Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Em novo livro com documentos inéditos, jornalista Jamil Chade revela que caos nas contas da Rio 2016 era conhecido há anos pelo Comitê Olímpico

4 de agosto de 2017

Neste sábado, a Olimpíada do Rio completa um ano. Um momento para avaliar o legado e identificar o que restou de um evento polêmico. Mas também uma oportunidade para desmascarar algumas lendas que se criaram durante sua preparação. 

Um desses mitos era que o caos nas contas do evento era resultado exclusivamente de uma recessão que ninguém poderia prever no Brasil. Numa tentativa de justificar o pedido de emergência que foi feito para que o governo federal e a cidade do Rio socorressem o evento com R$ 200 milhões – já no meio dos Jogos –, os organizadores cariocas insistiram que a Olimpíada teve o “azar” de ocorrer justamente quando o país vivia uma de suas piores crises econômica e política.

Semanas antes, o governo estadual já havia declarado estado de calamidade pública para conseguir a liberação de R$ 2,9 bilhões do governo federal com a justificativa de que a operação dos Jogos poderia ser prejudicada se o dinheiro não chegasse. 

Em ambos os casos, o momento econômico foi usado como bode expiatório, permitindo que os organizadores se apresentassem como vítimas de forças externas que não poderiam controlar. 

Em parte, eles têm razão. Ninguém ficou imune à crise. 

A questão, porém, é que essa explicação foi uma máscara cômoda para um problema muito mais profundo que vinha se acumulando ao longo dos anos. 

Documentos confidenciais do Comitê Olímpico Internacional (COI) de 2013 já revelavam que, de fato, a entidade temia que as contas passassem por dificuldades. Naquele momento, o PIB do país crescia a uma taxa de 3% e acumulava quatro anos de uma expansão importante, com ampla geração de empregos. Não havia nem sinal de crise. 

Preocupados, a entidade sediada em Lausanne, na Suíça, indicou abertamente que parte dos custos que originalmente estavam com os organizadores olímpicos foi transferida para o poder público e que, entre dois orçamentos realizados, havia já ocorrido uma “mudança de responsabilidades financeiras e obras para os governos”.

Caos nas contas da Rio 2016 era conhecido há anos pelo Comitê Olímpico (Foto: Alexandre Macieira/Riotur)

Outros detalhes mostram ainda que havia um temor real de um buraco na Rio 2016, como acabou ocorrendo três anos depois. No documento secreto de 2013, o COI sugeria que os organizadores brasileiros estudassem “seu plano de atividades para a geração total de renda (patrocínio, licenciamento e ingressos) diante do orçamento geral dos Jogos Olímpicos para entender o impacto do déficit na entrega dos eventos e de suas operações”.

Na avaliação, o COI ainda deixava claro que existia uma “pressão no fluxo de caixa como resultado do adiamento da assinatura de acordos de patrocínio”. 

Em outras palavras: antes mesmo de a crise econômica explodir, os governos já foram chamados a “esclarecer” qual seria sua participação no evento, enquanto o movimento olímpico se dava conta de que a equação visivelmente não fechava.

Insisto. A crise a partir de 2015 aprofundou os desafios do COI e dos organizadores. A Olimpíada de 2016 terminou com um buraco, uma façanha que nem a de Atenas em 2004, com todos seus problemas, conseguiu realizar. 

O problema, porém, é permitir que esse déficit seja apresentado apenas como resultado de um cenário “imprevisível” e que fugia ao controle da Rio 2016. Não foi bem assim. 

Quando falamos do abandono de uma instalação olímpica e déficit que tenta ser transferido ao poder público, não podemos falar em fatalidade. E, enquanto os responsáveis não derem uma resposta, não podemos deixar que o risco de uma amnésia coletiva abafe o direito à verdade.

Essas e outras histórias sobre os bastidores da Rio 2016 fazem parte do livro Rio 2016: Olympic dreams, hard realities (Brookings Institute Press), que eu e um grupo de jornalistas e acadêmicos vamos publicar nos Estados Unidos em setembro. Ele pode ser adquirido em pré-venda pela Amazon.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Professores acusam Laureate de forjar documentos para obter o reconhecimento de cursos EAD no Brasil

15 de maio de 2019 | por

Docentes denunciam irregularidades, dizem que foram obrigados a mentir para o MEC e a dar aulas em disciplinas fora de sua área de formação; documentos e áudio obtido pela Pública apontam algumas denúncias

Cratera de empresa da Vale debaixo do mar gera conflito com pescadores em Santos

2 de abril de 2019 | por

Cava subaquática reúne camadas de sedimentos com resíduos tóxicos da região de Cubatão; população, ambientalistas e MP dizem que projeto polui o mar e põe em risco saúde dos moradores

Dormir para esquecer a fome

13 de março de 2019 | por

Mães de Japeri, na Baixada Fluminense, relatam suas lutas para criar os filhos em meio à pobreza, ao desemprego e aos confrontos diários entre facções de traficantes

Mais recentes

Podcast: Pequena África

20 de maio de 2019 | por e

Cultura negra é só samba? No segundo episódio de hoje do podcast Histórias Que Ninguém Te Conta você conhece os personagens da Zona portuária carioca que mantêm viva a herança cultural africana

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar