Buscar
Nota

CNJ: Ano de 2024 já tem mais denúncias de violência contra mulheres no Judiciário que 2023

29 de abril de 2024
04:00

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) já registrou, somente nos primeiros meses de 2024, um número maior de denúncias de violência contra mulheres praticadas por integrantes do Poder Judiciário que no ano inteiro de 2023. Os casos são de violência processual, ou seja, que teriam ocorrido no curso de processos, durante depoimentos, audiências ou julgamentos, e têm como suspeitos juízes, desembargadores, procuradores, promotores ou funcionários do sistema judiciário.

Até abril, segundo o CNJ, já são 20 casos, contra 13 registros do ano passado, quando um canal exclusivo para esse tipo de denúncia foi criado. Apenas no mês de janeiro, quando tribunais estão de recesso e funcionam em regime de plantão, foram oito queixas. Até o momento, mais da metade das denúncias feitas neste ano já gerou investigações internas, ainda em andamento, com abertura de pedidos de providência ou reclamações disciplinares.

O caso da mulher indagada se seria “sonsa” enquanto realizava uma denúncia de assédios sexual e moral contra o pastor Davi Passamani, no Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), é uma das denúncias em apuração pelo CNJ. Passamani é investigado por assédio e importunação sexual contra frequentadoras de sua igreja. 

Na ocasião, o diálogo envolvendo os desembargadores Silvânio Divino de Alvarenga e Jeová Sardinha chegou a classificar questões de assédio, gênero e racismo como “modismo”. No documento que instaurou uma reclamação disciplinar, o corregedor nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, destacou a necessidade de apurar se as falas dos desembargadores violam a Constituição e a Lei Orgânica da Magistratura.

O protocolo que prevê o atendimento a vítimas e recebimento de denúncias de violência processual contra a mulher foi oficializado em julho de 2023. O canal que recebe as denúncias garante sigilo às vítimas e acolhimento, além da possibilidade de que elas sejam ouvidas por uma outra juíza, sem a exigência de provas pré-constituídas ou elementos que inviabilizem sua denúncia.

“Ainda não tem dados relevantes no Conselho e nos tribunais. Mas os canais [de denúncia] estão abertos, inclusive nas inspeções que ocorrem nos estados pela Corregedoria Nacional”, afirmou a juíza Renata Gil, ex-presidente da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), supervisora da Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência contra as mulheres no Poder Judiciário e conselheira do CNJ.

A Pública apurou que o episódio de Goiás foi tema de conversas em grupos internos de ministras de tribunais superiores, que ficaram extremamente incomodadas e inconformadas. O mesmo ocorreu entre integrantes do CNJ, sobretudo mulheres. “É preocupante ver que magistrados com esse tipo de pensamento estão julgando processos de mulheres vítimas de crimes tão brutais”, defendeu uma conselheira do CNJ que pediu para não ser identificada.

Atualmente, 1,2 milhão de processos envolvendo violência doméstica contra mulheres e feminicídios tramitam na Justiça brasileira, sendo 10 mil deles de feminicídios.

Edição:

ELON MUSK é parça de Bolsonaro, Trump e benfeitor na Amazônia e no Rio Grande do Sul? Já se perguntou quais são as intenções de Elon Musk no Brasil? A Pública vai investigar os interesses e negócios do homem mais rico do mundo em nosso território. O magnata da tecnologia mundial promove desinformação e já é investigado por órgãos públicos em diversos países. O jornalismo independente da Pública pode trazer revelações inéditas sobre Elon Musk. Mas um trabalho desse tamanho só pode ser realizado com a ajuda de nossos leitores. Por isso precisamos de, pelo menos, 700 novos Aliados ao nosso lado nesta investigação, que vai render uma série de reportagens especiais.

Clique aqui e faça parte desta investigação!

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Palestrante aponta discriminação em voo da Azul enquanto ia a evento do MP sobre racismo


Brasil Paralelo mira geografia e ciências sociais após curso que desinforma sobre história


Projeto que pune aborto como homicídio é denunciado na Comissão Interamericana


PT quer ‘suavizar’ PL que equipara aborto a homicídio, mas texto ainda punirá mulheres


CPAC: Evento do instituto de Eduardo Bolsonaro tem patrocínio de apoiadora de ato golpista


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes