Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora e editora

Natalia Viana é jornalista há 20 anos, diretora e co-fundadora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010) e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2016, foi a jornalista brasileira mais premiada. Em 2019, sua série Efeito Colateral, sobre civis mortos pelo Exército, foi finalista do prêmio Shining Light Award, da Rede Global de Jornalistas Investigativos.

Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez. Escreve colunas de opinião para o New York Times em espanhol e o site El Diario, na Espanha.

CHAVE PGP A697CBC1D5109E76


Reprodução Facebook

“Prisão de Assange é vingança pessoal do presidente equatoriano”, diz Rafael Correa

11 de abril de 2019 | por

Em entrevista à Pública, ex-presidente diz que escândalo de corrupção revelado por Assange sobre Lenin Moreno foi definitivo para a decisão – inconstitucional – de retirar a cidadania e o asilo do fundador do Wikileaks

Atmosfera em universidades brasileiras preocupa organização internacional que protege acadêmicos ameaçados

18 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, pesquisadora do Scholars at Risk diz que tem sido procurada por professores que querem deixar o país temendo pela própria vida

“Eles são os caçadores e nós somos bichos aqui em baixo”, diz moradora de favela alvejada por tiros vindos de torre da polícia

14 de fevereiro de 2019 | por e

Pública teve acesso ao relatório feito por Defensorias na favela de Manguinhos, no Rio de Janeiro, onde moradores acusam policiais civis de usar atiradores ‘snipers’ contra jovens

O Exército no banco dos réus

19 de dezembro de 2018 | por

Acompanhamos o único processo na Justiça Militar que pode condenar um militar que atirou em civis desarmados no Rio de Janeiro – e deixou um jovem paraplégico

Este adolescente foi assassinado pelo Exército por engano. E a Justiça Militar considerou “um erro escusável”

8 de novembro de 2018 | por

O capixaba Matheus Martins da Silva, de 17 anos, foi morto a um quarteirão de casa por um tiro de fuzil

Efeito Colateral

5 de novembro de 2018

Investigamos o 'dano colateral' do crescente emprego das Forças Armadas em operações de segurança pública: civis inocentes mortos, casos sem solução e famílias sem Justiça

Essa foto não pode ser publicada separadamente

Um ano depois, sobreviventes da chacina do Salgueiro não foram ouvidos pela Justiça Militar

5 de novembro de 2018 | por

Caso foi o primeiro depois de lei de Temer que transferiu para Justiça Militar homicídios de civis por membros das Forças Armadas

Famílias da Maré acusam Exército de participar de mortes e não prestar socorro

1 de novembro de 2018 | por

Parentes de dois jovens mortos durante ocupação militar da Maré reclamam de abandono e ausência de investigação

Exército é acusado de matar inocentes em operações de segurança pública

31 de outubro de 2018 | por

Investigamos o “dano colateral” das operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO); Forças Armadas estão ligadas a morte de pelo menos 32 pessoas desde 2010

O Exército matou minha mãe e sumiu

31 de outubro de 2018 | por

A comerciante Raimunda Cláudia Rocha Silva, de 47 anos, foi morta por uma bala que testemunhas dizem ter partido do Exército, durante a ocupação do complexo da Maré

Os soldados não têm o direito de atirar no meu neto

31 de outubro de 2018 | por

Defensoria da União vai entrar com ação contra Estado pela morte do primeiro civil na intervenção federal por um militar

“É muito fácil perder a democracia”, alerta jornalista venezuelana

26 de outubro de 2018 | por e

Em entrevista à Pública, Luz Mely Reyes analisa semelhanças entre discurso de Hugo Chávez ao ser eleito e ataques recentes de Jair Bolsonaro à imprensa