Agência de Jornalismo Investigativo

Ciro Barros

Repórter da Agência Pública há seis anos. Ganhou os prêmios do Movimento Nacional de Direitos Humanos, da OAB, pela reportagem “O Inquérito do Black Bloc” e o prêmio da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) em 2015 e 2016 pela reportagem “No Ceará, terra dos Tremembé é ameaçada por resort espanhol” e pela série “Amazônia em Disputa” – cobertura finalista dos prêmios Gabriel García Marquez e Petrobras de Jornalismo. Também pela Pública, participou da premiada série do ICIJ “Evicted and Abandoned: The World Bank’s Broken Promise To The Poor” com a reportagem “Obras do Banco Mundial deixam comunidades do sertão do Ceará sem água potável”. Em 2017, recebeu menção honrosa na categoria Arte pela HQ “A Execução de Ricardo”. Teve passagens pela redação do Diário LANCE! e no LANCE!NET.


Mais recentes

O silêncio do Divino Pai Eterno

19 de outubro de 2016

Pública revela crime ambiental em terra da União no Pará

18 de outubro de 2016 | por e

Fazendeiro ligado a conflito agrário em São Félix do Xingu obteve planos de manejo florestal a partir de falso título de terra e com aval do Estado; situação levou à extração ilegal de madeira

A terra das mortes sob encomenda

17 de outubro de 2016 | por e

De cada três assassinatos na zona rural paraense, dois são no sul e sudeste do estado; impunidade e morosidade no ordenamento fundiário perpetuam a pistolagem

A espera que sangra o Divino Pai Eterno

17 de outubro de 2016 | por e

Agricultores no sul do Pará exigem criação de assentamento em fazenda localizada em terra pública; conflito violento expõe a negligência do Estado na destinação de terras

A floresta negociada na bolsa

3 de agosto de 2016 | por e

Novidade trazida pelo Código Florestal, as Cotas de Reserva Ambiental (CRAs) permitem a adequação ambiental de imóveis rurais por meio de uma transação financeira; especialistas questionam o mecanismo, que aguarda regulamentação

Crime e grilagem com uso do CAR

2 de agosto de 2016 | por e

Concebido para ser um eficaz instrumento de regularização ambiental, o Cadastro Ambiental Rural é utilizado por grileiros e quadrilhas que lucram com o desmatamento ilegal, acirrando os conflitos rurais na Amazônia Legal

As falhas e inconsistências do Cadastro Ambiental Rural

1 de agosto de 2016 | por e

Levantamento da Pública revela que mais de dois terços dos imóveis rurais declarados no CAR do Pará apresentam alguma sobreposição e pelo menos 20 registros definitivos validados em terras indígenas, o que é proibido

Em terra de índio, a mineração bate à porta

20 de junho de 2016 | por , e

Mesmo com a proibição constitucional, órgãos federais têm posição oposta sobre a validade de registrar processos minerários em território indígena. Atualmente, um terço dessas áreas na Amazônia Legal é cobiçado; o Pará é o campeão nacional

Sem presença da Funai, índios assumem proteção das terras

17 de junho de 2016 | por e

Ações de fiscalização caíram quase 60% de 2011 a 2014; povos que assumiram a tarefa por conta própria sofrem com ataques de madeireiros e invasões garimpeiras

A Funai pede socorro

16 de junho de 2016 | por e

Entre a tesoura do orçamento e a ingerência política, o órgão indigenista sofre com déficit de servidores e a judicialização das demarcações de terras, a principal pauta indígena