redes sociais de ataque ao Estado e às Forças Armadas tem como alvo maior as eleições municipais deste ano e as presidenciais de 2026, reavivando, desde já, o movimento de negação da política nascido em 2013, que teria ajudado a eleger o ex-presidente Jair Bolsonaro. “Toda essa narrativa do ‘povo pelo povo’ acaba tocando muito na questão de que, em muitas situações, as pessoas na linha de frente não veem o poder público porque não têm essa leitura ampla do Estado que não é só presidente e ministros, mas também bombeiros, policiais, Defesa Civil e postos de saúde etc”, avalia a diretora de projetos, Ana Julia Bernardi. 

Segundo o pesquisador associado do instituto Alexsander Dugno Chiodi, os militares supostamente teriam sido alvo de extremistas devido a um não engajamento integral na tentativa de golpe de Estado do dia 8 de janeiro de 2023. “Desde a CPMI do 8 de Janeiro, [e] as denúncias do Mauro Cid em relação ao governo passado, observamos vários expoentes da extrema direita se colocando contra o Exército e as Forças Armadas”, completa Chiodi.

Edição:

ELON MUSK é parça de Bolsonaro, Trump e benfeitor na Amazônia e no Rio Grande do Sul? Já se perguntou quais são as intenções de Elon Musk no Brasil? A Pública vai investigar os interesses e negócios do homem mais rico do mundo em nosso território. O magnata da tecnologia mundial promove desinformação e já é investigado por órgãos públicos em diversos países. O jornalismo independente da Pública pode trazer revelações inéditas sobre Elon Musk. Mas um trabalho desse tamanho só pode ser realizado com a ajuda de nossos leitores. Por isso precisamos de, pelo menos, 700 novos Aliados ao nosso lado nesta investigação, que vai render uma série de reportagens especiais.

Clique aqui e faça parte desta investigação!

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Palestrante aponta discriminação em voo da Azul enquanto ia a evento do MP sobre racismo


Brasil Paralelo mira geografia e ciências sociais após curso que desinforma sobre história


Projeto que pune aborto como homicídio é denunciado na Comissão Interamericana


PT quer ‘suavizar’ PL que equipara aborto a homicídio, mas texto ainda punirá mulheres


CPAC: Evento do instituto de Eduardo Bolsonaro tem patrocínio de apoiadora de ato golpista


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes