Narrativa aumentou nas redes no começo de outubro utilizando informação de divulgação proibida pelo TSE

11 de outubro de 2022
16:05

Para ganhar a eleição em 30 de outubro, Jair Bolsonaro (PL) precisa conquistar 368 mil votos por dia. A meta nunca foi alcançada: nenhum candidato que terminou o 1º turno em segundo lugar se elegeu como presidente do Brasil. Porém, os aliados do atual mandatário estão engajados e apostam que ligar o candidato de oposição, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao crime organizado pode ajudar a garantir uma eventual reeleição de Bolsonaro.

A Agência Pública analisou os posts que buscam vincular Lula às facções criminosas nas últimas semanas em redes como Facebook, YouTube, Twitter, Telegram e WhatsApp e identificou um aumento do uso dessa narrativa.

O próprio presidente tem auxiliado a divulgar informações falsas que buscam ligar seu oponente ao crime. Durante os primeiros dias de outubro, na primeira semana de campanha para o 2º turno, Jair Bolsonaro fez ao menos cinco tuítes que citavam as palavras “crime” e “Lula”. Para comparação, apenas um tuíte havia sido feito com as duas palavras nos 47 dias de campanha para o 1º turno e três nos 226 dias anteriores ao início da campanha eleitoral em 2022.

“É preciso estar atento aos sinais. O apoio maciço de presos e de chefe de facção ao Lula não é mera admiração. Eles sabem que o PT no poder representa vida boa para o crime. E essa é a fórmula perfeita para a violência voltar a crescer, porque bandido só respeita o que teme”, disse um dos posts desinformativos, feito em 8 de outubro. O tuíte chegou a 79.547 curtidas e 16.638 retuítes. Foi o mais retuitado com os termos “crime” ou “PCC” entre 2 e 10 de outubro.

O mesmo texto foi replicado na página oficial de Jair Bolsonaro no Facebook, onde foi acompanhado de um vídeo com o áudio supostamente de Marcola, chefe da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), dizendo que prefere Lula à Bolsonaro. O conteúdo chegou a 894 mil visualizações, 67,4 mil curtidas e 10 mil comentários.

Bolsonaro associa Lula ao PCC em publicação no Twitter

O áudio publicado pelo presidente havia sido vazado às vésperas da votação do 1º turno. Naquele final de semana, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, ordenou que as informações fossem retiradas do ar por serem desinformativas. Quando foram excluídos do YouTube, vídeos da Jovem Pan sobre o tema já somavam mais de 1.7 milhão de views, de acordo com matéria feita pelo Aos Fatos e Núcleo Jornalismo em parceria com a Pública.

Na decisão, Moraes argumentou que “a divulgação de fato sabidamente inverídico, com grave descontextualização e aparente finalidade de vincular a figura do pré-candidato a organização criminosa, indicando suposto apoio explícito do PCC à sua campanha, parece suficiente a configurar propaganda eleitoral negativa”. Contas como a do senador Flávio Bolsonaro (PL) e a da deputada federal Carla Zambelli (PL) deveriam apagar o conteúdo.

Ainda assim, o áudio continua circulando — inclusive a partir das contas do próprio presidente.

Em retorno à reportagem, o Twitter afirmou que tem cumprido com as ordens advindas do TSE e que “deu o devido cumprimento à decisão judicial em questão, que não inclui o Tweet enviado pela reportagem [tuíte em que Jair Bolsonaro compartilhou o áudio de Marcola]”. “O referido Tweet não fere as regras do Twitter, que não preveem atuação em conteúdos como declarações polarizadas sobre candidatos, partidos e seus apoiadores. Casos dessa natureza são matéria para o Judiciário”, acrescentou.

A Pública também questionou o TSE sobre a circulação de conteúdos com informações que já foram barradas pelo tribunal, além de todas as outras redes citadas, mas eles não retornaram.

Aumento de menções

No Facebook, os dois posts com maior número de interações com a palavra-chave “crime organizado” entre 2 e 10 de outubro sustentam a narrativa de que Lula estaria sendo apoiado pelo crime, que veria em Bolsonaro um empecilho à ilegalidade. Um deles foi feito por Bolsonaro e o outro, pelo deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP).

Publicação de deputado sobre crime organizado está entre as com mais interações no Facebook

“No caminho de Lula o crime organizado cresceu e se fortaleceu monstruosamente. A legalização das drogas, que destroem famílias e que fazem pais e mães enterrarem seus filhos, é uma questão de tempo. No caminho de Bolsonaro, recorde de apreensão de drogas e prejuízos ao tráfico”, disse Bolsonaro no post com mais interações do recorte analisado, 196 mil. O programa de governo do PT não prevê a legalização das drogas.

Os dois dias com maior número de interações em posts com a palavra-chave no Facebook foram 4 e 7 de outubro, com um total 198,6 mil e 146,6 mil interações, respectivamente. A semana entre 2 e 8 de outubro representou o ápice de interações nos últimos 30 dias sobre o tema, com 368,1 mil — o segundo recorde se deu entre 17 e 23 de julho, com 298,8 mil interações.

No YouTube, dados da consultoria Novelo Data indicam que os ápices de vídeos que citavam “Marcola” e “PCC” nos primeiros dez dias de outubro se deram nos dias 7 e 8, quando foram registrados ao menos 91 e 112 ocorrências. Um dos vídeos do levantamento afirma que “O CÁRCERE OBEDECEU MARCOLA E VOTOU MONOLITICAMENTE EM LULA”, em caixa alta do original. Foi publicado pelo canal RISTALVOX Leudo Costa em 10 de outubro e alcançou 3.829 visualizações, 63 curtidas e 46 comentários.

Já no Telegram, o ápice de menções às palavras “crime” e “Lula” nos últimos 30 dias se deu em 6 de outubro, quando os termos foram citados em ao menos 93 mensagens — no dia 17 de setembro apareceram em 85, segundo maior número. Os dados são da base mantida pelo Sentinela Eleitoral, da Agência Pública.

Os números do projeto Eleições Sem Fake, da Universidade Federal de Minas Gerais, seguem na mesma linha. Relatório sobre citações ao crime organizado no Telegram indica que a prevalência do tema nos grupos chegou ao ápice na primeira semana de outubro. Foram analisadas as mensagens e mídias enviadas entre o início da campanha, em 16 de agosto, e o dia 10 deste mês. No total, o projeto monitorou 63 grupos ativos, somando um conjunto de 370 mensagens enviadas por 159 usuários.

A mensagem mais compartilhada da amostra dizia que o governo Bolsonaro teria levado a um “prejuízo de R$ 30,7 bilhões ao crime organizado, incluindo tráfico de drogas”. A mensagem foi identificada pela primeira vez logo no início da campanha eleitoral, em 19 de agosto, e apareceu ao menos 14 vezes em dez grupos na rede.

Já a terceira corrente mais compartilhada apareceu pela primeira vez no dia seguinte à votação e traz parte do discurso replicado em busca da reeleição de Bolsonaro. O texto traz 14 orientações para garantir a virada no resultado: “AMIGOS POR FAVOR REPLIQUEM Vamos formar opinião e não, simplesmente, repassar mensagens viralizadas ou requentadas”.

Uma delas é “manter vivas as denúncias incontestáveis”, como os “vínculos [do PT] com o crime organizado (áudios do Marcola)”. A mensagem apareceu 12 vezes em oito grupos distintos monitorados pelo projeto, enviada por oito usuários.

No WhatsApp essa foi a mensagem mais compartilhada entre 16 de agosto e 7 de outubro: foi enviada 26 vezes por 24 usuários distintos e apareceu em 23 grupos, de acordo com dados do Eleições Sem Fake na rede.

Metade das 12 imagens mais compartilhadas da amostra no Telegram também aborda o tema e ao menos quatro citam o áudio de Marcola, cuja reprodução foi proibida pelo TSE. Também foi compartilhada a mentira que afirma que Alexandre de Moraes foi advogado do PCC. No WhatsApp, ao menos cinco das 12 mensagens mais compartilhadas buscam ligar o PT ao crime organizado.

