AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

O estopim da crise

O Pastor Silas Malafaia detonou o programa de Marina no twitter “no que tange aos direitos dos gays”; menos de 24 horas depois o programa mudou

O pastor Silas Malafaia – Foto: Reprodução

O pastor Silas Malafaia – Foto: Reprodução

“O programa de governo do partido de Marina é pior que o PT e o PSDB, no que tange aos direitos dos gays. Apóia descaradamente o casamento gay e pede, inclusive, a aprovação do extinto PLC 122, que, entre outras coisas, põe pastor na cadeia. É uma vergonha que prevê casamento, adoção de crianças e etc” e “Aguardo até segunda uma posição de Marina. Se isso não acontecer, na terça será a mais dura fala que já dei até hoje sobre um presidenciável” foram algumas das declarações do pastor da igreja Assembleia de Deus Silas Malafaia em seu Twitter, para mais de 790 mil seguidores, após o lançamento do programa de governo de Marina Silva na sexta-feira 29 de agosto. Menos de 24 horas depois, Marina retirou propostas achincalhadas pelo pastor. Malafaia tuitou: “O ativismo gay está irado com Marina! Começo a ficar satisfeito! Valeu a pressão de todos. Não estamos aqui pra engolir agenda gay”. Depois das mudanças, declarou seu apoio à candidata no segundo turno – já que no primeiro vai de Pastor Everaldo.

Silas Malafaia é pastor da Vitória em Cristo, igreja da denominação pentecostal Assembléia de Deus – a mesma denominação de Marina. A Assembleia de Deus é conhecida por fazer parte de uma ala mais conservadora da igreja evangélica. Em entrevista à Pública, dada na sede da Associação Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro, disse que nunca falou diretamente com a campanha de Marina e que não sabe se a reação desencadeada por seu Twitter provocou a mudança do programa. “Eu não posso dizer que foi coincidência. E não posso dizer que não foi por causa da gritaria dos cristãos”. Gabou-se de sua influência política – “Eu peguei um jovem da minha igreja, ilustríssimo desconhecido e foi o 7o mais votado na cidade”; mas negou que tenha qualquer influência sobre Marina. “Se tá pensando que Marina come na mão de pastor, eu já tô rindo. Mas se ela é a esperança de mudança, vamos com ela”, disse.

[relacionados]

Conhecido pela ira com que combate as reivindicações dos movimentos LGBT, não mede as palavras ao comentar o episódio em que uma garota tirou um selfie com ele ao fundo e uma placa “gay também é gente”: “Lá eu estava sozinho no avião. Mas se eu estiver em shopping na rua, com seguranças, não tem negócio com ninguém. Vai quebrar celular, vai tomar empurrão. Ninguém vai dar tiro e ninguém vai dar soco. Mas vai tomar empurrão, vai ter telefone quebrado”.

Sobre a necessidade de ter uma lei que tipifique o crime de homofobia, diz: “Isso é outra mentira do ativismo gay. Porque os crimes que envolvem homossexuais – eu não quero que ninguém morra, quero deixar bem claro isso aqui – lá estão brigas de amor entre eles que é mais de 50%.”

O Brasil pode pela primeira vez ter uma presidente evangélica. O que isso significa para os evangélicos e para o país na sua opinião?

Nós evangélicos sempre votamos não pelas crenças das pessoas. Votamos como a sociedade em geral, achando que esse é melhor, ou aquele. Existe o político evangélico e o evangélico político. Marina é uma política evangélica, nunca vi ela usar as crenças pra conseguir voto. Evangélico politico é aquele que vem com a vertente da fé, a ideologia cristã mesmo dentro do programa.

Como o pastor Everaldo?

Como o pastor Everaldo. A Marina nunca usou o viés evangélico para se colocar. O que nós evangélicos esperamos? Que ela possa atender os anseios de mudança do povo brasileiro que está cansado da roubalheira de governantes que fingem que não têm nada com isso e que sempre foram responsáveis por tudo isso que está acontecendo. Se for ver o que foi tirado do programa de Marina em relação às reivindicações, eu digo que ainda ficou muita coisa que me contraria.

O que ficou que te contraria?

Ah, doação de criança pra casal gay, mudança de sexo… Ela mudou três coisas que… Os caras do LGBT do PSB, porque isso é da natureza deles, eles querem tudo.. Dane-se o resto da coletividade. O PLC122 foi derrotado no voto, há 7 anos, por 29 a 21 votos.  E por que ele foi derrotado? Porque tem aberrações jurídicas, dá privilégios pra uma classe. Eu lutei sete anos contra aquela porcaria! Aí eu vejo no programa de Marina falando dele? Não… Como é que é? Eu tinha que falar.

O que é mais grave nesse PL na sua opinião?

Muita coisa. O lugar de culto, dentro da igreja, é protegido pela constituição. O pátio da igreja não. No PLC 122 diz que se eu impedir a afetividade homossexual no pátio da minha igreja, por exemplo, 3 a 5 anos de cadeia. Eu vou deixar passar essa? Diz que os direitos aos homossexuais serão estendidos aos heterossexuais. Quem mandou ser hetero, idiota? A preferencia é deles! O número mentiroso de crimes homofóbicos. Isso é outra mentira do ativismo gay. Porque os crimes que envolvem homossexuais – eu não quero que ninguém morra, quero deixar bem claro isso aqui – lá estão brigas de amor entre eles que é mais de 50%. Gays assassinados em assaltos. E também homofobia. Mas eles inflam os números. Mais do que gays, crianças foram assassinadas. Mulheres foram assassinadas, pobres foram assassinados,  negros foram assassinados. Que papo é esse? Matou um gay vai pra cadeia, matou um hetero vai pra cadeia, a lei tem que valer pra todo mundo. Quando a Marina disse que o programa foi corrigido porque os grupos debateram e a proposta final não foi obedecida – e eu quero saber qual é o candidato que lê todo o programa – aí eu pergunto: Por que o LGBT que estava lá dentro não pulou e disse “mentira! Eu vou sair daqui, vou renunciar porque essa mulher é mentirosa”!

Mas o líder LGBT da campanha saiu…

Ele só pediu pra sair! Ele não saiu dizendo que ela era mentirosa. Que caráter eles têm? Se eu sou um evangélico, discuto com um candidato princípios que eu defendo e que foram acordados e depois o cara muda, eu vou dizer “é mentiroso, não tem caráter”. Por que não fizeram isso? Hã? Não fizeram porque ela está falando a verdade!

Essa desconfiança surgiu porque ela mudou o programa pouco tempo depois das suas declarações no Twitter. O senhor acha que isso foi uma coincidência?

Eu não posso dizer que foi coincidência. E não posso dizer que não foi por causa da gritaria dos cristãos. Mas posso dizer que eu não falei com ninguém do comitê dela. Quando eu li e vi como estava, comecei a tuitar. Se esse é o governo dessa mulher, não, nós lutamos sete anos por essa porcaria e ela vai botar de volta? Isso é uma afronta! Casamento gay? Como é isso? O Supremo já dá união civil, você quer dar mais um passo? Casamento para nós é sacramento, não abrimos mão! O movimento gay tem o direito total de lutar. E eu tenho o direito total de dizer que não acho que aquilo que eles acham que é direito é direito pra eles. A beleza da democracia é essa. Os grupos sociais fazendo o enfrentamento por suas ideologias. Não venha me botar a pecha de religioso, querendo tirar minha cidadania porque eu questiono. Eu fui a não sei quantas audiências públicas no Congresso Nacional nesses últimos 6 anos. Sobre aborto e questões que envolvem o movimento gay. Em nenhuma delas eu abri a Bíblia pra citar. Eu argumento no campo científico e sociológico. Lamentavelmente, querida, eu como não tenho papas na língua, digo mesmo: Há uma pré-disposição da imprensa pela causa gay. É ridículo! Se tá pensando que Marina come na mão de pastor, eu já tô rindo. Mas se ela é a esperança de mudança, vamos com ela. Se fosse o Levi Fidelix a grande chance de derrubar o PT,  conta comigo.

O que te desagrada tanto no PT?

Várias coisas. Por que Lula e Dilma nunca deram uma palavra sobre os políticos do PT que estão na cadeia, julgados em última instância e Lula em Portugal ainda os defendeu? Eles têm medo dos caras? Medo de serem trazidos? Hã? Falam que Marina foi ameaçada por mim mas eu nunca ouvi a imprensa dizer que Lula e Dilma estavam com medo dos mensaleiros. Outra coisa: o PT nas eleições só falta carregar pastor no colo. Depois nos quatro anos trabalha contra tudo que é principio que nós defendemos. Quem são os financiadores do ativismo gay? O governo do PT!  Mas aí vem uma jornalista e me pergunta “mas pastor, o que isso atinge o senhor? O cara está lá na dele” aí eu digo ou vocês são inocentes ou fingem que não sabem. O que o ativismo gay quer? Ensinar o homossexualismo nas escolas, a partir dos seis anos. A criança poder querer mudar de sexo. E já está acontecendo no Brasil: anular a comemoração do dia dos pais e das mães para o dia de cuidador. Meus netos estão aí, a geração das famílias que olham para mim como referencial. Eu vou ficar quieto? A minha guerra não é contra a prática homossexual. A prática pra nós é uma palavrinha só: pecado. Não tem mais o que discutir. A minha questão é ideológica. Acabar com o masculino e feminino, a desconstrução da heteronormatividade. Que é isso? Eu vou brigar o quanto eu puder pelo viés democrático e legal contra a ideologia deles.

O senhor se sente perseguido? Eu vi que no Twitter comparou a foto que a moça tirou no avião com a torcedora que xingou o jogador no estádio…

Vou eu bater uma foto de dois gays se beijando e escrever “vira homem”. Homofóbico, processo, denúncia. A imprensa disse que foi “o selfie do ano” Eu tô quieto no avião, não tô discutindo com ninguém, a mulher levanta um papel para me denegrir. Chamei meu advogado, que é um grande advogado, e ele disse que ela cometeu invasão de privacidade, injúria porque quando ela bota lá “gay também é gente” está dizendo que eu não considero eles. É calúnia, difamação. A garota de maneira errada, no calor do futebol, que não é brincadeira, errou? Eu não posso chamar ela de racista por aquele erro crasso que ela cometeu, porque ela estava no calor da emoção com outros torcedores, só bateram a foto dela mas tinha muito cara xingando o goleiro. Ela perdeu o emprego, foi processada, teve a casa apedrejada. Eu estava dentro de um avião. Eu ando com seguranças porque já quase apanhei três vezes. Agora, minha filha, se alguém vier tirar foto pra me safadiar em lugar aberto com segurança, pode se preparar porque o pau vai cantar. Isso eu garanto. Vai ter telefone quebrado. Não tem refresco. Eu digo logo porque não tenho medo. Não vem violar meu espaço pra me denegrir porque o pau vai comer. Lá eu estava sozinho no avião. Mas se eu estiver em shopping na rua, com seguranças, não tem negocio com ninguém. Vai quebrar celular, vai tomar empurrão. Ninguém vai dar tiro e ninguém vai dar soco. Mas vai tomar empurrão, vai ter telefone quebrado.

E qual sua opinião sobre os crimes de homofobia?

Bota o cara na cadeia por 50 anos. Quem matar por religião, por racismo, por homofobia – homofobia quem classifica é a psiquiatria. Um ser humano por medo ou ódio quer eliminar o homossexual. Quer matar e destruir. 50 anos de cadeia para o cara. Mas o que eles [ativistas gays] querem é a criminalização da opinião. Eu disse na cara deles em uma audiência pública em Brasilia: Será que não é porque vocês não têm convicção do que são e não suportam ouvir o contraditório quando a prática é errada? Diz pra mim que evangélico é um palhaço, que religião é droga do povo, eu não estou nem aí. Porque eu tenho convicção. Por que eles ficam incomodados quando alguém fala: “Sua prática errada, não concordo com a sua prática” hein?

Quem der um soco em um homossexual por causa de homofobia comprovada e não por briga entre eles, vai pegar 20 anos de cadeia. Quem matar vai pegar 30. Mas não é isso que eles querem. Eles querem calar aqueles que se levantam contra a causa deles. Esse que é o jogo. Mas se botar essa lei muito gay vai pra cadeia porque os assassinatos e brigas acontecem entre eles.

O senhor pensa em entrar na política?

Nunca. Você está aqui conversando comigo exatamente por causa disso. Partido são partes da sociedade. Quando eu entrar em um partido eu faço parte daquela parte. Hoje eu sou do todo. Apoio quem eu quero, desço a ripa em quem eu desejo, não tenho vínculo com partido nenhum. Eu não vou abrir mão de exercer influência. Isso aí nunca.

O senhor já foi procurado por partidos pra ser candidato e pra apoiar?

Pff! Meu irmão foi o terceiro deputado mais eleito, com 135 mil votos. Com a minha imagem. Eu ajudei a eleger 3 federais aqui no Rio. Eu fui o único cara, na eleição passada a vereador no Rio de Janeiro a transferir voto para outra pessoa. Ninguém conseguiu, nem Wagner Montes. Wagner Montes teve 510 mil votos. Foi o deputado estadual mais votado. Não conseguiu eleger o filho dele vereador. Eu peguei um jovem da minha igreja, ilustríssimo desconhecido e foi o 7o mais votado na cidade. Eu quero exercer influência e é o que eu faço. Eu sou pastor há 35 anos. Há 30 anos eu marco posição. Agora com o crescimento dos evangélicos eu estou aparecendo na mídia. Não sou o pastor mais influente, nem o dono da verdade. Mas tenho uma certa influência.

Tags: , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • ciromessias

    É impressionante como diante das câmeras e de seu público ele adota uma postura bastante ofensiva. Mas quando é questionado sobre o ódio que destila muda completamente a tática. É muito fácil passar essa imagem de perseguido, e nesse afã arrebanhar um monte de evangélico desorientado. É triste demais isso… mas enfim. Se ele adota um discurso com um viés homofóbico, o mesmo eu não vou fazer por ele ser evangélico. Querendo ou não temos que tolerar.

  • Paulo

    Muito boa a entrevista, concordo com o ponto de vista dele e respeito as opiniões contrárias.
    Mandou bem Agência Pública!

  • Lucas Santana

    Porque quando uma pessoa é contra, isso é ódio? ou é preconceito, ou homofobia? Tudo que vai contra os interesses deles é crime? Cresçam.

Acima de qualquer suspeita

| por | 30 de novembro de 2016

Alvo de sete acusações no CNJ e punido em um único processo, o desembargador Luiz Zveiter concorre pela segunda vez à presidência do TJ-RJ após mudança de regra do tribunal permitir a reeleição

Acima de qualquer suspeita

| por | 30 de novembro de 2016

Alvo de sete acusações no CNJ e punido em um único processo, o desembargador Luiz Zveiter concorre pela segunda vez à presidência do TJ-RJ após mudança de regra do tribunal permitir a reeleição