Agência de Jornalismo Investigativo

“Não queremos obstruir a apreciação de qualquer tipo de veto. Eu defendi a manutenção dos vetos.” – Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, na quinta-feira (1º)

2 de outubro de 2015

nao é bem assim v2 roxoComo não conseguiu incluir na pauta da sessão do Congresso a análise dos vetos da presidente Dilma Rousseff à Lei da Reforma Política – entre os quais o que derruba a doação de empresas a candidatos –, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), impediu que a reunião ocorresse. Para isso, convocou seguidas sessões extraordinárias da Câmara, no mesmo horário em que estava marcada a sessão conjunta entre as duas Casas parlamentares, impedindo que esta ocorresse.

Classificada como um “capricho” pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a manobra não foi só de Cunha. Segundo o próprio Cunha, ela foi apoiada pela maioria dos líderes partidários da Câmara, que também almejavam derrubar os vetos presidenciais à reforma política e incluir novamente na lei as doações de empresas a candidatos e partidos. Para valerem nas eleições municipais de 2016, quaisquer alterações na legislação precisam ser feitas até um ano antes do pleito, ou seja, até a sexta-feira (2).

A pauta da sessão do Congresso previa a análise de vetos cuja manutenção é importante para o Palácio do Planalto, sendo o principal deles o aumento de até 78% concedido aos servidores do poder Judiciário, que teria forte impacto negativo sobre o ajuste fiscal e o orçamento de 2016. Após o imbróglio da última quarta-feira, a reunião foi remarcada para terça-feira (6).

Embora o Supremo Tribunal Federal tenha decidido no mês passado que empresas não podem fazem doações eleitorais, o que seria inconstitucional, o assunto continua em discussão no Congresso. Para o presidente da Câmara, por exemplo, a modificação da Constituição da República, incluindo os repasses de pessoas jurídicas, resolveria a questão. O entendimento, entretanto, não é unânime no universo jurídico, uma vez que o STF já se manifestou sobre o assunto.

Além disso, para aprovar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) e comprar briga contra a decisão do STF, Cunha e os líderes da Câmara precisariam convencer os senadores a apoiarem a PEC, mudando o posicionamento do Senado, que na Lei da Reforma Política se posicionou contra as doações – o que acabou depois revertido pelos deputados e culminou com o veto presidencial.

 

Mais recentes

Problemas no SUS, como filas e falta de médicos e equipamentos, estão entre as pautas dos candidatos na campanha eleitoral

Erros e acertos dos candidatos em 5 frases sobre saúde

15 de agosto de 2018 | por , e

Do Mais Médicos à abrangência do SUS, veja o que Ciro, Alckmin, Marina, Lula e Bolsonaro falaram sobre o tema

O desemprego continua alto no país, segundo o IBGE: havia 12,9 milhões de desocupados no trimestre de abril-maio-junho

5 frases dos candidatos a presidente sobre economia

14 de agosto de 2018 | por , e

Saiba quais foram os exageros e erros de Bolsonaro, Alckmin, Ciro, Marina e Lula ao falar de informalidade, estados quebrados, mercado exterior e salário mínimo

Agentes do Comando de Operações Táticas, da Polícia Federal: efetivo da corporação tem sido um dos temas abordados pelos candidatos

5 frases dos presidenciáveis sobre segurança pública

13 de agosto de 2018 | por , e

Veja os acertos, exageros e erros de Lula, Bolsonaro, Alckmin, Ciro e Marina em falas sobre intervenção no Rio, homicídios, polícia, drogas e violência contra a mulher

Explore também

A bancada da bala

27 de janeiro de 2012 | por

Saiba quem são e o que pensam os deputados que recebem doações de campanha das empresas que fabricam e vendem armas no Brasil e associações patronais

João Amoêdo usa dado falso sobre homicídios e faz comparação distorcida

3 de maio de 2018 | por e

Presidenciável, que estreia na política, disse ainda frase discutível sobre o quanto do que se produz vira impostos

O deputado Weliton Prado (PMB-MG), defensor da controversa 'pílula do câncer'

Partido não fez nada pelas mulheres no Congresso

26 de julho de 2016 | por

Esvaziado em menos de um ano, PMB tem hoje apenas dois deputados federais, que defendem desde a polêmica ‘pílula do câncer’ até a ‘família e os bons costumes’