AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Veja as regras para concorrer a uma microbolsa

Mande uma pauta inédita e um plano de trabalho e inscreva-se até o dia 23 de março. Clique aqui para saber mais.

Se você tem uma pauta inédita e sonha em fazer a sua reportagem de maneira independente, clique aqui para ler o regulamento. As propostas serão analisadas por uma comissão julgadora composta pelas coordenadoras da Pública e os nossos conselheiros.

As quatro propostas vencedoras receberão um total de R$ 4.000, cada uma, para a realização de reportagem em texto ou vídeo até o final de junho. O valor pode ser usado para custos e para pagamento do repórter, na proporção que ele escolher.

O conteúdo será depois publicado no site da Pública.

As inscrições estão abertas até o dia 23 de março e devem ser feitas através do email: contato.publica@gmail.com

Os vencedores serão anunciados no dia 2 de abril.

A Pública acredita na reportagem. E no repórter.

“Jornalismo genuinamente objetivo é aquele que não apenas apura os fatos, mas compreende o significado dos acontecimentos. É impactante não apenas hoje, mas resiste à passagem do tempo. É validado não apenas por ‘fontes confiáveis’, mas pelo desenrolar da história. E dez, vinte, quinze anos depois ainda serve como espelho verdadeiro e inteligente do que aconteceu” – T.D.Allman

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • nataliaviana

    Oi Ronnylson, A Ford Foundation é uma fundação reconhecida mundialmente por apostar em projetos relevantes. Ela não interfere de modo algum nos resultados. O princípio fundamental da Pública é a sua independência, e é essa a postura também no caso das microbolsas. Envie sua sugestão.    

Uma pena, duas medidas

| por | 17 de julho de 2017

Enquanto as mulheres com filhos pequenos lutam para obter a prisão domiciliar, direito previsto por lei, presos da Lava Jato gozam desse benefício sem amparo da legislação penal

A faculdade estatizada no Mato Grosso

| por | 30 de junho de 2017

Instituição criada por Gilmar Mendes e sua família em Diamantino foi incorporada pelo Estado no governo de Silval Barbosa, amigo do ministro do STF; Ministério Público investiga a legalidade do negócio de R$ 7,7 milhões. Executivo reconhece que não tem recursos para manter a unidade como determina a lei