Após a publicação da reportagem, o WhatsApp disse que “as conversas trocadas em grupos específicos não representam a totalidade das conversas dos usuários brasileiros ou a forma pela qual o WhatsApp é majoritariamente utilizado no país”.

A rede também afirmou que “recomenda que comportamentos inapropriados, além de conteúdos ofensivos e ilegais, sejam denunciados às autoridades competentes” e disse que tem colaborado com a justiça eleitoral e mantido ferramenta que leva informações confiáveis para os eleitores — 85,7 milhões de mensagens já teriam sido envidas. Por fim, disse que está aprimorando seu funcionamento para “conter viralidade” e “resguardar a integridade do processo eleitoral no Brasil”. Confira na íntegra.

Vídeos falsos

Outra estratégia que está sendo utilizada pelos apoiadores do presidente é a divulgação de vídeos que mostrariam pessoas em privação de liberdade comemorando o resultado do 1º turno. Os vídeos são falsos, como já checou a Agência Lupa .

Essa foi a estratégia utilizada pelo perfil Paulo Sant’ana – Rio Preto, cujo vídeo ultrapassou 1.11 milhão de visualizações no Facebook. Na gravação, o dono do perfil simula uma conversa com Lula utilizando imagens que se repetem e dão a impressão de que o ex-presidente estaria ouvindo as afirmações sem responder. Sant’ana mostra as imagens falsas dos detentos supostamente comemorando os resultados da eleição e cenas violentas de roubos armados para insinuar que “Lula defende o crime”.

O dono do perfil diz na postagem ter checado as informações “junto a amigos meus que trabalham em presídios” e todos teriam confirmado a veracidade das informações. “Te pergunto Lula, por que essas pessoas te idolatram tanto? Presidiários que cometeram algum tipo de crime e estão pagando?”, questiona. O Facebook identificou o vídeo como “sem contexto” e alertou que a “informação pode enganar as pessoas”.

Publicação do perfil de Paulo Sant’Anna questiona: “Lula e Haddad, vocês são defensores do crime?”

Na avaliação da campanha do petista, as informações são mentirosas e demonstram “preconceito de classe”. A campanha acionou quatro vezes o TSE para pedir a retirada desse tipo de conteúdo.

Os influenciadores bolsonaristas também têm compartilhado conteúdos que indicam que houve uma votação pró-Lula em alguns presídios como uma suposta prova de que o crime organizado estaria apoiando o candidato. Um dos vídeos com mais interações sobre o tema foi publicado no YouTube e Facebook por Gustavo Gayer (PL-GO), influenciador e deputado federal eleito por Goiás no último pleito.

De acordo com levantamento da consultoria Novelo Data, o vídeo se disseminou rapidamente durante a primeira hora de sua publicação. Hoje tem mais de 68 mil visualizações e 19 mil curtidas no YouTube, além de 59 mil views, 7,5 mil likes e mais de 600 comentários no Facebook.

“Uma coisa que o PT não quer que seja divulgada é em quem os presidiários estão votando, quem os ladrões estão votando, quem os ladrões, os bandidos, quem as piores pessoas do Brasil estão votando”, diz Gayer, que pede para as pessoas baixarem o vídeo para divulgar em outras redes.

O discurso que busca ligar Lula ao crime não é novo no bolsonarismo, mas a apuração da Pública indica que houve um crescimento no uso da narrativa nos últimos dias.

Ainda em março de 2021, checadores de fatos tiveram que desmentir outro vídeo que mostrava pessoas privadas de liberdade supostamente comemorando a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, que anulou as condenações do ex-presidente.

O mesmo conteúdo já checado foi divulgado novamente na última semana, dessa vez como se os detentos estivessem comemorando os resultados do último domingo de votação.

*Colaborou: Matheus Santino

*Atualização às 16:50 de 11/10/2022: Inserimos o retorno do Twitter.

*Atualização às 10:36 de 13/10/2022: Inserimos o retorno do WhatsApp.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Reprodução
Reprodução
Reprodução