Agência de Jornalismo Investigativo

Senador afirmou que ausência dessa infraestrutura afeta qualidade do serviço mais do que outros fatores, mas especialista diz que isso só tem mais peso em algumas áreas

11 de julho de 2016

“Sabemos todos que a principal causa do mau funcionamento da rede de celular é o número insuficiente de antenas que a compõem.” – José Medeiros (PSD-MT), em discurso no plenário do Senado no dia 4 de julho

Exagerado, distorcido ou discutível
Exagerado, distorcido ou discutível

O senador José Medeiros (PSD-MT) criticou a má qualidade do serviço das operadoras de celular, em discurso no plenário do Senado no dia 4 de julho. Segundo o parlamentar, os problemas são causados principalmente pela falta de antenas na rede. A frase foi verificada pelo Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – e a conclusão é que a afirmação do parlamentar é exagerada. A falta de antenas é apenas uma dentre várias causas do mau funcionamento do sistema.

De acordo com Eduardo Tude, especialista na área e presidente da empresa de consultoria Teleco, o número insuficiente de antenas é um problema principalmente nas grandes cidades. “Muitas delas têm restrições à instalação”, diz. Essa burocracia impede que as operadoras aumentem a infraestrutura no ritmo desejado, algo necessário para dar conta do grande número de conexões nessas áreas. Isso também afeta a qualidade do sinal em lugares fechados.

Mas um outro problema importante, especialmente para o uso de dados, é a impossibilidade de as operadoras usarem a frequência de 700 MHz – que permite aumentar a área de cobertura do serviço. Essa faixa está ocupada pela TV analógica e só será liberada quando terminar a transição para a TV digital. Só que a data para que isso ocorra vem sendo adiada pelo governo. O processo deveria acontecer este ano, depois mudou para 2017 e agora foi adiado para o final de 2018.

Há também uma enorme dificuldade em monitorar o serviço prestado pelas operadoras. Isso porque a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não tem um sistema que permita fazer esse acompanhamento de perto. Os indicadores não ficam organizados em um conjunto e são divulgados de forma irregular. “Iniciativas isoladas não dão uma visão completa”, diz Tude. “A Anatel tem consciência disso.” Segundo o especialista, a agência está trabalhando para mudar esse panorama, construindo um sistema mais consistente para acompanhamento da qualidade. Enquanto isso não sai do papel, no entanto, os problemas devem continuar.

O senador José Medeiros (PSD-MT) discursou sobre problemas na rede celular
O senador José Medeiros (PSD-MT) discursou sobre problemas na rede celular. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Procurado pelo Truco no Congresso, o senador afirmou, por meio de sua assessoria, que o seu discurso foi preparado pela Consultoria do Senado e que não foi incluída a fonte da informação checada na frase. De acordo com o consultor legislativo Vicente Pithon, a falta de antenas é sim o principal problema em algumas regiões do país, como Mato Grosso – tema do discurso. Logo, não haveria erro na afirmação, checada com um especialista (cujo nome não é citado). O discurso, contudo, fala da falta de antenas de uma maneira geral, para só depois tratar da situação específica do estado e de regiões do interior.

Mais recentes

Guilherme Boulos, em entrevista à EBC: dados atuais mostram que 40% dos presos no país são provisórios, não 30%

Boulos subestima o número de presos provisórios

24 de setembro de 2018 | por

Segundo Conselho Nacional de Justiça, 40% dos detentos são provisórios no Brasil – não 30%, como disse o candidato à Presidência pelo PSOL

Haddad em ato realizado em São Paulo em janeiro: dinheiro para educação cresceu menos do que o anunciado pelo político na sua gestão

Haddad exagera crescimento de verbas do Ministério da Educação

24 de setembro de 2018 | por

Candidato do PT diz que quintuplicou o Orçamento da pasta na sua gestão, mas aumento foi de três vezes

Marina Silva participa de evento da CNA, em agosto de 2018: não há estudos que confirmem dado citado pela candidata

Marina Silva usa dado inexistente sobre leitos ociosos no SUS

20 de setembro de 2018 | por

Candidata da REDE afirma que taxa de ociosidade no sistema é de 50%, mas ministério não possui estatística nacional

Truco!

#leitegate: Eduardo Leite rompeu contrato com Banrisul para obter verbas do PAC

25 de setembro de 2018

Enquanto prefeito de Pelotas, candidato ao Piratini pelo PSDB diz que fez acordo judicial com o banco estadual porque o município poderia ficar impedido de receber financiamento federal para obras de infraestrutura. Ofício do Tesouro Nacional confirma informação

Hospitais filantrópicos realizaram 67% das cirurgias “difíceis” do SUS no Paraná

24 de setembro de 2018

Hospitais públicos atendem mais a média complexidade, deixando a oferta de leitos e a alta complexidade para as instituições filantrópicas

Correto, Anastasia: Minas Gerais teve dois primeiros lugares no IDEB em 2013

24 de setembro de 2018

Ex-governador cita corretamente os dados da pesquisa que avalia o desempenho dos alunos

Explore também

Problemas no SUS, como filas e falta de médicos e equipamentos, estão entre as pautas dos candidatos na campanha eleitoral

Erros e acertos dos candidatos em 5 frases sobre saúde

15 de agosto de 2018 | por , e

Do Mais Médicos à abrangência do SUS, veja o que Ciro, Alckmin, Marina, Lula e Bolsonaro falaram sobre o tema

Marcos Montes e o Estatuto do Desarmamento. Blefe!

30 de outubro de 2015 | por

“O Estatuto do Desarmamento só vale hoje para as pessoas honestas, pois os bandidos estão armados até os dentes; o Estatuto do Desarmamento não produziu qualquer efeito positivo”, disse Marcos Montes (PSD-MG), na quarta-feira (28), em reportagem publicada no site da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)

Exagerado, distorcido ou discutível

Carga tributária: Não é bem assim, Raimundo Gomes!

18 de setembro de 2015 | por

“Você, telespectador, quando pagar sua energia, vai pagar 45% de imposto. Quando pagar o telefone, vai pagar 47% de imposto. Quando pagar a gasolina, vai pagar 38% de imposto. O imposto sobre o trigo, a farinha, assim como a média dos impostos brasileiros, é de 40%.” – Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), deputado federal, no plenário, na terça-feira (15)