Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Países tão desiguais como o Brasil têm violência menor

Comparação de dois rankings com índice de homicídios por 100 mil habitantes mostra que afirmação de Fernando Haddad (PT) está correta

Checagem
5 de outubro de 2018
18:30
Este artigo tem mais de 5 ano
O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), em evento da Unecs: comparação sobre desigualdade e violência está correta
O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), em evento da Unecs: comparação sobre desigualdade e violência está correta

“Há países tão desiguais como o nosso que não têm uma violência tão grande.” – Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT, em entrevista à revista Carta Capital.

VerdadeiroEm entrevista à revista Carta Capital, o candidato a presidente Fernando Haddad (PT) disse que existem países tão desiguais quanto o Brasil que não registram tanta violência. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – analisou dois rankings de desigualdade e fez o cruzamento com o número de homicídios por 100 mil habitantes nesses países. Os dados mostram que a frase de Haddad é verdadeira.

A assessoria de imprensa do candidato não enviou a fonte da informação. Há diversos indicadores para avaliar a desigualdade econômica em cada país. Um dos mais utilizados é o coeficiente Gini, uma medida de desigualdade desenvolvida pelo estatístico italiano Corrado Gini em 1912. O coeficiente é um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à completa igualdade, ou seja, a uma situação onde toda a população recebe o mesmo salário, e 1 corresponde à completa desigualdade, onde uma pessoa recebe todo o rendimento e as demais nada recebem. Criado a partir do coeficiente, o índice de Gini é expresso em uma escala de 0 a 100.

Segundo o Banco Mundial, a desigualdade expressa pelo índice de Gini está caindo no Brasil. Entre 2011 e 2015, o índice foi de 52,9 para 51,3. Ainda não há dados posteriores a 2015 no site do Banco Mundial. No entanto, essa base de dados conta com números de anos diferentes para cada país. Apesar disso, o Banco Mundial considera os dados comparáveis e reúne todas as estatísticas na mesma página em seu site. Um ranking com o índice de Gini de 158 nações posiciona o Brasil em 10º lugar entre os países mais desiguais do mundo.

O Brasil está em 9º lugar no mais recente ranking mundial de homicídios intencionais a cada 100 mil habitantes. São 31,3 ocorrências a cada 100 mil moradores. O dado, relativo ao ano de 2016, é do relatório Estatísticas Globais de Saúde, divulgado em maio de 2018 pela Organização das Nações Unidas (ONU). O índice de violência brasileiro é inferior apenas ao de Honduras, Venezuela, El Salvador, Colômbia, Trinidad e Tobago, Jamaica, Lesoto e África do Sul, nessa ordem.

Comparando as duas bases de dados, é possível encontrar nove países mais desiguais que o Brasil. Em sete deles, a violência é inferior à registrada aqui. Apenas na África do Sul e em Lesoto, mais desiguais que o Brasil segundo esse ranking, a violência registrada por meio da taxa de homicídios a cada 100 mil habitantes é superior à brasileira. Os outros sete países mais desiguais registram menos homicídios a cada 100 mil habitantes do que o Brasil.

Além dos países que são mais desiguais que o Brasil há outros seis países que têm índice de Gini no mesmo patamar do brasileiro, entre 50 pontos e 52 pontos no ranking: Suazilândia, Colômbia, Panamá, Guiné-Bissau, Ruanda e Honduras. Desses cinco países, somente dois têm índices de homicídios piores que os do Brasil: Colômbia, com 43,1 mortes por homicídio a cada 100 mil habitantes, e Honduras, com 55,5 a cada 100 mil. Os outros três países têm taxas muito menores: Suazilândia registra 20 mortes a cada 100 mil habitantes, Panamá tem 20,5, Ruanda, 5,5, e Guiné-Bissau, 9,2.

Publicada em dezembro de 2017, a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, coordenada pelo economista francês Thomas Piketty, também analisa a desigualdade social em diferentes países, mas utilizando um método diferente do índice de Gini. O relatório avalia quais países têm maior concentração de renda nas parcelas mais ricas de sua população. De acordo com o estudo, em 2015, último ano analisado, o líder em uma das categorias era o Brasil. Aqui, o 1% mais rico detinha 27,8% da renda do país naquele ano, índice mais alto dentre todos os países pesquisados. O segundo colocado é a Turquia, com 21,5% da renda concentrada no 1% mais rico da população. Os dados estão disponíveis no banco de dados World Inequality Database (WID), que monitora a evolução da concentração de renda no mundo nos últimos anos. No entanto, a análise da renda concentrada no 1% mais rico não é a única possível.

No recorte que compara os 10% mais ricos em relação ao resto da população, o Brasil não está em primeiro lugar. O país fica atrás da África do Sul, onde o grupo mais rico concentra 65% da renda nacional. O Brasil, com 55,6%, também fica ligeiramente atrás de alguns países do Oriente Médio, como o Líbano, com 57,1%, e dos Emirados Árabes Unidos, com 56% de concentração de renda nos 10% mais ricos.

Tanto Turquia quanto Líbano e Emirados Árabes registram índices de homicídios a cada 100 mil habitantes muito inferiores ao do Brasil segundo o relatório Estatísticas Globais de Saúde, da ONU. A África do Sul, no entanto, tem taxa pior que a brasileira.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Bolsonaro usa informação falsa ao criticar plano de governo do PT

Por

Candidato usou documento com teses internas de vertentes do partido para dizer que Haddad quer desmilitarizar polícias e revogar Lei da Anistia

Alckmin erra ao comparar oferta de crédito brasileira e chilena

Por

Dados do Banco Mundial e do FMI diferem, mas nenhum dos dois mostra a oferta de crédito do Chile como o dobro da brasileira

Notas mais recentes

CPI da Braskem abre trabalhos no Congresso: o que isso tem a ver com a eleição em Alagoas


MPF apura denúncia de que bancos de sangue privados jogam doações de plasma em lixões


O que está em jogo na volta dos trabalhos no Congresso


Emissão de licenças ambientais cai 65% com protesto do Ibama por melhoria da carreira


Ataques com uso da Justiça crescem enquanto agressões a jornalistas caem no pós-Bolsonaro


Leia também

Bolsonaro usa informação falsa ao criticar plano de governo do PT


Alckmin erra ao comparar oferta de crédito brasileira e chilena


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes