Este livro conta a história do semanário Movimento, que circulou entre 1975 e 1981. Um jornal sem patrão, tocado pelos próprios jornalistas, que venceu a censura e promoveu a democracia em plena ditadura. Autores: Carlos Azevedo, Marina Amaral e Natalia Viana

Este livro conta a história do semanário Movimento, que circulou entre 1975 e 1981. Um jornal sem patrão, tocado pelos próprios jornalistas, que venceu a censura e promoveu a democracia em plena ditadura. Autores: Carlos Azevedo, Marina Amaral e Natalia Viana

15 de dezembro de 2011
19:11
Este texto foi publicado há mais de 8 anos.

Mais recentes

Vitória da direita tradicional pode dar novo corpo ao Bolsonarismo, avalia cientista política

1 de dezembro de 2020 | por

Flávia Biroli diz que apesar do fracasso do presidente em emplacar candidatos, partidos com mais eleitos fortaleceram a base do governo

Dia de Doar: a Pública se junta a organizações de todo o país para chamar leitores a apoiar o jornalismo

1 de dezembro de 2020 | por

Ação conjunta de veículos digitais visa arrecadar recursos para investir no jornalismo e na democracia

O ano em que o WikiLeaks mudou o mundo

30 de novembro de 2020 | por

Há 10 anos era publicado o Cablegate, o maior vazamento da história do jornalismo. A codiretora da Agência Pública, Natalia Viana, conta como foi trabalhar com o Wikileaks