Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora

Natalia Viana é jornalista há 18 anos, diretora e co-fundadora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. Cobriu temas sociais internacionais, desde o drama dos refugiados tibetanos no Norte da Índia, indígenas sob massacre na Colômbia e em favelas de Cancún, no México, até violações de direitos humanos do regime autoritário em Angola e suas relações com a empresa brasileira Odebrecht. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), uma denúncia dos assassinatos políticos no Brasil entre os anos de 2003 e 2006, Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010), sobre os desaparecidos políticos e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005 e 2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez.


100

20 de julho de 2016

Entrevistamos 100 famílias removidas por causa da Olimpíada no Rio de Janeiro.

Muitas perguntas, poucas respostas

30 de junho de 2016 | por

Levantamento inédito da Artigo 19 revela que falta de transparência é regra no plano de segurança da Olimpíada; órgão mais problemático, Secretaria de Segurança do Rio acaba de receber mais R$ 2,9 bilhões do governo federal

Forças Armadas querem usar bloqueadores de celular contra drones “hostis” e terrorismo na Olimpíada

30 de junho de 2016 | por

Informação é resultado de levantamento feito pela Artigo 19 e Justiça Global; Secretaria de Segurança do Rio comprou 18 mil balas de borracha, 4.500 bombas de gás lacrimogêneo e 4.500 granadas de efeito moral para os Jogos

Dilma Rousseff interview: Brazil’s first female leader on trying to clear her name

27 de junho de 2016 | por , e

Exclusive Q&A : Ms Rousseff said she was the victim of a 'parliamentary coup'

Eles não me tiraram, não. Eu continuo sendo presidenta

27 de junho de 2016 | por , e

Durante 1h52, Dilma Rousseff falou à Pública sobre machismo, impeachment, América Latina, PSDB, governo Temer e polêmicas - de aborto a Lava Jato

“O que acontecer no Brasil vai influir nos demais países da região”, diz ex-ministro de Lugo

4 de maio de 2016 | por

Para o paraguaio José Tomás Sánchez, a mensagem é que os governos progressistas mais radicais na América Latina mantiveram seus mandatos, enquanto os moderados foram interrompidos

Angola: Rappers são condenados à prisão

28 de março de 2016 | por

Jovens receberam penas de 2 a 8 anos por participarem de grupo de estudos; Tribunal alega que eles estavam conspirando para derrubar o presidente

Sede de África

14 de março de 2016 | por , e

Na quarta reportagem do Especial África, o diplomata Celso Amorim conta como e por que o Brasil desembarcou na África nesse século 21

Desconstruindo Luanda Sul

7 de março de 2016 | por e

Como uma offshore da Odebrecht investigada na Lava Jato participou do projeto que levou a remoções violentas, segregação social e enriquecimento da elite na capital angolana

Uma aula sobre Angola

7 de março de 2016 | por

O pesquisador Ricardo Soares explica como o controle econômico é fundamental para o presidente manter o domínio político de Angola – e por que ambos estão ameaçados

As respostas da Prado Valladares

7 de março de 2016 | por

Confira o posicionamento da empresa em relação aos questionamentos enviados pela Pública

Especial África

22 de fevereiro de 2016

Ao longo de seis meses, nossas equipes investigaram a atuação de duas gigantes brasileiras na África lusófona. Em Moçambique, investigamos o corredor de ferro da mineradora Vale; em Angola, a atuação e o poder da construtora Odebrecht.