Agência de Jornalismo Investigativo

“O mundo todo utiliza carvão mineral para 41% da geração elétrica; e o Brasil, menos de 2%. Então, nós temos espaço [para crescer].” – Afonso Hamm (PP-RS), deputado federal, durante evento em que foi reinstalada a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Carvão Mineral, na terça-feira (25)

28 de agosto de 2015
Alerta! Perigo!
Alerta! Perigo!

A frente parlamentar liderada pelo deputado Afonso Hamm vai na contramão dos últimos estudos sobre aquecimento global. Para tentar evitar um aumento da temperatura do planeta, muitos países têm buscado reduzir as emissões de carbono. A ideia é trocar combustíveis fósseis, como o carvão mineral, por fontes alternativas.

O último Relatório de Avaliação do Clima, elaborado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), aponta um aumento nas emissões de gases do efeito estufa entre 2000 e 2010, ocasionado pelo crescimento do uso de carvão para geração de energia. O relatório constata que, caso as emissões de gases do efeito estufa continuem com a mesma intensidade, a temperatura no planeta pode aumentar até 4,8º Celsius até o fim do século.

Os reflexos da intensidade do aquecimento global podem ser observados com o derretimento das geleiras e aumento do nível do mar, além das secas mais prolongadas. A recomendação é de investimento em energias com pouco ou sem carbono – o que não é o caso do carvão.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o uso de carvão para geração de energia elétrica representou 39,2% da matriz elétrica no mundo todo, em 2014. No Brasil, o carvão mineral representa 2,4% da potência de geração elétrica instalada. A maior parte da potência energética é hidráulica (68%). Aqui, a participação de fontes renováveis de energia é próxima de 80%, enquanto a média mundial é de 20%, segundo o MME. Ainda assim, o uso do carvão mineral para geração de energia aumentou em 2013 e 2014 pela falta de chuvas e pelo aumento na capacidade instalada a carvão. Até 2012, a tendência era de queda na geração de energia por carvão mineral.

As maiores reservas de carvão mineral se encontram na Europa, Eurásia e América do Norte. A China é a maior produtora e consumidora de carvão no mundo, seguida pelos Estados Unidos, como aponta o Relatório Estatístico Global de Energia da BP, com dados referentes a 2014. Os dois países também são os principais responsáveis pela emissão de dióxido de carbono, emitido na queima do carvão mineral. Esse gás é um dos principais agravadores do efeito estufa e também do aumento do aquecimento global.

O Serviço Geológico do Brasil, empresa pública de pesquisa mineral, aponta que 89,25% das reservas de carvão mineral estão no Rio Grande do Sul, o mesmo estado do deputado Hamm. Em uma única jazida, a de Candiota (RS), pode-se encontrar 38% de todo o carvão nacional.

Entre os doadores da campanha que elegeram o parlamentar para seu atual mandato estão a Tractebel Energia, do grupo GDF Suez, que doou R$ 40 mil e opera diversas usinas hidrelétricas e três termelétricas; a Indústria Carbonífera Rio Deserto, que doou R$ 43 mil; e a Carbonífera Criciúma, que doou R$ 27 mil. No início de agosto, Hamm esteve em Candiota (RS) e visitou o escritório da Tractebel Energia, responsável pela implantação da Usina Termelétrica Pampa Sul no município.

Mais recentes

Marina Silva participa de evento da CNA, em agosto de 2018: não há estudos que confirmem dado citado pela candidata

Marina Silva usa dado inexistente sobre leitos ociosos no SUS

20 de setembro de 2018 | por

Candidata da REDE afirma que taxa de ociosidade no sistema é de 50%, mas ministério não possui estatística nacional

Geraldo Alckmin (PSDB) discursa durante o evento da União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs), em agosto: total de homicídios em SP superou o de cidades americanas citadas

Com dado discutível, Alckmin diz que homicídios em Washington e Chicago superam SP

19 de setembro de 2018 | por

Candidato fez comparação para tentar mostrar seu bom desempenho na área de segurança, mas frase pode ser interpretada de duas maneiras

Comemoração do Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes na Câmara dos Deputados, em 2016: dados sobre essa parcela da população foram exagerados pelo candidato

Eymael exagera dado sobre crianças e jovens com deficiência

18 de setembro de 2018 | por

Levantamentos do IBGE mostram que parcela dos brasileiros nessa condição é menor do que o porcentual citado pelo candidato

Truco!

Arruda promete que menos imposto reduz preço do gás, mas repasse do desconto é incerto

21 de setembro de 2018

Redução do ICMS não garante que o custo ao consumidor irá cair na mesma proporção, pois atravessadores podem aumentar margens de lucro

Helder Barbalho diz que construiu o estádio municipal de Ananindeua, mas a obra nunca foi concluída

21 de setembro de 2018

Em visita ao local em que teria sido construída a praça esportiva, na periferia de Ananindeua, o Truco nos Estados concluiu: o estádio citado por Helder nunca existiu.

Correto: Adalclever Lopes foi eleito presidente da Assembleia por unanimidade em duas ocasiões

21 de setembro de 2018

Em 2015, ele era o candidato de uma chapa única e, na reeleição em 2016, também foi o único a pleitear a presidência da casa

Explore também

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles quer disputar a Presidência: em pesquisa, tem 1% das intenções de voto

Meirelles defende governo Temer com dados falsos e distorção

23 de maio de 2018 | por , , e

Pré-candidato do MDB cita números errados sobre inflação e desemprego, mas acerta peso da Previdência na dívida pública

Reforma da Previdência: existe rombo na seguridade social?

20 de abril de 2017 | por

Verificamos a afirmação de que as contas do sistema registraram déficit de R$ 258,7 bilhões em 2016

Ataídes e desemprego. Blefe!

2 de outubro de 2015 | por

“Se nós pegarmos os trabalhadores que estão procurando emprego e que dentro de 30 dias não conseguirem achar emprego, eles saem das estatísticas de desempregados para desalentados. Hoje, nós temos 9,3 milhões de trabalhadores no seguro-desemprego. Ele é considerado empregado também nessa estatística. E os ‘nem-nem’, que nem estudam nem trabalham, são 10 milhões. Isso significa que hoje nós temos não 8,6 milhões de trabalhadores desempregados: nós temos 29,5 milhões de trabalhadores desempregados.” – Ataídes Oliveira (PSDB-TO), senador, na quarta-feira (30), no plenário