Agência de Jornalismo Investigativo

“Não há pauta minha ou pauta conservadora que seja imposta à Câmara; todas passam pelo crivo da Casa”, disse Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, em artigo na Folha de S.Paulo, na terça-feira (24)

25 de novembro de 2015
Falso

A afirmação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está incorreta, porque esconde uma parte do processo legislativo – e que tem sido usada para fazer prosseguir pautas do seu interesse ou das bancadas evangélica, da bala e ruralista na Casa. O parlamentar faz referência apenas às decisões em plenário, mas sua influência tem sido vista em procedimentos anteriores, que incluem a criação de comissões parlamentares de inquérito e o encaminhamento de projetos às comissões permanentes, por exemplo.

O projeto de lei 5069/2013, que motivou o artigo de Cunha na Folha e dificulta o aborto legal, foi analisado apenas pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. A mesma coisa aconteceu com o PL Espião (PL 215/2015), que ameaça a liberdade na internet. Com isso, a tramitação ocorreu de modo muito mais rápido do que se tivesse sido analisada por várias comissões. Além disso, o presidente da CCJ é o deputado Arthur Lira (PP-AL), aliado de Cunha.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) chegou a apresentar um requerimento, pedindo que o PL 5069/2013 fosse encaminhado também para apreciação da Comissão de Seguridade Social e Família. A Mesa Diretora, controlada por Cunha, no entanto, rejeitou o pedido, argumentando que o assunto não tem relação com a comissão. “É claramente uma manobra regimental, a mando do presidente da Casa e maior interessado nesses assuntos. Uma mudança drástica como essa deveria ter um debate mais amplo e profundo em outras comissões permanentes, como é o objetivo da Comissão de Seguridade Social e Família”, disse a deputada, em entrevista à Agência Pública.

Mais recentes

Deputado Jair Bolsonaro fala com a imprensa sobre ter virado réu no STF, pela sua declaração que "Não estupraria Maria do Rosário porque ela não merece"

Haddad não criou o ‘kit gay’

11 de outubro de 2018 | por

Jair Bolsonaro (PSL) acusa adversário de ter sido responsável pela idealização de material escolar contra homofobia, mas iniciativa surgiu do Legislativo

Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político perdeu várias eleições em SP

Haddad erra histórico eleitoral de Paulo Maluf

10 de outubro de 2018 | por

Político não teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições e perdeu várias disputas em São Paulo – quando ultrapassou esse porcentual, ganhou no 2º turno

Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto

9 de outubro de 2018 | por

Obra foi avaliada pelo governo e distribuída em escolas públicas quando o candidato do PT não era mais ministro da Educação

Truco!

Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história

5 de outubro de 2018

Candidato do PTB comandou a pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, entre janeiro de 2015 e maio de 2016, durante o governo de Dilma Rousseff

Doria cita dado impossível de provar sobre empresas fechadas em governo do PT

5 de outubro de 2018

Candidato tucano fez referência às médias e grandes empresas, porém números disponíveis não usam essa classificação

Ops, Aílton: foram R$ 130 milhões para saneamento básico no Ceará

5 de outubro de 2018

Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) da Sefaz aponta um gasto de pouco mais de R$ 130 milhões em 2017

Explore também

Bolsonaro dispara dados falsos de economia, saúde e educação

18 de maio de 2018 | por , , e

Pré-candidato também utilizou números incorretos sobre segurança pública, mas acertou porcentual comprometido do Orçamento

Problemas no SUS, como filas e falta de médicos e equipamentos, estão entre as pautas dos candidatos na campanha eleitoral

Erros e acertos dos candidatos em 5 frases sobre saúde

15 de agosto de 2018 | por , e

Do Mais Médicos à abrangência do SUS, veja o que Ciro, Alckmin, Marina, Lula e Bolsonaro falaram sobre o tema

Corrente exagera ao comparar remunerações de professores e políticos

6 de julho de 2017 | por

Piso de professores é maior - e o auxílio a deputados é menor - do que os valores utilizados na comparação