Buscar
Nota

Google rouba a cena na instauração da Comissão de Inteligência Artificial no Senado

16 de agosto de 2023
18:03

“Presidente, instalada sua comissão”, disse sorridente o senador Eduardo Gomes (PL-TO) ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, na instauração da Comissão Temporária de Inteligência Artificial na tarde desta quarta-feira (16). A caminho de uma audiência com a ministra do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia, Pacheco tirou uns minutos para visitar a CTIA, encomendada por ele. Gomes havia sido recém declarado relator do grupo pelo senador Carlos Viana (Podemos-MG), escolhido presidente. Além dos políticos, o Google marcou posição na instauração da comissão.

A plataforma enviou uma representante para acompanhar o início dos trabalhos e mostrou sua influência na fala do recém empossado Carlos Viana. O presidente da CTIA anunciou que a primeira sessão de discussão do grupo, na próxima quarta-feira (23), terá como convidados de honra os vice-presidentes mundiais da empresa, Prabhakar Raghavan e Cris Turner, em audiência conjunta na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informática (CCT), também presidida por ele.

A presença dos altos executivos das bigs techs no Congresso ocorre em meio ao debate sobre o PL das Fake News, que foi retirado de votação depois de ampla campanha de pressão das plataformas, contrárias à regulação de seus negócios. O Google chegou a colocar uma mensagem em sua tela de buscas dizendo que o PL 2630 poderia “aumentar a confusão sobre o que é verdade ou mentira”, mas retirou depois de medida cautelar determinada pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom). 

Em entrevista à Agência Pública, o presidente da CTIA afirmou que “as big techs têm razão em alguns pontos e outros não”. Para ele, um dos pontos de razão das empresas de tecnologia no debate se refere ao caso “da responsabilização dos meios”, a principal proposta do projeto, que busca responsabilizar as plataformas pela disseminação de desinformação e discurso de ódio. “Nós precisamos saber com clareza o que é”, avalia o senador. 

Agora, com a discussão de inteligência artificial em alta, as big techs têm investido em levar seus interesses aos parlamentares, com presença constante no Congresso, e convites a viagens. Viana, por exemplo, viajou em maio deste ano à sede da empresa nos EUA para acompanhar o lançamento da nova ferramenta de inteligência artificial do Google, o Bard. A viagem custou R$11.817,85 em diárias aos cofres públicos.

“Nós estivemos lá com toda a direção da empresa, fomos muito bem recebidos e eles nos externaram a preocupação sobre legislações restritivas, que no mundo todo têm experiências inclusive negativas em vários aspectos, e eles se ofereceram para nos trazer qual o posicionamento e a experiência deles em relação a esse assunto”, disse Viana à Pública. No ano passado, uma comitiva de deputados também visitou a Califórnia e falou com os responsáveis pelo programa de IA da big tech. 

A sessão de abertura da comissão contou com discursos do relator, senador Eduardo Gomes (PL-TO), e do vice-presidente da comissão, senador astronauta Marcos Pontes (PL-SP). Estiveram presentes representantes do Ministério da Justiça e da Secretaria de Comunicação da Presidência, além de representantes da sociedade civil. A CTIA foi encomendada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), após o fim do trabalho de uma comissão de juristas criada para debater o tema, que entregou um relatório e uma sugestão de Marco Regulatório da IA no fim do ano passado. 

Uma das juristas ouvidas pela Pública em anonimato apontou que as big techs estiveram presentes ao longo de todo o processo de elaboração dos juristas e defendiam a não regulação ou a regulação mínima do setor. Ainda assim, na avaliação dela, o projeto entregue a Pacheco, a ser analisado pela CTIA, foi “equilibrado”. “É claro que puxou para cá, puxou para lá, tiveram visões diferentes, com certeza, mas é um projeto muito equilibrado, muito no meio termo das visões”, apontou. 

Viana explicou que uma das primeiras metas da comissão é avaliar o projeto entregue pelos juristas. Entretanto, ele defende que a legislação das big techs deve ser de “princípios” em vez de algo mais restritivo. Ele disse ainda não ter dúvidas de que virá uma regulação de rede social e uma regulação para inteligência artificial. 

Edição:

ELON MUSK é parça de Bolsonaro, Trump e benfeitor na Amazônia e no Rio Grande do Sul? Já se perguntou quais são as intenções de Elon Musk no Brasil? A Pública vai investigar os interesses e negócios do homem mais rico do mundo em nosso território. O magnata da tecnologia mundial promove desinformação e já é investigado por órgãos públicos em diversos países. O jornalismo independente da Pública pode trazer revelações inéditas sobre Elon Musk. Mas um trabalho desse tamanho só pode ser realizado com a ajuda de nossos leitores. Por isso precisamos de, pelo menos, 700 novos Aliados ao nosso lado nesta investigação, que vai render uma série de reportagens especiais.

Clique aqui e faça parte desta investigação!

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Tribunais de contas de estados omitem aquisições de programas espiões ao STF


Empresário que transportou mala de joias de Bolsonaro nos EUA participa do CPAC Brasil


Brumadinho: Familiares de vítimas buscam justiça no STJ, mas encontram gabinetes vazios


Palestrante aponta discriminação em voo da Azul enquanto ia a evento do MP sobre racismo


Brasil Paralelo mira geografia e ciências sociais após curso que desinforma sobre história


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes