Agência de Jornalismo Investigativo

De Itaituba (PA) acompanhamos a ocupação dos Munduruku à sede da Funai. Eles exigem a demarcação das suas terras, ameaçadas pela UHE São Luiz do Tapajós

29 de novembro de 2014

Nesta sexta-feira, indígenas Munduruku ocuparam durante sete horas o prédio da Funai na cidade de Itaituba, no oeste do Pará, impedindo a saída de funcionários, para exigir a demarcação da terra Sawré Muybu. A área é de ocupação centenária e já foi indicada para demarcação por técnicos da Funai, mas o processo está parado em Brasília. O relatório que identifica e reconhece a área como território tradicional está pronto há mais de um ano, mas nunca foi publicado pelo órgão federal.

Na área existem três aldeias que serão alagadas pela usina hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, cujos estudos de impacto ambiental estão em análise. Como a Constituição veda a remoção de indígenas, a demarcação da área inviabiliza a construção da usina. Os Munduruku pedem a publicação do Relatório Circunstanciado que identifica e recomenda a imediata demarcação da área.

Indígena Munduruku em frente à Funai em Itaituba. Foto: Marcio Isensee e Sá
Indígena Munduruku em frente à Funai em Itaituba. Foto: Marcio Isensee e Sá

Na ausência de manifestação da Funai, em outubro os Munduruku decidiram iniciar a demarcação de seu território por conta própria. Quatro quilômetros já foram abertos na mata. A ocupação do prédio da Funai foi feita depois que os indígenas acharam mais de 300 garimpeiros explorando as fronteiras de seu território em um local considerado sagrado para eles. Os garimpeiros disseram que só vão sair depois que a área for demarcada.

“Queremos que Brasília demarque logo nossa terra porque nós sabemos cuidar dela muito melhor que o Ibama ou ICMBio”, disse o cacique Juarez Saw Munduruku, ao que foi saudado por cerca de 40 indígenas com os gritos de “Sawe” – o que, na tradição Munduruku, é o equivalente a aplausos.

Funai_1Flávio Azevedo, presidente interino da Funai, tarquia, sugeriu que os Munduruku fossem a Brasília para fazer uma reunião e conhecê-lo, já que ele ocupa o cargo há pouco mais de um mês.

“Não adianta nada, a gente já foi lá várias vezes. Se for para ouvir a mesma conversa que depende do ICMBio e de outros, a gente não vai”, disse o cacique Juarez Saw Munduruku, da aldeia Sawré Muybu. Juarez já foi para Brasília e fez reuniões com a ex-presidente interina da Funai Maria Augusta Assirati, que havia prometido aos Munduruku publicar o relatório. Mas ela deixou a presidência em setembro desse ano sem cumprir a promessa.

Sem um indicativo de que o governo daria uma resposta, os Munduruku decidiram no fim da tarde  deixar o prédio ocupado para voltar à autodemarcação.

Mas eles temem que essa atividade gere a retaliação dos garimpeiros e madeireiros que já invadiram as fronteiras de seu território. “Se nós entrarmos em conflito com os invasores, o governo vai ter que se responsabilizar”, disse Maria Leusa Cosme Kaba, representante das mulheres do movimento Munduruku Iperêg Ayû.

A Agência Pública está no Tapajós acompanhando a disputa por uma das últimas fronteiras hidrelétricas da Amazônia. Em breve, mais uma reportagem investigativa. Aguardem!

Fotos: Marcio Isensee e Sá

[huge_it_gallery id=”2″]

 

Mais recentes

Prorrogado o prazo de inscrições para as Microbolsas Fome

21 de setembro de 2018 | por

Agência Pública e Oxfam Brasil vão receber propostas de pauta sobre fome no país até dia 30 de setembro; quatro repórteres serão selecionados para receber a bolsa de R$ 7 mil e mentoria da Pública

Quem matou e quem mandou matar Jairo de Sousa?

21 de setembro de 2018 | por

A morte do radialista é o segundo caso investigado pela equipe da Abraji dentro do Programa Tim Lopes

Semanalmente, juízes do Supremo decidem sozinhos sobre aplicação da Constituição

20 de setembro de 2018 | por

Julgamentos individuais sobre a adequação de leis e normas à Constituição ocorreram 73 vezes em 2017 e 2018 – o que contraria a própria Carta Magna, segundo especialistas

Truco!

Arruda promete que menos imposto reduz preço do gás, mas repasse do desconto é incerto

21 de setembro de 2018

Redução do ICMS não garante que o custo ao consumidor irá cair na mesma proporção, pois atravessadores podem aumentar margens de lucro

Helder Barbalho diz que construiu o estádio municipal de Ananindeua, mas a obra nunca foi concluída

21 de setembro de 2018

Em visita ao local em que teria sido construída a praça esportiva, na periferia de Ananindeua, o Truco nos Estados concluiu: o estádio citado por Helder nunca existiu.

Correto: Adalclever Lopes foi eleito presidente da Assembleia por unanimidade em duas ocasiões

21 de setembro de 2018

Em 2015, ele era o candidato de uma chapa única e, na reeleição em 2016, também foi o único a pleitear a presidência da casa

Explore também

Diplomacia usou Obama para melhorar imagem dos EUA entre os brasileiros

6 de julho de 2011 | por

Durante 2009 diplomatas americanos realizaram palestras sobre o recém eleito Barack Obama para sensibilizar brasileiros em relação a imagem dos EUA

Análise: As ligações do HSBC com o regime de Gaddafi na Líbia

1 de junho de 2011 | por

Documento revela os altos investimentos do governo Líbio, ao no valor de cerca de $ 56 bilhões de dólares, que eram feitos através do banco HSBC.

O "inquérito do Black Bloc"

28 de fevereiro de 2014 | por , , e

Conheça a história do inquérito 01/2013, do Deic, em São Paulo, que já intimou 300 pessoas para depor e busca enquadrar o Black Bloc como associação criminosa