Agência de Jornalismo Investigativo

Senadora acerta ao afirmar que, nos últimos 13 anos, o governo federal passou a destinar mais recursos para a área

13 de julho de 2016

“Mesmo os adversários do PT terão que reconhecer que, nunca, em nossa história, tivemos ou vivemos um período com tantos investimentos em educação como nos últimos 13 anos.” – senadora Ângela Portela (PT-RR), em discurso no Senado no dia 5 de julho.

Correto
Correto

A frase da senadora Ângela Portela foi verificada pelo Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – e a conclusão é que ela acertou ao dizer ter havido um salto de investimentos na educação durante as gestões petistas no governo federal (2003-2015).

Desde 1995, o primeiro ano após a criação do Plano Real, até 2015, os recursos para a área foram multiplicados por três vezes, mesmo que considerada a inflação. Quase todo o aumento se deu nas gestões petistas.

Apesar do crescimento dos valores correntes, houve diminuição dos gastos, se considerada a inflação, entre 1995 e 2003.

O salto começou justamente em 2003, último ano em que houve redução dos valores investidos em relação ao ano anterior após a correção inflacionária – como ocorrera em 1996, 1997 e 2001. Desde então, foram 12 anos consecutivos (2004-2015) de aumento real dos investimentos na área.

Vamos aos números, repassados pelo Ministério da Educação.

Em 1995 foram investidos pela pasta R$ 10,5 bilhões de reais. Em 2003, o total foi de R$ 19,8 bilhões. Se considerada a inflação, houve redução real no gasto, com queda de R$ 42,6 bilhões, para R$ 42,1 bilhões.

A partir daí, em termos reais, houve aumento em todos os 12 anos subsequentes, culminando com um investimento de R$ 127,9 bilhões em 2015 (ou R$ 137,2 bilhões, em termos reais). Deste crescimento, destaca-se o aumento entre 2008 e 2013, quando os valores praticamente dobraram, saltando de R$ 66,7 bilhões para R$ 126,7 bilhões, já com a correção inflacionária.

A proporção de gastos em educação em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) – outro indicador importante para mensurar os investimentos na área – também cresceu nos governos petistas.

Após a redemocratização, o índice teve alta gradual até atingir cerca de 3% nos anos 1990. Depois, oscilou abaixo dos 5% do PIB durante quase uma década, antes de ter considerável elevação entre 2006 e 2013, passando de 4,9% do PIB para 6,2%, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação.

(Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Senadora Ângela Portela afirmou corretamente que as gestões do PT no governo federal aumentaram os investimentos em educação (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Sobre o Truco no Congresso

O Truco no Congresso é um projeto realizado pelas equipes da Agência Pública e do Congresso em Foco. Para entender o sistema de classificação das checagens, acesse o site especial do projeto.

Atualização: Em fevereiro de 2017, o Truco entrou em uma nova fase. As cartas usadas para classificar as frases nas checagens do Truco no Congresso foram substituídas por selos, com significados muitas vezes diferentes. Optamos por não alterar o material mais antigo.

Comentários

Mais recentes

Marina Silva (Rede) lança a campanha Nem Dilma Nem Temer, em 2016

Marina Silva usa dados falsos e imprecisos em discurso

19 de dezembro de 2017 | por , e

Ex-ministra do Meio Ambiente fez afirmações incorretas sobre problemas brasileiros ao anunciar pré-candidatura à Presidência

O ministro do STF e presidente do TSE, Gilmar Mendes, no 7º Encontro Nacional das Escolas Judiciárias Eleitorais

Checamos três críticas de Gilmar Mendes à Justiça criminal

1 de dezembro de 2017 | por , e

Ministro acerta ao citar ineficiência e prescrição de homicídios, mas reproduz dado falso sobre índice de solução de assassinatos

Polícias Civil e Militar desarticulam esquema de trabalho escravo em Rurópolis, sudoeste paraense, em 201

Autor de ‘Guia Politicamente Incorreto’ exagera dado sobre trabalho escravo

24 de novembro de 2017 | por

Leandro Narloch afirmou que 90% das empresas denunciadas são inocentadas criminalmente, mas dados mostram outra realidade

Explore também

Altair enfrenta a terceira remoção da vida pelas Olimpíadas

21 de junho de 2013 | por

Removido a primeira vez em 1967, morador da Vila Autódromo, no Rio, agora luta para não perder a casa para os Jogos Olímpicos

Expulsos das ruas

24 de junho de 2014 | por

Em Belo Horizonte, população de rua é vítima da repressão às manifestações e de práticas de “limpeza da cidade” – pertences pessoais são recolhidos pela prefeitura

Plenário do Congresso Nacional, em 2015

| De olho | Congresso enfrenta crise, vetos e aumento de despesa

6 de Março de 2016 | por

Às vésperas da manifestação do dia 13, agenda conturbada e impasse político ameaçam paralisar as atividades legislativas