Buscar
Nota

Vídeo mostra Alessandra Munduruku confrontando senador Zequinha Marinho em Novo Progresso

15 de dezembro de 2023
14:46

Um dia após o Congresso Nacional derrubar os vetos feitos pelo presidente Lula ao Marco Temporal (Lei 14.701/2023), um evento convocado pelo senador Zequinha Marinho (Podemos-PA), na cidade Novo Progresso, no Pará, subiu o tom numa região de tensão e conflito entre garimpeiros, invasores ilegais e indígenas dos povos Munduruku, Apiaká e Kayapó, que defendem seu território há décadas.

Na manhã de hoje (15), ao menos 100 indígenas desses povos protestaram em frente ao Centro de Eventos Scremin, em Novo Progresso, onde ocorreu o “Encontro Regional de Mobilização em Prol da Ferrogrão”, um projeto de linha férrea que pretende ligar Sinop (MT) ao Porto de Miritituba, em Itaituba (PA), com valor calculado em R$ 25 bilhões.

O convite do Senador Zequinha Marinho para o evento em Novo Progresso cita dados e números positivos sobre a ferrovia, mas não traz o custo ambiental e humano do projeto. O empreendimento prevê 2 mil quilômetros a menos de floresta, que teria de ser desmatada, além de impactar áreas de conservação e ao menos 16 territórios indígenas. 

Em agosto de 2022, a Agência Pública já havia mostrado como o senador Zequinha Marinho se movimenta em Brasília para defender madeireiros, grileiros e garimpeiros. Zequinha tem histórico anti-ambiental, e já incentivou perseguição a fiscais do Ibama e da Funai. 

Em frente ao local, os indígenas denunciaram os impactos do projeto e alertaram sobre a necessidade de cumprir os protocolos de consulta quando o senador apareceu. Os indígenas empunhavam cartazes contra o projeto, entre eles: “Ferrogrão é a destruição da floresta e dos povos indígenas”; “Vozes do povo Apiaká do Médio Tapajós exigem respeito ao protocolo de consulta”. 

Um vídeo obtido pela reportagem mostra a liderança munduruku, Alessandra Korap, frente a frente com o senador Zequinha num debate sobre a Ferrogrão. É possível ver o senador chegando acompanhado de sua comitiva, escoltado por policiais militares. Alessandra diz ao senador: “a gente sabe que o senador é a favor de todos os projetos de morte das nossas terras”. Em outro momento, ela reforça: “Como é que pode o senhor ser a favor da morte do povo?”. 

O senador Zequinha, durante o vídeo de pouco mais de três minutos, se limitou a falar: “Conheço você [Alessandra], sei quem é você. O projeto da Ferrovia vai ser bom pra todo mundo”.

Alessandra Munduruku falou à Pública após o ato em Novo Progresso. “A gente tentou barrar a audiência, viajamos mais de 400km pra isso, éramos poucos, mas estávamos lá pelo nosso futuro e estamos preocupados com o futuro dos nossos filhos. Não vamos deixar passar projetos que violam nossos direitos, que não nos consultaram para isso. Nós vamos pro enfrentamento”, afirmou.

A Ferrogrão está acoplada a um projeto de infraestrutura maior chamado Corredor Logístico Tapajós-Xingu, que inclui ainda a pavimentação da rodovia BR-163, hidrovias e a construção de terminais de carga. Dados da PUC-Rio e Climate Policy Initiative estimam que, caso não seja efetiva a mitigação dos problemas derivados do projeto, haja uma perda equivalente a mais de 285 mil campos de futebol de vegetação natural — o que corresponde a emissão de mais de 75 milhões de toneladas de carbono. Além de outros impactos como a diminuição da biodiversidade ou a redução dos serviços ecossistêmicos provenientes do bioma.

Em maio de 2023, o Ministro Alexandre de Moraes autorizou a retomada dos estudos sobre a Ferrogrão, os quais foram incluídos no Programa de Aceleramento do Crescimento (PAC) publicado em agosto pelo governo federal.

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Governo e bancada feminina da Câmara tentam aprovar Política Nacional de Cuidados


Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes