Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Diretora Executiva da Agência Pública

Natalia Viana é co-fundadora e diretora executiva da Agência Pública. É autora e co-autora de cinco livros: Plantados no Chão (Conrad, 2007), Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010) e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013) e Dano Colateral, sobre o retorno dos militares à política (Objetiva, 2021). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016/2020), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013), prêmio Gabriel García Márquez (2016) e Ortega y Gasset (2020). Em 2016, foi a jornalista brasileira mais premiada. Em 2019, sua série Efeito Colateral, sobre civis mortos pelo Exército, foi finalista do prêmio Shining Light Award, da Rede Global de Jornalistas Investigativos.

Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez.

Natalia é bolsista da Fundação Nieman, em Harvard, em 2021/2022 e membro do Conselho assessor do Centro para a Integridade de Mídia da OEA.


Mais recentes

Corte se pronuncia a favor de extradição de Assange; caso pode ser revisto

30 de maio de 2012 | por

Em entrevista, o porta-voz do WikiLeaks Kristinn Hrafnsson diz que a organização tem novos vazamentos na manga: "Continuamos vivos".

Gabinete de Segurança Institucional responde (e não responde) à Pública

2 de maio de 2012 | por

Gabinete que coordena ações da inteligência brasileira confima visita de agente da Stratfor - mas se nega a revelar mais.

WikiLeaks – Stratfor Files

26 de março de 2012

Documentos inéditos obtidos pelo WikiLeaks mostram como a empresa de inteligência e espionagem Stratfor atuava em diferentes países

WIKILEAKS: Os alunos de Clouseau

26 de março de 2012 | por , e

Documentos inéditos sobre a atuação da Stratfor no Brasil expõem o amadorismo de espiões e fontes. Sua representante foi recebida no Gabinete de Segurança Institucional da presidência

Reva Bhalla, da Stratfor, no GSI

26 de março de 2012 | por , e

Representante da Stratfor foi recebida pelo alto escalão do GSI, que teria lhe contado que Brasil "prendeu terroristas ligados ao 11 de setembro"

The land belongs to the indian, but whose is the carbon?

19 de março de 2012 | por , e

An Irish company has purchased rights to the carbon credits of the indigenous land of the Munduruku Tribe in the Amazon. They promised US$ 120 million over 30 years, but experts say the contract is illegal

A terra é dos índios. E o carbono, é de quem?

9 de março de 2012 | por , e

Por US$ 120 milhões, empresa irlandesa compra direitos sobre créditos de carbono dos índios Munduruku, no Pará; contrato valeria por 30 anos. A Funai foi deixada de fora

Brazil Arms Exports: Country Preaches Peace, Sells Tons Of Arms

5 de março de 2012 | por e

Brazilian government pushes for more exports of light arms, while the industry lacks transparency. In 5 years Brazil exported 4,5 millions of guns and weapons

Indústria Brasileira de Armas

28 de janeiro de 2012

Série especial que investiga o papel do Brasil como exportador de armas leves

Brasil, produtor e exportador de armas

27 de janeiro de 2012 | por e

De maneira pouco transparente, governo incentiva crescimento da indústria. Levantamento inédito do Exército revela que em 5 anos exportamos 4,5 milhões de armas leves

Empresas de armas miram África e Ásia para ampliar exportações

27 de janeiro de 2012 | por e

Com apoio da diplomacia brasileira, empresas buscam mercado em países com violações de direitos humanos. Armas e munições foram para Tunísia, Paquistão e Iêmen

Em cinco anos, 4,3 milhões de armas nas ruas

27 de janeiro de 2012 | por e

Nos últimos 5 anos foram comercializadas 4,3 milhões de armas no Brasil – somente de fabricantes nacionais. Número é bem maior do que se estimava. Indústria não revela produção.