Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Fausto Mota questiona a lógica da cidade-negócio e a relação entre UPPs e especulação imobiliária no Rio em tempos de megaeventos

25 de setembro de 2012
Especial: Copa Pública

Qual é a relação entre as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) cariocas, a especulação imobiliária, remoções de comunidades inteiras, grandes empreiteiras e a Copa do Mundo no Brasil? É isso que os cineastas Fausto Mota, Raoni Vidal e Henrique Campos se dispuseram a descobrir e costurar no documentário Domínio Público.

Feito de forma totalmente independente e com a possibilidade de se tornar um longa- metragem – o projeto está no site Catarse para financiamento coletivo – o filme sugere que o Rio de Janeiro, assim como outras cidades que sediarão a Copa, está se tornando cada vez mais uma cidade a serviço de empreiteiras e grandes negócios.

Mesmo assim, o diretor não acha viver no Rio a maravilha que essas empresas vendem para os gringos. Em entrevista ao Copa Pública, Fausto Mota diz que os cariocas vivem sob o regime do medo do tráfico, da polícia ou da milícia e que muitas vezes não têm coragem de denunciar, ou tocar em assuntos polêmicos com medo de morrer. Leia a entrevista e veja o mini doc:

Quem produziu, dirigiu, idealizou o filme? O que motivou vocês a fazer este doc?

O filme foi produzido por Fausto Mota e idealizado/dirigido por ele, Raoni Vidal e Henrique Ligeiro. A motivação veio de indagações a respeito do projeto das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora). Começamos a nos questionar sobre a escolha dos locais para instalação das unidades e a valorização imobiliária inerente ao processo. A partir disso, passamos a pesquisar material sobre o tema e percebemos que o buraco era bem mais profundo do que a gente pensava. As UPPs são a ponta do iceberg de um projeto de cidade muito perigoso…

O que mais chocou vocês durante este processo?

Sem sombra de dúvidas, a maneira cruel e desumana como é feita a remoção das pessoas de comunidades localizadas em áreas de forte interesse imobiliário. Famílias inteiras são despejadas na rua, muitas vezes sem direito a nada, perdendo móveis, eletrodomésticos e sem ter para onde ir, tendo que se alojar em casa de parentes ou em albergues para mendigos. Às vezes, a prefeitura oferece a opção de uma casa na zona oeste, que na maioria dos casos é recusado pelas pessoas, por se tratar de um lugar longe – umas 2 ou 3 horas do centro da cidade –  sem infraestrutura – escola, hospital, mercado de trabalho e transporte – e, ainda por cima, dominado por milícias fortemente armadas e extremamente perigosas.

Vocês começam o filme mostrando pessoas que não têm coragem de dar seus depoimentos. De quem eles têm medo?

A população carioca vive sob o regime do medo, seja do tráfico, da polícia ou da milícia. As pessoas preferem não tocar em certos assuntos polêmicos com medo de ter sua integridade física ameaçada, como já cansamos de ver tanto no Rio quanto no resto do Brasil e do mundo. Jornalistas do jornal O Dia torturados por milicianos na favela do Batan; a juíza Patrícia Acioli que foi assassinada por prender milicianos; vários casos de moradores assinados por policiais das UPPs; os 3 jovens assassinados pelo exército na Providência; o cineasta argentino Fernando Solanos, que foi baleado enquanto investigava, em um documentário, irregularidades na privatização da YPF, empresa estatal petrolífera da Argentina; o blogueiro Ricardo Gama que foi fuzilado por lançar um vídeo no youtube no qual denunciava a relação do governador do Rio Sérgio Cabral com os milicianos presos Natalino e Jerominho. Tem o caso da irmã Dorothy, assassinada por grileiros no Pará; teve o caso recente da PM de São Paulo acusada de assassinar líderes comunitários; e o próprio Deputado Estadual Marcelo Freixo, entrevistado no nosso filme, que já sofreu várias ameaças de morte por causa da sua atuação na CPI das Milícias. Acredito que esses exemplos já deixam claro o motivo de tanto de medo das pessoas em falar abertamente suas opiniões. Isso é democracia?

Vocês falam bastante do empresário Eike Batista. O que ele está fazendo no Rio de Janeiro?

Para se realizar um megaevento como a Copa do Mundo ou as Olímpiadas, são necessárias várias alianças e acordos. Existe uma aliança em nível horizontal entre a rede hoteleira, os proprietários de terra, as empreiteiras, a prefeitura, o governo estadual e empresários locais, e em nível vertical com o governo federal, que detém os mecanismos de financiamento como BNDS e Caixa, e a FIFA, a CBF, o COI, as grandes multinacionais que patrocinam esses eventos. São muitos acordos envolvidos por trás dos megaeventos e isso é muito perigoso, pois a cidade passa a ser dirigida em função dos interesses privados de uma pequena elite. Na lógica da cidade-empresa o que importa é extrair o lucro máximo e não o bem-estar do cidadão. O governo se transforma em um mero balcão de negócios para administrar esses interesses privados, ao invés de se preocupar com os problemas reais da população.  É um ciclo vicioso, no qual os empresários financiam quase todos partidos políticos, em troca de benefícios como concessão de terras, isenções fiscais e dispensa de licitações. É uma roubalheira que não tem tamanho, uma quantidade imensa de dinheiro público, bilhões, vai servir para enriquecer esse grupo de empresários como Eike Batista. Poucas vezes se desviou tanto dinheiro dos nossos cofres públicos. Quem vai pagar essa conta no final?

O filme foi feito de forma totalmente independente? Quem financiou esta primeira parte da historia?

Sim, esse filme é totalmente independente. O dinheiro para financiar a primeira parte do projeto foi conseguido através da produção de um evento cultural cujo lucro foi revertido para o caixa do filme. A equipe abriu mão de seus salários e os equipamentos foram cedidos gratuitamente. Infelizmente, existe uma censura econômica disfarçada nos dias de hoje. Você não é proibido de fazer um filme que denuncie os nossos problemas e mazelas, mas também não vai conseguir financiamento para realizá-lo. Somente as grandes empresas têm um giro de capital suficiente para que seus impostos possam ser convertidos para projetos culturais. E não é interessante para esses eles projetos que questionem a ordem vigente, causando reflexão, indignação e discussão entre as pessoas. Por isso optamos em conseguir recursos através de financiamento coletivo para dar continuidade ao nosso trabalho. É uma maneira de fugir desse sistema ultrapassado de financiamento de projetos culturais no Brasil. As pessoas podem doar qualquer valor a partir de R$10,00 através do site catarse.me/dominiopublico .

Quanto tempo passaram pesquisando e filmando?

Estamos pesquisando e filmando há aproximadamente 14 meses.

https://vimeo.com/49419197

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Crowdfunding: Faltam só DOIS dias para doar! Participe!

7 de agosto de 2013 | por

A Agência Pública Pública vai financiar dez reportagens investigativas através de doações no Catarse. E todos os doadores vão decidir o que os repórteres devem investigar

| De olho | Orçamento em risco

25 de setembro de 2015 | por

Senadores e deputados preparam-se para votar duas matérias que podem interferir diretamente na saúde financeira do país.

Governo tem pressa em fechar acordos com bancos sem comunicar crimes ao MP, diz subprocuradora da República

13 de julho de 2017 | por

Em entrevista à Pública, Luiza Frischeisen critica exclusão do Ministério Público dos acordos de leniência no sistema financeiro e protesta contra a regulamentação do tema por medida provisória

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar