Buscar

Em meio a crise hídrica, obras descumprem prazos

Da Redação
13 de agosto de 2014
12:00
Este artigo tem mais de 9 ano

Em fevereiro a reportagem “Transposição: via de mão única” foi publicada no site da Agência Pública trazendo o mês de dezembro de 2015 como prazo do governo para a conclusão do Projeto de Transposição do Rio São Francisco, o Pisf. O Ministério da Integração declarou que em abril de 2014 a primeira meta do Eixo Leste estaria pronta. Essa meta vai da captação da água no reservatório de Itaparica até o reservatório de Areias em uma extensão de 16 quilômetros, ou seja, 7,37% do total do Eixo Leste que tem 217 quilômetros. Ela serviria como um teste para o funcionamento do sistema. Seria uma grande festa de inauguração.

Abril chegou e se foi, assim como maio, junho e julho, quando a atualização do MI sobre o andamento das obras era de 88,9% nesse trecho. Em resumo, números demais para concluir simplesmente que a obra está atrasada. O prazo de abril deste ano foi informado durante a apuração da matéria feita entre novembro (2013) e janeiro (2014). Naquela época o trecho estava com 85,5% de conclusão.

Em conversas com técnicos no Eixo Leste, em dezembro de 2013, um deles confessou que o empreendimento não estaria pronto em 2016. Esta não é a informação oficial do governo, mas vem da boca de quem está no canteiro de obras. Por que o governo não divulga prazos exequíveis? Por que teima em sustentar que as águas chegarão aos destinos finais do Pisf até o final do ano que vem? (Lembre-se que os destinos finais deste projeto são Monteiro e Cajazeiras, ambos na Paraíba).

O informante disse ainda que no caso de estarem totalmente concluídas as obras, entre reservatórios, túneis e canais, as águas demorariam mais ou menos três anos para chegarem do São Francisco até o reservatório de Poções, em Monteiro. Esse será o tempo necessário para encher cada um dos oito reservatórios no percurso até Monteiro, contando com a vazão de água prevista no projeto com mínima de 7 metros cúbicos por segundo e máxima de 29. Quer dizer, o sertanejo que espera ansioso pelas águas continuará vivendo de miragens.

Enquanto isso, o inverno na Caatinga vem chegando ao fim sem que a chuva tenha alcançado as médias de precipitação. Em alguns municípios no sertão paraibano a umidade do ar chega a 25%, como em Patos, quando o normal para esse período é de 60%. (Dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos – CPTEC). Este é considerado um “estado de atenção”. Os dois açudes que abastecem o município estão com 22% (em junho) e 34% (em julho) do volume total. (Agência Executiva de Gestão das Águas – Aesa-PB). Patos é uma cidade polo do Sertão na Paraíba, com mais de 100 mil habitantes e reflete a situação dos municípios do Sertão.

O reservatório Engenheiro Ávidos, em Cajazeiras, destino final das águas do São Francisco pelo Eixo Norte, estava com 12,5% da capacidade em julho, e baixando. As queimadas que normalmente acontecem com mais intensidade entre setembro e dezembro estão ocorrendo agora, início de agosto. O Instituto de Pesquisa Espaciais (Inpe) registrou 119 focos de incêndio na Paraíba, duas vezes mais do que no ano passado, no mesmo mês. Os meteorologistas afirmaram que a tendência é a umidade do ar baixar ainda mais no sertão, onde a temperatura poderá alcançar 40 graus neste mês de agosto.

O ministro da Integração Francisco Teixeira, inspecionou as obras do Pisf dia 7 de agosto e disse na Paraíba que até o final do ano 70% das obras estariam prontas.

Conversamos com dezenas de pessoas entre Floresta, em Pernambuco, até Monteiro, na Paraíba, durante a viagem pelas obras da transposição, em dezembro de 2013 e nenhum sertanejo demonstrou perder a esperança de, algum dia, receber água. Já foram investidos R$ 5 bilhões pelo governo federal até agora e mais R$ 3,2 deverão ser gastos. Entretanto, quem saberá dizer quando as águas finalmente chegarão às casas do sertão?

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Leia também

Transposição do rio São Francisco: via de mão única

Por

Na primeira matéria do projeto Reportagem Pública, a repórter viaja ao Eixo Leste – e mostra como a população está sendo afetada pelas obras

Na Contramão da Transposição

Por

Na Paraíba, as águas limpas da transposição do rio São Francisco vão se misturar a águas poluídas por esgotos sem tratamento de diversos municípios

Notas mais recentes

MPF apura denúncia de que bancos de sangue privados jogam doações de plasma em lixões


O que está em jogo na volta dos trabalhos no Congresso


Emissão de licenças ambientais cai 65% com protesto do Ibama por melhoria da carreira


Ataques com uso da Justiça crescem enquanto agressões a jornalistas caem no pós-Bolsonaro


Fiocruz condena lobby dos vapes pela indústria do tabaco, revelado pela Pública


Leia também

Transposição do rio São Francisco: via de mão única


Na Contramão da Transposição


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes