Entra no ar a Ponte, um novo canal sobre Segurança Pública e direitos humanos, com apoio da agência Pública

Entra no ar a Ponte, um novo canal sobre Segurança Pública e direitos humanos, com apoio da agência Pública

17 de junho de 2014
10:56
Este texto foi publicado há mais de 8 anos.

Difundir o jornalismo de qualidade pautado pelo interesse público é a missão da agência Pública desde sua fundação, em 2011. É também esse princípio que move a nossa primeira iniciativa como incubadora de um projeto de jornalismo independente: o site A Ponte, dedicado à segurança pública, direitos humanos e justiça, idealizado por nós e grandes repórteres da área, como André Caramante, Bruno Paes Manso e Laura Capriglione.

No manifesto de lançamento desse novo canal de informação estão expressas as convicções que fundam o projeto:

–          “é inadmissível que a população tenha (com razão tantas vezes) pavor da tropa policial;

–          “é inaceitável as cadeias e presídios consumirem orçamentos bilionários para impor aos apenados tortura, dor, sofrimento e morte;

–          “ é incompatível com uma sociedade moderna um Judiciário frequentemente tão injusto: vingativo contra os pobres e oprimidos; leniente com os privilegiados”.

E é essa realidade que a Ponte pretende expor e combater, rompendo “com a visão – presente tanto no jornalismo como nas políticas de segurança pública – que privilegia o centro sobre a periferia e o asfalto sobre o morro -, produzindo“reportagens que honrem a verdade”, com “independência absoluta, honestidade e autocrítica”.

O papel da Pública como incubadora do projeto é o de estruturar a iniciativa do ponto de vista institucional, contribuindo com a experiência acumulada nesses anos para consolidar e comunicar esse lançamento tão importante para o jornalismo brasileiro – tanto do ponto de vista da investigação desses temas urgentes e de interesse da população como da criação de mais um pólo de jornalismo independente, tendo os repórteres como protagonistas.

Do ponto de vista editorial, as diretoras da Pública, Marina Amaral e Natalia Viana, participam como jornalistas que compõem o conselho que define pautas, e outros conteúdos de publicação, sempre dentro do maior rigor técnico e ético que constituem um patrimônio comum.

Para todos os nossos amigos, colaboradores e leitores desejamos que aproveitem essa iniciativa que promete trazer grandes e importantes reportagens, e que nos ajudem a divulgá-la para que essa nova visão de segurança pública e justiça se espalhe pelo país e norteie outras políticas públicas, outras reações da sociedade, e – por que não? – novas maneiras de fazer jornalismo.

Conheça a Ponte

Leia aqui  mais sobre a nova iniciativa.

[relacionados]

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal