Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Morro da Providência sofre desocupações compulsórias para sediar projeto Porto Maravilha, com teleférico e plano inclinado para gringo ver

24 de janeiro de 2012
Especial: Copa Pública

No site da prefeitura do Rio de Janeiro, em letras garrafais, a manchete anuncia: “Condomínio da Providência livra famílias de áreas de risco”.

O texto segue o tom publicitário, prevendo um futuro melhor para as 119 famílias moradoras das comunidades de Pedra Lisa e Providência, que se inicia no primeiro semestre de 2012, quando elas trocarão suas casas “atualmente em situação de risco” por pequenos apartamentos em outras regiões.

Mas, já na primeira explicação, o engenheiro da Secretaria Municipal de Habitação, Glauco Campos, escorrega: “Essas unidades vão receber as famílias que estão sendo tiradas da comunidade por estarem em área de risco ou por conta de alguma outra obra nossa. Isso aqui é fundamental (para o projeto). Porque, se a gente não puder oferecer novas unidades, não tem como retirá-los dos locais onde vão acontecer as obras”.

Ou seja, a intenção real do projeto não é proteger a comunidade mais antiga do Rio – foi a partir de uma vegetação que crescia ali, a “favela”, que o termo foi popularizado – e que já está sendo removida à força.  A questão é abrir espaço para as obras do Porto Maravilha projeto ambicioso da prefeitura em parceria com empreiteiras privadas que prevê, dentre outras coisas, um teleférico, um plano inclinado, e outras “melhorias” para gringo ver, quando os megaeventos chegarem.

Não vamos sair

A violência contra a população da Providência – que em 2010 recebeu a primeira UPP -, está documentada em um vídeo produzido pela Anistia Internacional, que traz depoimentos como o da moradora Rosete Marinho, afirmando que a comunidade não vai sair “só porque querem construir o Porto Maravilha” e tirar as “casas feias” da favela.

Os moradores também denunciam que suas casas são marcadas para demolição sem nenhum aviso.

Cada vez que um morador se rende à pressão da prefeitura e sua casa é demolida, as casas ao redor têm suas estruturas abaladas. É isso que estaria provocando a situação de risco, usada como pretexto para a prefeitura desalojá-los.

Aos que resolvem sair, é oferecido apenas um aluguel social de R$ 450, sem indenizá-los pela construção.

O número de famílias a ser removidas também é bem maior do que o anunciado no site da prefeitura: segundo engenheiros voluntários do CREA-RJ, ao menos 832 famílias devem ser desalojadas para a implantação do projeto.

Segundo o parecer técnico dos engenheiros, realizado nas Comunidades da Providência e Pedra Lisa, e divulgado pelo Fórum Comunitário do Porto que você pode ler na íntegra AQUI,“há inúmeros indicadores que demonstram que as necessidades dos moradores dessas duas comunidades ficaram relegadas no projeto de urbanização, o que se explica pelo fato de esse projeto, como todas as intervenções previstas na região da Zona Portuária, envolver interesses especulativos de grandes grupos privados, fazendo parte de um “pacote” que, sob o eufemismo da “revitalização”, pretende abrir novas fronteiras para o lucro privado, utilizando-se, para tanto, de fartos recursos públicos, além da apropriação de imóveis públicos que correspondem a 70% dos terrenos vazios existentes nessa região”.

Veja o vídeo:

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Paraguai: domésticas valem menos

19 de março de 2015 | por

Congresso do país vizinho determina salário 40% menor para empregadas domésticas no país

2º Concurso de Microbolsas – Perguntas Frequentes

11 de março de 2013 | por

Preparamos uma seleção com perguntas e respostas recorrentes sobre o Concurso de Microbolsas da Pública.

No Pará, famílias expulsas pela Vale agora brigam contra a Hydro

15 de agosto de 2018 | por

Para apostar na agricultura tradicional, comunidade do Tauá enfrentou a vigilância de drones, destruição das casas e poluição tóxica

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar