AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

A história de Meera

Reportagem em quadrinhos produzida pela revista digital Symbolia conta a história real de uma jovem nepalesa que caiu numa rede de tráfico de pessoas. Por Dan Archer

 Parte 1

Meerap1trad

Parte 2

Meerap2trad

Parte 3

Meerap3trad

Parte 4

Meerap4trad

Nota do Autor

O Nepal tem uma das maiores incidências de tráfico de pessoas no mundo, além de ter pobreza extrema e baixo índice de alfabetização. Por esses motivos — sem contar o generoso apoio do meu colega nepalês Madhu Acharya — eu tinha certeza que jornalismo em HQ poderia fazer a diferença a informar as comunidades locais nas suas bases. Eu trabalho no Nepal desde outubro de 2012, usando jornalismo investigativo em HQ para cobrir o tráfico de pessoas para sites como BBC Online, Poynter Institute, e agora o Symbolia.

Essa história foi traduzida para o nepalês e distribuída por ONGs em todo o país. Ele é parte de um estudo pioneiro feito em parceria com as Universidades de Stanford e Vanderbilt para medir os impactos de diferentes tipos de mídia (HQ, brochuras e rádio) em transmitir a mensagem anti-tráfico de pessoas em áreas remotas. Essas histórias, ouvidas em primeira mão de testemunhas que sobreviveram a esse crime, farão parte da minha novela em quadrinhos “No Home For You Here”, que vai mostrar também o processo jornalístico por trás das entrevistas assim como os desafios de cobrir tráfico de pessoas em tempo real usando a linguagem dos quadrinhos

Essa reportagem em HQ foi publicada na edição especial ‘Heroínas’ da revista digital de jornalismo em quadrinhos Symbolia

Tags: , , , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Leo Mendes

    Para quem pensa que HQs só servem para contar histórias de super heróis, essa é uma boa forma de propagar informação. A linguagem é ágil e o apoio visual ajuda a comunicação.

Uma pena, duas medidas

| por | 17 de julho de 2017

Enquanto as mulheres com filhos pequenos lutam para obter a prisão domiciliar, direito previsto por lei, presos da Lava Jato gozam desse benefício sem amparo da legislação penal

A faculdade estatizada no Mato Grosso

| por | 30 de junho de 2017

Instituição criada por Gilmar Mendes e sua família em Diamantino foi incorporada pelo Estado no governo de Silval Barbosa, amigo do ministro do STF; Ministério Público investiga a legalidade do negócio de R$ 7,7 milhões. Executivo reconhece que não tem recursos para manter a unidade como determina a lei